Publicidade
20/11/2017
Login
Entrar

Economia

15/11/2017

Número de milionários deve crescer 81% no Brasil nos próximos cinco anos

FP
Email
A-   A+
São Paulo - O número de milionários no Brasil deve crescer 81% até 2022, passando dos atuais 164 mil para 296 mil, de acordo com relatório do banco Credit Suisse publicado na terça-feira.

O maior avanço percentual será registrado pela Argentina, com alta de 127%, de 30 mil para 68 mil. No mundo, o crescimento previsto no número de milionários é de 22% nos próximos cinco anos, de 36 milhões para 44 milhões, indica o Credit Suisse. “Enquanto o número de milionários em economias emergentes ainda está bem distante dos níveis de Estados Unidos e Europa, eles devem aumentar substancialmente até 2022”, afirma o banco.
A China terá um aumento de 41% no número de milionários, até 2,7 milhões, e alcançará a terceira posição no ranking mundial, atrás de Estados Unidos (17,784 milhões) e Japão (3,821 milhões).

O estudo do banco teve como objetivo principal analisar a geração de riqueza global, que cresceu 6,4% neste ano e atingiu US$ 280 trilhões.

Segundo o relatório, o avanço refletiu “lucros generalizados nos mercados de ações” e “aumentos similares em ativos não financeiros, que pela primeira vez neste ano ultrapassaram o nível de 2007 antes da crise”. Ativos não financeiros podem ser imóveis, equipamentos, maquinários, ouro e petróleo, embora o banco não detalhe no estudo.
O banco indica que a riqueza média global por adulto cresceu 4,9%, atingindo o recorde de US$ 56,54 por adulto.

A participação dos emergentes na riqueza global praticamente dobrou entre 2000 e 2017, passando de 11% para 19%. No relatório, o banco diz que o “ritmo de geração de riqueza em economias emergentes deve continuar a ser maior que nos mercados desenvolvidos, embora esse diferencial seja menos impressionante nos próximos cinco anos”.

O Credit Suisse estima que os emergentes devem atingir uma parcela de 22% da riqueza global no fim do período de cinco anos. No entanto, indica, o ritmo da geração de riqueza nas economias emergentes é mais lento do que estimado anteriormente.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/11/2017
Contagem projeta investimentos
Industriais chineses dos setores de mobilidade e energia manifestaram interesse
18/11/2017
Aplicações crescem no terceiro trimestre
Rio de Janeiro - O indicador do Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) avançou 0,4% em setembro ante agosto, acumulando no terceiro trimestre alta de 1,4%, informou o...
18/11/2017
Setor privado brasileiro quer garantia de acesso a licitações públicas no exterior
Genebra - O setor privado brasileiro quer o estabelecimento de acordos para garantir maior acesso a licitações públicas no exterior. Numa consulta inédita com...
18/11/2017
Setor de serviços registra aumento de 0,2% em Minas
Apesar do resultado positivo em setembro, foi apurada queda de 3,1% nos primeiros nove meses deste ano
18/11/2017
Falta trabalho para 26,8 milhões de brasileiros, de acordo com o IBGE
Rio - A taxa composta de subutilização da força de trabalho passou de 23,8% no segundo trimestre de 2017 para 23,9% no terceiro trimestre, segundo os dados da Pesquisa...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.