Publicidade
19/02/2018
Login
Entrar

Internacional

17/03/2017

Orçamento de Trump prioriza defesa

Email
A-   A+
Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai pedir ao Congresso que faça cortes drásticos em muitos programas federais para poder reforçar os gastos com a defesa, começar a construir um muro na fronteira com o México e gastar mais com a deportação de imigrantes ilegais.

Em uma proposta de orçamento federal com muitos perdedores, a Agência de Proteção Ambiental e o Departamento de Estado se destacam como alvos das maiores reduções de gastos. O financiamento de 19 organismos independentes que contam com dinheiro federal para transmissões públicas, artes e questões regionais que vão do Alasca aos Montes Apalaches vai secar completamente.

 O esboço de orçamento de Trump é um plano enxuto que só cobre os gastos “discricionários” para o ano fiscal de 2018, que começa em 1º de outubro, e é a primeira manobra do que se espera ser uma batalha intensa por gastos nos próximos meses no Congresso, que controla os recursos do governo e raramente aprova as propostas orçamentárias dos presidentes.

 O Congresso, mesmo controlado pelos colegas republicanos de Trump, pode rejeitar alguns ou muitos de seus cortes propostos. Algumas das mudanças sugeridas, às quais os democratas vão se opor em massa, estão na mira de republicanos conservadores há décadas.

Além do pedido para o ano fiscal de 2018, uma cópia de um orçamento suplementar para o ano fiscal de 2017 obtida pela Reuters mostra que o governo planeja solicitar US$ 30 bilhões para o Departamento de Defesa e US$ 3 bilhões para o Departamento de Segurança Interna.

Alocação neste ano - Os recursos seriam alocados neste ano para cobrir a obtenção de tecnologia militar, como caças de combate F-35 e sistemas de drones (aeronaves não-tripuladas), iniciar o muro na divisa com o México e aumentar o espaço para a detenção de imigrantes. Provavelmente o Congresso vai analisar o pedido suplementar até 28 de abril, quando o financiamento regular atual vence.

 Republicanos moderados já expressaram apreensão com cortes em potencial em programas domésticos populares, como subsídios para calefação, projetos de água limpa e treinamento profissional. Os democratas criticaram a proposta por carecer de detalhes e disseram que será devastadora para as famílias norte-americanas.

 “O presidente Trump não está deixando ninguém mais protegido com um orçamento que esvazia nossa economia e ameaça as famílias trabalhadoras», frisou a líder democrata na Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi.

 Trump quer gastar US$ 54 bilhões a mais com a defesa, pagar uma primeira parcela do muro e dar vida a algumas outras promessas de campanha.

Seu projeto de orçamento inicial não incorpora sua promessa de investir US$ 1 trilhão em estradas, pontes, aeroportos e outros projetos de infraestrutura. A Casa Branca informou que o plano de infraestrutura está a caminho.

 Os aumentos para a defesa seriam compensados por cortes em outros programas para não aumentar o déficit federal de US$ 488 bilhões. Mick Mulvaney, diretor de orçamento da Casa Branca, reconheceu que a proposta provavelmente levará a cortes significativos na mão de obra federal. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/02/2018
EUA avalia tarifas em importações de aço e pode prejudicar Brasil
Argumento é a defesa da ?segurança nacional? do país
17/02/2018
Japão indica nomes para BC e sinaliza intenção de manter programa de estímulo
Tóquio - O Japão indicou Haruhiko Kuroda para outro mandato como presidente do banco central, na sexta-feira (16), e escolheu um defensor de um afrouxamento monetário mais...
16/02/2018
Trump sugere criação de sistema baseado em méritos
Modelo beneficiaria empresas situadas nos EUA
16/02/2018
Zona do euro registra superávit em dezembro
Bruxelas - As exportações de produtos da zona do euro para o restante do mundo avançaram pelo segundo mês consecutivo em dezembro, um sinal de que a...
16/02/2018
Petroleira substitui diretor alvo de sanções pelos EUA
Caracas - A petroleira estatal da Venezuela PDVSA substituiu o diretor financeiro Simon Zerpa, que foi alvo de sanções pelos Estados Unidos no ano passado, em um movimento que...
› últimas notícias
Sondagem revela retomada do otimismo
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Começam as obras do Aeródromo Inhotim
Folia supera expectativas em Belo Horizonte
Mobiliata une empreendedorismo e impacto social
Carnaval aqueceu setor de brindes na Capital
Fiat Argo Drive tem bom desempenho
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.