Publicidade
19/02/2018
Login
Entrar

Finanças

22/08/2017

PIB recuou 0,24% no 2º trimestre

Indicador da FGV que antecipa a tendência registrou queda de 1,8% na indústria
AE
Email
A-   A+
A recuperação do consumo das famílias não compensou queda de 7,4% no setor da construção/Charles Silva Duarte/Arquivo DC
Rio de Janeiro - A liberação do saque de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) tirou do vermelho o consumo das famílias no segundo trimestre do ano. A recuperação da atividade econômica, porém, foi prejudicada pelo mau desempenho da construção, que atrapalhou tanto os resultados da indústria quanto dos investimentos, segundo Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB, divulgado ontem pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 0,24% no segundo trimestre ante o primeiro trimestre do ano. O indicador da FGV antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

“Eu diria que é um falso negativo. Tivemos um primeiro trimestre muito bom, excepcional (alta de 0,99%), sabíamos que o resultado não se repetiria. Mas ainda está melhor do que no último trimestre de 2016, quando recuou 0,51% em relação ao trimestre anterior”, lembrou Considera.

Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, o PIB do segundo trimestre deste ano teve retração de 0,3%. A indústria teve uma queda de 1,8%, influenciada, principalmente, pelo tombo de 7,4% da atividade de construção.

Sob a ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) recuou 5,1%. O desempenho do componente de máquinas e equipamentos continua positivo (0,4%), mas a construção teve forte redução, -9,0%, um impacto de -4,6 pontos percentuais para a taxa trimestral da FBCF.

“As grandes empreiteiras estão paradas. Tem que dar um jeito de elas voltarem a operar, mas não tem do outro lado quem queira contratar. Os governos não estão com dinheiro para construir. A saída é investir nas concessões e privatizações. Não tem como fugir”, avaliou Considera.

Leia também:
Índice do BC aponta alta de 0,25%


O destaque positivo foi o consumo das famílias, que cresceu 0,6% no segundo trimestre, na comparação com o mesmo trimestre de 2016. O avanço interrompe uma sequência de nove trimestres negativos consecutivos. O consumo de serviços manteve-se negativo (-1,0%), enquanto cresceu o consumo de bens não duráveis (0,5%), semiduráveis (7,3%) e bens duráveis (3,8%), impulsionado pelos saques no FGTS.

“As famílias pagaram as dívidas e puderam abrir um novo crediário”, calculou o coordenador do Monitor do PIB. “Mas eu não acho que o Consumo das Famílias vá fazer a economia deslanchar. Daí é que vem o nosso problema, que é o investimento”, completou o pesquisador.

As exportações cresceram 3,2% no segundo trimestre em comparação ao mesmo período de 2016, enquanto as importações diminuíram 1,8%. O PIB acumulado no primeiro semestre de 2017 alcançou cerca de R$ 3,21 trilhões em valores correntes.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/02/2018
Dólar tem a maior queda semanal em sete meses
Divisa norte-americana acumulou baixa de 2,45% no período
17/02/2018
Ibovespa mantém trajetória ascendente
São Paulo - O Ibovespa operou na sexta-feira em torno da estabilidade, sem força para se firmar em uma direção única. De acordo com analistas, tanto o bom humor...
17/02/2018
Wall Street continua em franca recuperação e influencia Europa
São Paulo - O S&P 500 encerrou com ligeira alta na sexta-feira e fechou sua semana de mais rápida alta desde 2013, embora tenha devolvido a maior parte de seu ganho do...
16/02/2018
Bolsa de valores registra alta de 0,90% em dia estável
Negociações na sessão de ontem movimentaram R$ 11,1 bilhões
16/02/2018
Analistas estimam que déficit primário ficará abaixo da meta em 2018
Brasília - Os analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Fazenda continuam prevendo que o governo entregará um déficit primário neste ano menor que a meta...
› últimas notícias
Sondagem revela retomada do otimismo
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Começam as obras do Aeródromo Inhotim
Folia supera expectativas em Belo Horizonte
Mobiliata une empreendedorismo e impacto social
Carnaval aqueceu setor de brindes na Capital
Fiat Argo Drive tem bom desempenho
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.