Publicidade
21/02/2018
Login
Entrar

Negócios

06/12/2017

Oca do Milho, original de Caetanópolis, abre primeira unidade em Belo Horizonte

Daniela Maciel
Email
A-   A+
Com um mix de mais de 50 itens, a grande estrela é a pamonha/Divulgação
Um dos cereais mais consumidos no mundo, o milho ajudou a formar uma família de empreendedores mineiros. Certos de que o produto seria um sucesso, a dificuldade no início era achar um ponto. Depois de alguns desacertos, a oportunidade viria à beira da rodovia BR-040, na altura do município de Caetanópolis, na região Central. Desde 1998, a pamonharia Oca do Milho oferece as mais variadas delícias que vêm dos grãos dourados do milho, sejam elas doces ou salgadas. No mix de mais de 50 itens - poucos sem milho na receita -, todos de fabricação própria, a grande estrela é a pamonha.

O momento agora é de mais um salto na história dos empreendedores, com a abertura da primeira unidade em Belo Horizonte, na região da Savassi, prevista para este mês. O investimento de R$ 400 mil abriga não só as obras necessárias para deixar o espaço confortável para os consumidores e a compra de equipamentos, como também para o tratamento da marca que passa desde consultoria e estudo de geomarketing até o desenvolvimento de novas embalagens.

De acordo com a engenheira de produção e sócia da Oca do Milho, Luana Magalhães, o sonho dos pais ganha agora um novo capítulo com a abertura de uma unidade em uma das regiões mais tradicionais da Capital. A escolha do ponto levou em consideração que a Savassi, com intenso comércio e sede de muitas empresas, recebe moradores de todas as outras regiões da cidade.

“Temos duas Ocas do Milho na BR-040, bem próximas. Quando meu pai começou a construir a primeira, muita gente disse que daria errado, mas ele apostava no sabor dos nossos produtos. Depois de tanto tempo, nos estruturamos para vir para Belo Horizonte. Grande parte do nosso público é da Capital e ouvíamos sempre pedidos para ter uma loja aqui. É, para nós, uma experiência totalmente diferente. Estamos focados nessa inauguração e na consolidação dessa nova unidade”, explica Luana Magalhães.

A nova loja vai gerar oito empregos diretos, sendo que quatro vagas serão ocupadas por pessoas que já trabalham nas unidades de Caetanópolis. A produção continuará concentrada na matriz, onde o espaço já foi dimensionado para suportar o crescimento da empresa em até mais duas unidades. Ao todo, a Oca do Milho abriga cerca de 70 colaboradores.

O objetivo é utilizar a nova loja como um piloto no processo de franqueamento da marca Oca do Milho. “Prezamos pela segurança do nosso negócio. Queremos estudar, testar tudo antes de oferecer o nosso nome para outras pessoas. Mesmo por isso todo o investimento realizado em Belo Horizonte é com recursos próprios. Muitas pessoas já nos falaram em franquia, mas esse tem que ser um processo seguro para todos. Aqui vamos testar produtos, atendimento e estratégias. Uma das novidades é o delivery. Esse é um recurso importante para atender o púbico de Belo Horizonte e das grandes cidades, por exemplo”, destaca a empreendedora.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/02/2018
Software: setor "briga" contra bitributação
Cenário normativo é nebuloso; fabricantes se unem contra incidência de ICMS e ISS
21/02/2018
App ?Boca a Boca? já tem dois mil usuários
Um lugar para passar as férias, um bom restaurante, um serviço de assistência mecânica de confiança. Não importa qual a necessidade: o hábito de pedir...
21/02/2018
Um líder para os líderes: as regras e as histórias que fizeram de Vicente Falconi uma referência na gestão
Para muita gente, o professor Falconi é sinônimo de eficiência em gestão. Conheça mais sobre os conceitos que até hoje norteiam algumas das principais empresas do país
21/02/2018
Leis de incentivo devem estimular criação de startups
O governo federal regulamentou na quinta-feira (8), medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo. O decreto...
21/02/2018
Falta de mobilidade urbana afeta varejo
Hipercentros, como o de Belo Horizonte, são os que mais sofrem os efeitos da falta de estrutura
› últimas notícias
Alienação fiduciária será analisada pelo STF
Formação Bruta de Capital Fixo recua 2% em 2017, segundo o Ipea
Desistência em aprovar reforma da Previdência é fator negativo para nota
Produção de ouro da AngloGold cresce 4%
Plano Rota 2030 será anunciado neste mês
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Electric Ink investe R$ 12 mi em Uberaba
Mudanças legislativas geram divergências
Coco Bambu vai desembarcar na Capital e Uberlândia
Governo adia votação de reforma
Petrobras passa a divulgar preços médios nas refinarias
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.