16/07/2018
Login
Entrar

Política

17/04/2018

PEN usará brechas processuais para adiar julgamento e não beneficiar Lula

Reuters
Email
A-   A+
Brasília - O Partido Ecológico Nacional (PEN) vai se valer de brechas processuais e regimentais para evitar o julgamento da ação que pode revisar o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre execução de pena após o fim de recursos em 2ª instância, a fim de não beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, disse ontem o advogado da legenda.

A pedido de Paulo Fernando Melo e outros quatro advogados do PEN, o ministro do Supremo Marco Aurélio Mello adiou por cinco dias o julgamento que poderia ocorrer amanhã sobre o caso, que pretende rediscutir a jurisprudência da corte sobre a execução da pena após condenações em segunda instância.

O argumento dos advogados é que precisavam de mais tempo para analisar o caso. O advogado disse que já há uma estratégia para evitar a análise pelo plenário esta semana. Ele afirmou que o prazo concedido por Marco Aurélio encerra-se na próxima quinta-feira, e a intenção é só se manifestar, se isso ocorrer, após a sessão do plenário daquele dia. Isso já adiaria a análise do processo esta semana. “Não sou obrigado a peticionar”, disse
Segundo o advogado, o partido - que declaradamente é contra Lula - tentará usar os mecanismos previstos em lei e no regimento do STF para evitar a retomada do julgamento.

Entre as medidas, ele disse que o PEN avalia defender a retirada do pedido de cautelar apresentada pelo advogado anterior do partido, Antonio Carlos de Almeida Castro, que pretendia acelerar o julgamento do caso ou ainda pedir a transformação da ação declaratória de constitucionalidade (ADC) em ação direta de inconstitucionalidade (ADI).

Outra estratégia, segundo Melo, é mostrar que a análise da ação pelo plenário do Supremo não é urgente, uma vez que o Congresso está avaliando mudanças no Código de Processo Penal que podem confirmar a execução da pena após a segunda instância.

Os novos advogados do PEN avaliam levar esse debate para a presidente do STF, Cármen Lúcia, de forma a manter a pressão para que a ação não volte à pauta, apesar do desejo do relator da causa.

“Quando a ação foi apresentada, dois anos e meio atrás, o cenário era outro e não tinha nada contra o Lula”, disse o advogado. “Esta ação acabou tendo agora a capa de Lula”, completou.

Para o advogado, o objetivo é adiar o julgamento do mérito da ação sobre a revisão em segunda instância - que está pronta para análise em plenário desde dezembro - não pelo fato de Lula estar preso, mas porque a matéria não é mais urgente e o Congresso, foro adequado em sua avaliação para mudar essas normas, está debatendo o assunto.

Lula foi preso no dia 7 de abril após a rejeição de embargos de declaração interpostos contra a condenação em segunda instância no caso do tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo. A defesa do petista ainda entrou com embargos dos embargos e entende que o ex-presidente foi preso antes de esgotados os recursos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), responsável por analisar o caso em segundo grau.

A 8ª Turma do TRF-4 deverá analisar os embargos dos embargos impetrados pela defesa de Lula amanhã. 

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

14/07/2018
Marun atribui "pauta-bomba" às eleições
Projetos em tramitação no Congresso podem ter impacto superior a R$ 100 bilhões nos gastos públicos
14/07/2018
PGR defende imparcialidade de Moro no processo de Atibaia contra Lula
Brasília - A Procuradoria-Geral da República (PGR) defendeu no Superior Tribunal de Justiça (STJ) a “imparcialidade” do juiz Sergio Moro, ao comandar o...
14/07/2018
Governo vai revogar a medida provisória das loterias
Brasília - O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse na sexta-feira (13) que o governo decidiu revogar a medida provisória que retirou recursos das loterias de...
14/07/2018
Supremo Tribunal Federal pediu retirada de veto a reajuste da LDO
Brasília - Uma nota técnica enviada ao Congresso Nacional pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, foi um dos fatores de...
14/07/2018
Henrique Eduardo Alves ganha liberdade
Ex-ministro do governo Temer é beneficiado pelo mesmo habeas corpus concedido a Eduardo Cunha
› últimas notícias
JPMorgan encerra trimestre com receita 6,5% maior e lucro acima das expectativas
Setor de serviços encolhe 6,7% em maio em Minas Gerais
Cemig pretende alongar prazo de dívida
Faemg concede Medalha do Mérito Rural aos que contribuem com a agropecuária
Mercado de eventos dribla a crise em Belo Horizonte
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


14 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.