Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Internacional

21/09/2017

OCDE aponta em relatório que o crescimento global pode ter fôlego curto

AE
Email
A-   A+
Paris - Um impulso no crescimento econômico global terá fôlego curto, a menos que governos gastem mais em projetos para reforçar a produtividade e conduzam reformas que lidem com o legado da crise financeira, incluindo o problema das companhias “zumbis”, aquelas que não geram receita suficiente para pagar suas dívidas. Este é o veredicto da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em seu relatório trimestral, no qual a entidade sediada em Paris divulgou ontem novas projeções.

O documento é publicado no momento em que importantes bancos centrais preparam-se para retirar medidas de estímulos, o que dá aos políticos a responsabilidade de enfrentar problemas duradouros de investimento insuficiente, produtividade fraca e crescimento modesto nos salários, além dos altos níveis de desigualdade de renda.

A OCDE afirmou que a economia global deve crescer 3,5% neste ano e 3,7% no próximo, acima dos 3,1% de 2016. Ela manteve suas projeções para os EUA, mas elevou as de França e Itália, embora continue a esperar que a Alemanha lidere a recuperação na zona do euro. Agora, a OCDE espera que a França cresça 1,7% neste ano e 1,6% no próximo, enquanto a Itália deve avançar 1,4% e 1,2%, respectivamente. “As forças contrárias na atividade com a recente valorização do euro devem ser modestas”, afirmou.

Bancos centrais têm gastado há nove anos para apoiar o crescimento na demanda, mas a OCDE agora deseja mudar o foco para políticas que impulsionem a oferta. “Nós queremos exortar os formuladores das políticas que façam reformas necessárias para garantir o crescimento na produtividade, para que ele seja mais robusto adiante”, afirmou Catherline Mann, economista-chefe da OCDE que trabalhou no Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

O único corte significativo nas projeções ocorreu em relação à Índia, em reflexo ao impacto de um novo imposto sobre bens e serviços no país. A entidade espera que a economia indiana cresça 6,7% neste ano e 7,2% no seguinte.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
UE vai insistir em acordo com o Mercosul
Conversas serão mantidas, apesar das reservas da França em relação às importações agrícolas
21/10/2017
China prepara emissão de bônus em dólar
Pequim - A China selecionou dez bancos, incluindo quatro estrangeiros, para coordenar uma emissão de bônus denominado em dólares no valor de US$ 2 bilhões, que...
21/10/2017
Trump anuncia três candidatos para assumir o Fed
Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tem três candidatos preferidos para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a partir de...
21/10/2017
Setor imobiliário está desacelerando neste ano
Pequim - A China registrou um crescimento econômico relativamente sólido no terceiro trimestre impulsionado por uma atividade de serviços mais forte, embora haja sinais de...
20/10/2017
Brasil seria país mais alinhado para conquistar vaga na OCDE
Adesão foi solicitada em junho, mas aprovação pode levar 4 anos
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.