Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Negócios

12/10/2017

Neurociência facilita a gestão de pessoas

Daniela Maciel
Email
A-   A+
Salamacha: decisões são tomadas de forma inconsciente ou irracional/Divulgação
Nos últimos anos, a neurociência se tornou um conhecimento base para diferentes técnicas e ferramentas para a gestão de carreiras e de empresas. Na década de 1990, a evolução dos equipamentos de ressonância e tomografia permitiu que aos conhecimentos empíricos advindos da psicologia e da psiquiatria se somassem uma série de conhecimentos sobre as funcionalidades do cérebro. A partir daí, as reações cerebrais passaram a gerar algorítimos computacionais.

A Matriz Stakehand, desenvolvida pelo pesquisador corporativo e integrante do grupo de pesquisa no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) sobre Inovação Tecnológica nas Organizações, Luciano Salamacha, usa a metáfora dos dedos para simplificar a alavancagem de carreiras e negócios. São cinco passos que apresentam elementos eficazes na conquista de resultados, cada um deles representado por um dos dedos das mãos. Na palma da mão é depositado o problema que requer solução e nos dedos as ações necessárias para chegar ao objetivo com um projeto, tudo baseado em cinco pilares: força de vontade, conhecimento, resiliência, disciplina e planejamento.

“Toda decisão é tomada aliando uma parte consciente e outra inconsciente do cérebro. Mais de 85% das nossas decisões são tomadas de forma inconsciente ou irracional. A neuroestratégia que propomos prevê que sabendo distinguir o que é racional do que é irracional é possível chegar com mais facilidade ao resultado almejado”, explica Salamacha.

Dentro das empresas a neuroestratégia pode ajudar a identificar os componentes predominantes na reação dos gestores. A escolha certa de gatilhos mentais é uma forma de reforçar a sinapse que pode modificar resultados, gerando condicionamento. Assim, essa escolha pode auxiliar no controle sobre o estado mental do indivíduo naquele momento e no controle da sua irracionalidade. O que se propõe não é a eliminação da irracionalidade, mas o seu conhecimento e uso adequado para um determinado resultado.

“Em tempos de crise, os gatilhos dentro das empresas costumam ser ‘segurança’, ‘cuidado’, ‘diminuição dos investimentos’. As empresas precisam, agora, mudar essa chave. Se a economia brasileira está começando uma retomada, elas precisam de novos gatilhos mentais, como ‘oportunidade’, ‘desenvolvimento’, ‘crescimento’, sob pena de ficarem engessadas e deixarem o bom momento passar”, alerta o especialista em neuroestratégia.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
Empresários apostam em lojas temporárias
Casa Maia prevê vendas 30% maiores
21/10/2017
Alteração de cobrança do ISSQN gera polêmica
Para o prefeito, adequação traz benefícios para o município, como o ?aspecto espacial do imposto?
21/10/2017
Contagem sedia Semana da Economia Criativa
No Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, organizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Minas Gerais aparece em sétimo lugar...
21/10/2017
Congresso vai reunir mais de mil profissionais em BH
Minas Gerais possui 6.300 empresas do ramo
21/10/2017
Modelo não dispensa exigências legais
Ao contrário do que se imagina, as lojas temporárias não dispensam as exigências legais, segundo o especialista em legislação empresarial e analista do...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.