19/07/2018
Login
Entrar




Internacional

12/05/2018

País terá desafio logístico em cúpula histórica

Governo norte-coreano precisará mobilizar, entre outros, aeronaves dos tempos soviéticos para conduzir líder
Reuters/AE
Email
A-   A+
Kim Jong-un só fez uma viagem aérea conhecida ao exterior, desde que assumiu cargo/KCNA/Divulgação
Cingapura/ São Paulo - A viagem do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, a Cingapura, para uma reunião de cúpula com o presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, apresenta desafios logísticos que devem incluir o uso de aeronaves dos tempos soviéticos para transportar o líder, sua limusine e dezenas de funcionários de segurança e apoio.

A escolha de Cingapura como local do primeiro encontro da história entre um presidente norte-americano no exercício do cargo e um líder norte-coreano se deu tanto pelo fato de o país estar a uma distância e um tempo de voo razoáveis de Pyongyang, quanto pela neutralidade política da ilha-estado, disse uma autoridade presidencial sul-coreana a repórteres.

Desde que assumiu o posto em 2011, Kim só fez uma viagem aérea conhecida ao exterior, quando visitou a cidade de Dalian, na China, para conversar com o presidente chinês, Xi Jinping. Ele voou em seu jato pessoal Ilyushin-62M, acompanhado de um avião de carga, que, segundo rumores transmitidos por pessoas a par dos assuntos norte-coreanos, transportou sua limusine.

“Parece que a viagem a Dalian foi um ensaio”, disse Andray Abrahamian, pesquisador da Pacific Forum CSIS e antes da Choson Exchange, um grupo sediado em Cingapura que ensina habilidades comerciais a norte-coreanos.

Aeronaves - Situada a 4.700 quilômetros do aeroporto Sunan, de Pyongyang, Cingapura está bem dentro do alcance do Il-62M. O avião soviético de fuselagem estreita com quatro motores começou a ser usado nos anos 1970 e tem um alcance máximo de 10 mil quilômetros.

Mas o avião de carga Ilyushin-76 não consegue voar mais de 3 mil quilômetros sem reabastecer se estiver com carga máxima, por isso terá que parar em um território amistoso na rota para Cingapura, como a capital do Vietnã, ou voar com carga reduzida.

O Il-76, projetado originalmente para transportar maquinário pesado a partes remotas da União Soviética, é grande o suficiente para acomodar um ônibus escolar ou dois contêineres, segundo a operadora de voos de passageiros e de carga Antarctic Logistics & Expeditions.

Mas a aeronave teve alguns problemas de segurança. No incidente mais recente, ocorrido no mês passado, uma queda matou as 257 pessoas a bordo, depois de decolar de uma base aérea de Argel, capital da Argélia.

Segundo um desertor familiarizado com detalhes de segurança, não se tem conhecimento de que o líder norte-coreano tenha medo de voar, ao contrário de seu pai, Kim Jong Il.

Acordo nuclear - A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, reafirmou, na sexta-feira (11), a decisão do governo dos Estados Unidos de manter a pressão sobre a Coreia do Norte, embora tenha ressaltado o interesse do presidente Donald Trump em chegar a um acordo pelo fim das armas nucleares do país. O governo americano não quis se comprometer com um eventual sucesso da reunião entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, marcada para 12 de junho, em Cingapura. “Vamos ver o que acontece”, disse apenas Sanders.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/07/2018
UE anuncia medidas de proteção contra importações de produtos de aço
Salvaguardas entram em vigor hoje
19/07/2018
Pompeo afirma que acordo de desnuclearização com Coreia do Norte pode demorar
Washington - Fechar um acordo de desnuclearização com a Coreia do Norte “pode levar algum tempo”, disse o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo,...
19/07/2018
Trump diz que "resultados virão", após encontro com Putin
São Paulo - O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump , disse ontem que se deu bem com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, na cúpula realizada pelos dois...
18/07/2018
Após polêmica sobre eleição, Trump tenta acalmar ânimos
Presidente disse que se expressou mal em entrevista
18/07/2018
Mais da metade dos venezuelanos que entraram já deixaram o Brasil
Brasília - Dos 127,7 mil imigrantes venezuelanos que entraram no Brasil pelo município de Pacaraima, na região de fronteira de Roraima, no ano passado e neste ano, mais da...
› últimas notícias
Indústria pode recorrer à Justiça por repasse de verbas
Antecipação do abono anima CDL-BH
Em Minas, setor automotivo espera impulso com o Rota 2030
PBH cumpre 1ª etapa de auditoria
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.