Publicidade

Agronegócio

07/01/2017

Núcleo Girolando fortalecerá raça na região de Belo Horizonte

Meta é unir setor e difundir tecnologias
Michelle Valverde
Email
A-   A+
Responsável por 80% da produção leiteira do País, a raça Girolando está em pleno crescimento/Divulgação
Produtores estabelecidos em uma área de 250 km no entorno de Belo Horizonte agora contam com o Núcleo Girolando das Gerais. O objetivo é unir os pecuaristas para garantir o acesso às tecnologias disponíveis, promovendo o desenvolvimento e o crescimento da raça. A expectativa é que, ao longo do ano, cerca de 200 criadores da região se associem.

Responsável por 80% da produção leiteira do País, a raça está em pleno crescimento devido à maior rusticidade - o que permite a adaptação em climas e manejos diferentes – à precocidade e, principalmente, à aptidão para a produção de leite.

De acordo com o presidente do Núcleo Girolando das Gerais e conselheiro da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando (Girolando), Alexandre Lopes Lacerda, a criação do núcleo regional é importante por unir os produtores e promover ações conforme a demanda local, gerando o desenvolvimento da raça.

“A associação Girolando incentiva a organização dos criadores em núcleos regionais, visando ao fortalecimento dos criadores e da raça. O núcleo propicia, localmente, o acesso à tecnologia e é uma oportunidade de promover a maior integração entre os criadores. Durante o ano, vamos apoiar várias exposições e realizar dias de campo nas fazendas dos associados”.

A descentralização das ações da Girolando nacional também vai contribuir para o maior desenvolvimento dos pequenos produtores e a aplicação dos registros. O acesso às características dos rebanhos permite um melhor controle leiteiro e a realização de testes de progênies, quando a qualidade dos touros é testada e provada.

“Nossa expectativa é que os pequenos produtores tenham custos mais acessíveis para registrar os animais, o que é muito importante para a raça. O registro nos ajuda a promover o melhoramento e a aprimoramento da raça, nos auxiliando na seleção dos melhores bovinos”, disse Lacerda.

A adesão inicial ao núcleo foi de 45 pecuaristas e a meta é chegar aos 200 associados até o final de 2017. De acordo com Lacerda, a região no entorno de Belo Horizonte é uma das maiores bacias leiteiras do Estado e a raça Girolando está presente em grande parte das propriedades rurais. O núcleo abrange uma área de 250 quilômetros em torno da capital mineira, incluindo importantes municípios produtores, como Sete Lagoas, Pompéu, Oliveira e Divinópolis.

Redução de custos -“O nosso objetivo é garantir maior acesso desses produtores à genética de qualidade da raça para elevar a produtividade dos rebanhos, além de difundir tecnologias que permitam a redução dos custos de produção e a adoção de práticas sustentáveis.”, diz Lacerda.

A redução dos custos é vista como primordial para que os pecuaristas se mantenham e tenham lucro com a atividade. Segundo Lacerda, os últimos meses de 2016 foram difíceis para a pecuária leiteira, em função da queda dos preços do leite. Para ele, o produtor precisa ter o controle efetivo dos custos para evitar muitas perdas em períodos de preços menores. Por ser um gado rústico, com aptidão para a produção de leite e com longevidade, a raça Girolando também permite que os gastos dos produtores com os animais sejam menores.

“A atividade leiteira passa por um momento ruim, de redução dos e preços, e a Girolando nacional e o núcleo incentivam a busca constante de tecnologias que promovam a redução dos custos, já que o preço é questão de mercado e o produtor não tem controle disso”, explicou Lacerda.
 
Marca - Para agregar valor à produção leiteira, a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando lançou o modelo de licenciamento de uma marca patenteada, que permitirá ao produtor de leite e de queijos, mediante contrato, colocar no rótulo dos produtos a indicação “G - Girolando: Produzido com leite de Girolando – A raça leiteira tropical do Brasil”, indicando que são fabricados com leite de rebanhos bovinos predominantemente da raça.

A expectativa é de que a marca agregue valor ao produtor de leite e aos produtos lácteos e torne conhecida a raça junto ao consumidor final.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

28/03/2017
Agrobanco planeja investir R$ 5 milhões até 2018
Objetivo da empresa no Sul de Minas é aumentar a capacidade de estocagem de milho, soja e trigo
28/03/2017
Restrições chegam a 31 mercados
São Paulo - Mesmo com a reabertura dos mercados da China, Chile e Egito à carne brasileira, atualmente chega a 31 o número de mercados que adotaram algum tipo de...
28/03/2017
Carne Fraca: Mapa anuncia novas interdições e recall
Brasília - Dos 21 frigoríficos alvos da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, o Ministério da Agricultura já interditou seis unidades, em...
25/03/2017
Femec deve girar R$ 225,4 milhões neste ano
Com preços valorizados das commodities, produtores rurais investem na modernização da produção
25/03/2017
Carne Fraca: exportadores já perderam US$ 40 milhões
São Paulo, Brasília e Genebra - Indústrias exportadoras de carne suína e de frango perderam US$ 40 milhões na primeira semana após as...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.