Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Internacional

07/10/2017

Oferta de carne e etanol dificulta acordo entre UE e Mercosul

Falta de entendimento sobre cotas frustra negociação
Reuters
Email
A-   A+
Embaixador Ronaldo Costa Filho, do Ministério das Relações Exteriores, tenta negociar/Wilson Dias/ABr
Brasília - A possibilidade de um acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia ser fechado até dezembro, como queriam os europeus, tornou-se mais remota depois da rodada de negociações encerrada na sexta-feira (6), em Brasília, ter terminado com mais frustrações que avanços.

Na esteira de uma oferta da União Europeia para cotas de carne e etanol considerada frustrante pelos negociadores do Mercosul, as conversas sobre acesso a mercados - ponto central do acordo - terminaram sem qualquer avanço.

“A possibilidade de anunciar um acordo em Buenos Aires (em dezembro), como se falava ficou mais remota que no início da semana”, avaliou uma fonte que acompanha as negociações. “Eu não tenho parâmetros para falar de uma melhora de ofertas.”

Em maio de 2016, quando foram apresentadas as ofertas para acesso a mercados, os europeus deixaram de fora etanol e carne bovina, dois setores centrais para o Mercosul, alegando que não havia condições políticas de fazer isso naquele momento.

As cotas apresentadas agora, de 70 mil toneladas de carne e 600 mil toneladas de etanol, foram inferiores às de 2004, de 100 mil de carne e 1 milhão de etanol. Na retomada das negociações, em 2010, o parâmetro básico era de que todas as propostas precisariam ser maiores que as de 2004.

Apesar de se esperar que as ofertas iniciais sejam conservadoras, já que ninguém apresentada suas melhores cartadas desde o início, os números muito abaixo do esperado emperraram o avanço, disse a fonte. “A grande expectativa para essa rodada veio abaixo. A expectativa era de que esses números permitissem avançar, o que não aconteceu”, explicou.

Mesmo reconhecendo que em outras áreas, como concorrência, cooperação aduaneira, facilitação de comércio, o acordo avançou muito, acesso a mercados continua como estava em maio de 2016. “Acesso a mercado é determinante. Sem acesso a mercado, o resto todo é inútil”, afirmou a fonte.

Ao avaliar que não seria possível iniciar as negociações efetivas na área, o Mercosul propôs o que os diplomatas chamam de uma metodologia de melhoria das ofertas para a nova rodada, marcada para o início de novembro. São parâmetros de quanto cada parte da oferta tem que melhorar para que se possa partir de uma base similar nos dois lados.
Apesar da sexta-feira gasta em conversas sobre isso, os europeus não aceitaram nenhuma das propostas, ainda que não tenham negado diretamente.

“O que eu preciso agora é uma instrução para eu ir para a etapa final, mas eu não tenho parâmetros para uma oferta melhorada”, frisou a fonte. “Em novembro, se não tiver entendimento sobre essa metodologia, o resto pode continuar, mas atrasa mais uma vez a possibilidade de fechar (acordo para) acesso a mercados.”

Como avançar - Do lado do Mercosul, a avaliação é que cabe agora aos europeus aceitar os parâmetros da oferta sul-americana ou fazer uma nova proposta nas próximas semanas, ou se chegará em novembro exatamente na mesma posição que se está agora.

No setor privado, a frustração com a falta de avanços nessa rodada foi grande, e não apenas no setor agrícola. Na área industrial também se esperava que a oferta de etanol e carne fosse o suficiente para que as conversas andassem.

“Esperava-se que a oferta destravasse as conversas para os outros bens. Dessa forma, o cronograma também continua congelado para bens industriais”, disse à Reuters o gerente de Negociações Internacionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Fabrizio Panzini.

O setor industrial, que pode passar a enfrentar uma dura concorrência de produtos europeus, tem defendido com veemência o acordo com a UE. Em um café da manhã com os negociadores, falou Panzini, a intenção foi deixar claro que a indústria não seria obstáculo.

“Nossa expectativa era de que nessa rodada já fosse possível falar de desgravação, períodos do acordo, mas não houve esse movimento europeu, a gente espera que venha agora”, afirmou Panzini.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
UE vai insistir em acordo com o Mercosul
Conversas serão mantidas, apesar das reservas da França em relação às importações agrícolas
21/10/2017
China prepara emissão de bônus em dólar
Pequim - A China selecionou dez bancos, incluindo quatro estrangeiros, para coordenar uma emissão de bônus denominado em dólares no valor de US$ 2 bilhões, que...
21/10/2017
Trump anuncia três candidatos para assumir o Fed
Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tem três candidatos preferidos para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a partir de...
21/10/2017
Setor imobiliário está desacelerando neste ano
Pequim - A China registrou um crescimento econômico relativamente sólido no terceiro trimestre impulsionado por uma atividade de serviços mais forte, embora haja sinais de...
20/10/2017
Brasil seria país mais alinhado para conquistar vaga na OCDE
Adesão foi solicitada em junho, mas aprovação pode levar 4 anos
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.