Publicidade
11/12/2017
Login
Entrar

Política

06/12/2017

PGR pede indenização de Geddel e irmão

AE
Email
A-   A+
São Paulo - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, requereu ao Supremo Tribunal Federa (STF), na denúncia contra o ex-ministro Geddel Vieira Lima, o deputado Lucio Vieira Lima, a mãe Marluce Vieira Lima e o empresário Luiz Fernando Machado da Costa Filho, que os quatro paguem à União R$ 51 milhões de indenização por danos morais coletivos. Além destes alvos, os ex-secretários parlamentares Job Ribeiro Brandão e Gustavo Pedreira do Couto Ferraz são acusados no caso do bunker de R$ 51 milhões em Salvador.

Raquel Dodge solicitou que a indenização seja paga de forma solidária. A procuradora-geral alegou que ‘os prejuízos decorrentes da lavagem de dinheiro são difusos e pluriofensivos (ordem econômica, administração da Justiça e também os bens jurídicos protegidos pelos crimes antecedentes) e impedem o financiamento de serviços públicos essenciais’.

Geddel e Lúcio são acusados de lavagem de dinheiro e associação criminosa. Na denúncia, a procuradora também requereu “a perda, em favor da União, de todos os bens, direitos e valores relacionados, direta ou indiretamente, à prática dos crimes imputados, notadamente o dinheiro que foi apreendido em 5 de setembro de 2017, no valor de R$ 51 milhões”.

Raquel Dodge ainda solicitou que seja revertido à União ‘as participações societárias das empresas GVL Empreendimentos Ltda., M&M Empreendimentos Ltda. e Vespasiano Empreendimentos Ltda. nas incorporações da Cosbat Empreendimentos Imobiliários Ltda’.
A procuradoral pediu ao STF a instauração de novo inquérito para apurar se a família Vieira Lima se apropriou de valores pagos pela Câmara dos Deputados a secretários parlamentares vinculados ao gabinete de Lúcio Vieira Lima. Outro objetivo é saber se os secretários exerciam, de fato, funções públicas ou se trabalhavam exclusivamente para a família e prestavam serviço a seus negócios particulares.

Prisão domiciliar - Na cota da denúncia, também foi solicitada a prisão domiciliar de Marluce Vieira Lima e o recolhimento noturno e nos dias de folga do deputado Lúcio Vieira Lima. Segundo a denúncia, ambos continuam a praticar crime de peculato, a manipular provas e a obstruir a investigação criminal. Outro pedido foi a indisponibilidade de sete empreendimentos imobiliários adquiridos para viabilizar a lavagem de dinheiro.

Segundo a denúncia, de 2010 até 5 de setembro deste ano, a família Vieira Lima cometeu crimes de ocultação da origem, localização, disposição, movimentação e propriedade das cifras milionárias em dinheiro vivo.

Até janeiro de 2016, o dinheiro ficou escondido em um closet na casa de Marluce Vieira Lima. Após essa data, o montante de R$ 42 milhões e cerca de U$ 2,5 milhões foi transferido em malas e caixas para um apartamento no bairro da Graça, em Salvador. Semanas depois, foi levado para um apartamento vizinho, onde ocorreu a apreensão pela Polícia Federal, na Operação Tesouro Perdido.

Na peça enviada ao STF, a procuradora-geral sustenta que a apreensão das cifras milionárias foi um capítulo complementar a vários fatos investigados nas operações Lava Jato, Sépsis e Cui Bono, assim como os narrados nas denúncias dos inquéritos 4327 e 4483 contra Geddel e outros políticos.

Para Raquel Dodge, a apreensão dos valores guarda relação de causa e efeito com o que foi denunciado, legitima as versões apresentadas e confirma as provas.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

11/12/2017
Governo antecipa discussão da reforma da Previdência para 5ª-feira para avaliar apoios
...
08/12/2017
STF não dá aval para revisão de prisões
Decisão ainda é provisória, uma vez que o julgamento foi suspenso e não tem data para ser retomado
08/12/2017
Projeto de privatização da Codemig é aprovado em comissão da Assembleia
O Projeto de Lei (PL) 4.827/17, que autoriza o Poder Executivo a transformar a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) em sociedade de economia mista, recebeu parecer...
08/12/2017
Ministro quebra sigilos fiscal e bancário de Aécio desde 2014
Irmã e primo estão incluídos no pacote que rastreará recursos
08/12/2017
Eunício Oliveira pretende votar Lei Orçamentária Anual nos próximos dias
O presidente do Senado, Eunício Oliveira, disse que pretende colocar em votação o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLN 20/2017) na próxima semana. O...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.