16/08/2018
Login
Entrar

Finanças

15/05/2018

Pesquisa eleitoral pesa, e dólar fecha em R$ 3,62

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - O dólar subiu e fechou ontem no patamar de R$ 3,62, o maior em pouco mais de dois anos, sob influência do cenário externo e de uma pesquisa eleitoral que indicou a preferência por candidatos que os investidores enxergam como menos comprometidos com ajuste fiscal.

Nem mesmo a atuação reforçada do Banco Central (BC) no mercado de câmbio foi capaz de segurar o dólar, que só nas últimas três semanas acumulou ganhos de 5,54%. O dólar avançou 0,76%, a R$ 3,6281 na venda, maior patamar de fechamento desde 7 de abril de 2016 (R$ 3,6937).

Na máxima da sessão, a moeda norte-americana foi a R$ 3,6416. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,80%. “O mercado não gostou da pesquisa. Ciro cresceu. Marina está em segundo lugar”, afirmou o gestor de derivativos de uma corretora local.

Pesquisa de intenção de voto CNT/MDA, divulgada ontem, mostrou que, em um cenário sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como candidato, Jair Bolsonaro (PSL) aparece com 18,3%, à frente de Marina Silva (Rede), com 11,2%, e Ciro Gomes (PDT) vem em terceiro, com 9%.

A atuação mais reforçada do BC no mercado de câmbio acabou tendo efeito limitado à abertura dos negócios, quando o dólar foi negociado em baixa e chegou à mínima de R$ 3,5732 no dia. Na sexta-feira (11), após o fechamento dos mercados, o BC anunciou oferta nova de 5.000 contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda no mercado futuro, além do leilão de rolagem do vencimento de junho.

Na sessão de ontem, o BC vendeu integralmente a oferta de até 5 mil novos swaps. E também a de até 4,225 mil para rolagem, já somando US$ 3,326 bilhões dos US$ 5,650 bilhões que vencem em junho.

Leia também:
Petrobras adere a novo nível na Bolsa


Ibovespa - O principal índice de ações da B3 fechou quase estável ontem, com o avanço das ações da Vale e da Petrobras, além de outras exportadoras, compensando o efeito da queda das ações de bancos e o enfraquecimento nos pregões em Nova York.

O Ibovespa fechou com variação positiva de 0,01%, a 85.232 pontos, após oscilar entre a mínima de 84.687 pontos e a máxima de 86.105 pontos. Apesar do movimento, apenas 21 ações fecharam no azul, de um total de 67 papéis que compõem o Ibovespa. O volume financeiro no pregão totalizou R$ 12,29 bilhões.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

15/08/2018
Ibovespa tem novo avanço após trégua
Índice acionário foi favorecido pela menor aversão ao risco no cenário internacional
15/08/2018
Fundo vai dividir R$ 6,2 bilhões de lucro com trabalhadores
Brasília - Trabalhadores com conta no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) receberão rendimento extra de 1,72% pelo lucro que o próprio fundo obteve com...
15/08/2018
Guardia aponta Brasil mais resistente do que Turquia
São Paulo - O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse que o Brasil é mais resistente à volatilidade do dólar do que a Turquia, que vem enfrentando...
14/08/2018
Dólar avança e se reaproxima dos R$ 3,90
Influenciada pelo cenário externo, moeda norte-americana atingiu o maior nível em mais de um mês
14/08/2018
Mercado eleva projeção da inflação para 2018 e vê atividade econômica crescer menos
São Paulo/Brasília - O mercado passou a ver mais inflação neste ano, mas manteve a visão de que o Banco Central (BC) não vai mexer na Selic tão...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


15 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.