Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Negócios

12/10/2017

Pesquisa revela aumento da implantação de programas de compliance

Daniela Maciel
Email
A-   A+
Os empresários de Belo Horizonte e região metropolitana estão cada vez mais atentos à necessidade de implantação de programas de compliance. Foi o que revelou uma pesquisa realizada pela Câmara Americana de Comércio - Belo Horizonte (Amcham BH). Das empresas participantes, 70,6% afirmaram possuir um programa formal de compliance, número que cresceu 30,6% desde a última pesquisa realizada no ano passado.

A surpresa é que não foi o noticiário político convertido em policial nos últimos anos - marcado especialmente pela Operação Lava Jato - a causa desse empenho. Mais de 50% dos entrevistados alegaram que o episódio não interferiu na implementação dos programas. Apenas 10,7% acreditam que a Operação Lava Jato foi um gatilho na aceleração dos processos, metade do resultado da primeira pesquisa, onde a categoria representava 20,6% dos entrevistados. A entrada em vigor da Lei Anticorrupção em 2014, lei que pune empresas por atos de corrupção contra a administração pública, foi considerada por 70,1%.

De acordo com o gerente regional da Amcham BH, Rafael Dantas, a motivação tem a ver com a proximidade. “Os casos da Lava Jato, embora estejam o tempo todo no noticiário, dizem respeito a um grupo relativamente pequeno de grandes empresas de determinados setores. Já a Lei Anticorrupção legisla sobre a atuação de empresas de qualquer porte em suas relações com o poder público de todas as esferas. Então, ela alcança as médias e pequenas empresas que têm contrato com as prefeituras de interior.

Por isso a Lei Anticorrupção é mais importante como gatilho para o compliance do que a Lava Jato”, explica Dantas.

Como um tema ainda recente no Brasil - a Lei Anticorrupção é de 2014 - é natural que poucas empresas tenham programas consolidados. A pesquisa mostrou que apenas 34,7% das empresas consideram o seu programa maduro e implementado. A boa notícia é que, em relação ao percentual apurado em 2016 - 16,1%, o número de empresas mais que dobrou.

“A falta de informação é, ainda, o grande obstáculo. É um tema novo, ainda debatido no âmbito das grandes empresas e aquelas que têm negócios no exterior, principalmente as que buscam investimentos externos. Os mercados europeu e norte-americano têm o compliance como exigência. Por isso, é tão baixo, por exemplo, o conhecimento sobre o Programa de Integridade do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU). Segundo a pesquisa, apenas 31% têm conhecimento sobre ele. “As alternativas ‘pouco’ e ‘não sei informar’ tiveram 44% e 25% das respostas, respectivamente”, argumenta o gerente regional da Amcham BH.

Os empresários também foram questionados sobre a importância da regulamentação do lobby no País, para a eficácia nos novos avanços de compliance. Mais da metade dos entrevistados (53%) afirmaram que a regulamentação é prioridade para novos avanços no combate a corrupção. Os outros 47% se dividiram entre “secundário” (24%) e “não sei informar” (23%).

“Apesar de, ainda, modestos, os resultados me deixam otimista. As empresas estão saindo do discurso que aponta sempre o poder público como o responsável por todos os problemas e partindo para a aplicação dos programas no dia a dia. É notável a evolução de 2016 para 2017. Precisamos compreender o papel da iniciativa privada para a mudança na sociedade que tanto falamos”, afirma o empresário.



Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
Empresários apostam em lojas temporárias
Casa Maia prevê vendas 30% maiores
21/10/2017
Alteração de cobrança do ISSQN gera polêmica
Para o prefeito, adequação traz benefícios para o município, como o ?aspecto espacial do imposto?
21/10/2017
Contagem sedia Semana da Economia Criativa
No Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, organizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Minas Gerais aparece em sétimo lugar...
21/10/2017
Congresso vai reunir mais de mil profissionais em BH
Minas Gerais possui 6.300 empresas do ramo
21/10/2017
Modelo não dispensa exigências legais
Ao contrário do que se imagina, as lojas temporárias não dispensam as exigências legais, segundo o especialista em legislação empresarial e analista do...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.