Publicidade
22/05/2018
Login
Entrar

Negócios

02/09/2014

Pequenas empresas entram no mercado provedor de internet

Demanda na zona rural fomenta criação de empreendimentos do setor
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Neger: crescimento de pequenos é resposta à demanda/Marcelo Kahn / Divulgação
A crescente demanda por acesso à internet em cidades do interior e na zona rural do país está fomentando a criação de pequenas empresas provedoras do serviço. A conclusão é do presidente da Associação Brasileira de Internet (Abranet), Eduardo Neger, diante dos números de pesquisa sobre o setor apresentada no evento "Desafios e Oportunidades para os Profissionais de Internet", nos dias 26 e 27 de agosto, em Belo Horizonte.

Além de traçar um perfil geral dos provedores de internet no Brasil, o estudo mostrou a importância das empresas locais para a democratização do acesso à internet e para o crescimento do setor.

A pesquisa foi realizada pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (Cetic.br) e levou em conta dados colhidos com 2 mil empresas. Entre as principais conclusões apresentadas pela estatística, Suzana Alves, está a grande quantidade de pequenas empresas provedoras de internet no país.

De acordo com ela, o estudo mostrou que 54% das empresas do setor no país têm até nove funcionários; 24% têm de 10 a 19; 14% têm de 20 a 40 e apenas 1% possuem mais de 250 empregados.

Para o presidente, o crescimento desses pequenos empresários é uma resposta direta à demanda em cidades do interior, que não são atendidas pelos grandes players. Segundo ele, a Abranet estima que, levando em consideração o número total de usuários que esses pequenos provedores atendem, todos eles juntos resultariam na quarta maior empresa de telecomunicações do país.

"Tenho visitado cidades do interior e até hoje não encontrei nenhuma que não tenha um provedor local de acesso. Às vezes elas atendem 10 ou 20 usuários, mas por uma questão de necessidade elas surgem. E mais do que isso: temos visto a consolidação dessas empresas que atuavam em apenas um município e acabaram indo para um distrito, para outra cidade e até chegando a uma atuação regional", afirma.

Leia também

Super Nosso investe em carnes premium
Guaxupé terá voos para Belo Horizonte
Amazon pretende expandir sistema de computação em nuvem na AL
Demanda é alta em Minas Gerais
Brasil é o país com maior número de congressos

Importância - Neger destaca a importância desse movimento, tendo em vista que as grandes empresas não têm interesse em ampliar suas redes para esse lugares mais distantes e com menos estrutura. "Esses pequenos estão atuando justamente onde os grandes não vão, pois são cidades com mais dificuldades, onde há o desafio da inclusão digital e eles não querem investir comercialmente", diz.

Segundo o presidente, como essas cidades não atraíam a iniciativa privada, acabavam entregues ao poder público. Com a chegada dos pequenos provedores essa realidade está mudando, pois eles estão levando o que tem de melhor do setor a áreas muito longe das capitais.

"O que me surpreende é o avanço dessas empresas instalando infraestrutura de fibra ótica em cidades que a gente nem imaginava. Elas estão mostrando que não há necessidade de investimento público direto, pois estão fornecendo o serviço, gerando emprego local e lucrando", destaca.


Oportunidade - Mas a pesquisa do Cetic.br mostra que, apesar do crescimento dos pequenos provedores, a zona rural ainda é muito pouca atendida, o que representa uma grande oportunidade de negócios para o atores do setor. De acordo com o estudo, há uma concentração de empresas que oferecem internet em velocidade de até dois megas na região Sudeste do país.

"Identificamos provedores fornecem internet para 40% das cidades do Sudeste, 25% na região Nordeste, 24% no Sul e apenas 3% deles mandam acesso para todas as regiões do país. Percebemos que a maioria atende as cidades mais próximas deles", afirmou Suzana Alves, durante a apresentação.

De acordo com ela, uma outra pesquisa do Cetic.br sobre acesso domiciliar à internet no Brasil mostrou que 49% dos domicílios no Brasil têm computador, mas não possuem acesso à internet. Além disso, esse levantamento apontou que apenas 15% dos domicílios situados na zona rural do país têm acesso à internet, em contraste com 48% dos domicílios na área urbana.

Para o presidente, uma forma de influenciar o crescimento das pequenas empresas nessas áreas é uma política de acesso ao crédito mais eficaz. Ele destaca que os empresários que se estabelecem nessas regiões estão crescendo a duras penas, investindo capital próprio em lugares com pouquíssima infraestrutura, pois não conseguem acesso a financiamento.

"Quando você tem uma atividade convencional, pode dar garantias reais para conseguir um financiamento, como seu terreno ou maquinário. Mas estamos falando de internet e onde está a garantia real para financiamento? Uma fibra ótica no poste na rua? Não existe isso, então eles não conseguem crédito", diagnostica.


Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/05/2018
Super Nosso investe em carnes premium
Rede supermercadista fechou parceria com o Grupo ARG e investiu R$ 13 mi para comercializar cortes de Angus
22/05/2018
Guaxupé terá voos para Belo Horizonte
Operação entre as cidades será por meio do programa Voe Minas Gerais e contará com três frequências
22/05/2018
Amazon pretende expandir sistema de computação em nuvem na AL
Buenos Aires – A Amazon pretende expandir as operações de computação em nuvem na América Latina, disse um executivo da empresa ontem, após a...
22/05/2018
Demanda é alta em Minas Gerais
A diretora de Marketing e sócia do Super Nosso, Rafaela Nejm, está confiante na adesão do mineiro à carne Angus Super Nosso. Segundo ela, a rede fez uma pesquisa com os...
22/05/2018
Brasil é o país com maior número de congressos
O Brasil é o país da América do Sul que mais realiza congressos segundo estudo da Associação Internacional de Congressos e Convenções (ICCA, em...
› últimas notícias
Preços inviabilizam transporte de cargas
Confiança do empresário avança 1,2 ponto
PIB tem aumento de 0,3% no 1º trimestre
Minas recorrerá à expertise chinesa para aproveitar rejeitos
Balança brasileira registra superávit de US$ 1,924 bi na terceira semana de maio
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.