Publicidade
22/09/2017
Login
Entrar

Finanças

22/08/2017

PIB recuou 0,24% no 2º trimestre

Indicador da FGV que antecipa a tendência registrou queda de 1,8% na indústria
AE
Email
A-   A+
A recuperação do consumo das famílias não compensou queda de 7,4% no setor da construção/Charles Silva Duarte/Arquivo DC
Rio de Janeiro - A liberação do saque de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) tirou do vermelho o consumo das famílias no segundo trimestre do ano. A recuperação da atividade econômica, porém, foi prejudicada pelo mau desempenho da construção, que atrapalhou tanto os resultados da indústria quanto dos investimentos, segundo Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB, divulgado ontem pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 0,24% no segundo trimestre ante o primeiro trimestre do ano. O indicador da FGV antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

“Eu diria que é um falso negativo. Tivemos um primeiro trimestre muito bom, excepcional (alta de 0,99%), sabíamos que o resultado não se repetiria. Mas ainda está melhor do que no último trimestre de 2016, quando recuou 0,51% em relação ao trimestre anterior”, lembrou Considera.

Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, o PIB do segundo trimestre deste ano teve retração de 0,3%. A indústria teve uma queda de 1,8%, influenciada, principalmente, pelo tombo de 7,4% da atividade de construção.

Sob a ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) recuou 5,1%. O desempenho do componente de máquinas e equipamentos continua positivo (0,4%), mas a construção teve forte redução, -9,0%, um impacto de -4,6 pontos percentuais para a taxa trimestral da FBCF.

“As grandes empreiteiras estão paradas. Tem que dar um jeito de elas voltarem a operar, mas não tem do outro lado quem queira contratar. Os governos não estão com dinheiro para construir. A saída é investir nas concessões e privatizações. Não tem como fugir”, avaliou Considera.

Leia também:
Índice do BC aponta alta de 0,25%


O destaque positivo foi o consumo das famílias, que cresceu 0,6% no segundo trimestre, na comparação com o mesmo trimestre de 2016. O avanço interrompe uma sequência de nove trimestres negativos consecutivos. O consumo de serviços manteve-se negativo (-1,0%), enquanto cresceu o consumo de bens não duráveis (0,5%), semiduráveis (7,3%) e bens duráveis (3,8%), impulsionado pelos saques no FGTS.

“As famílias pagaram as dívidas e puderam abrir um novo crediário”, calculou o coordenador do Monitor do PIB. “Mas eu não acho que o Consumo das Famílias vá fazer a economia deslanchar. Daí é que vem o nosso problema, que é o investimento”, completou o pesquisador.

As exportações cresceram 3,2% no segundo trimestre em comparação ao mesmo período de 2016, enquanto as importações diminuíram 1,8%. O PIB acumulado no primeiro semestre de 2017 alcançou cerca de R$ 3,21 trilhões em valores correntes.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/09/2017
Banco Central reduz as projeções para a inflação deste ano
Além disso, a autoridade monetária melhorou a estimativa para o PIB
22/09/2017
IPCA-15 tem alta de 0,11% em setembro
São Paulo - A prévia da inflação oficial no Brasil desacelerou mais do esperado em setembro e atingiu o menor nível para o mês em 11 anos, ampliando as...
22/09/2017
Imposto sobre importados terá boleto bancário
Brasília - Uma medida implementada pela Receita Federal, em conjunto com os Correios, vai permitir que brasileiros passem a pagar os impostos que incidem sobre as remessas vindas do...
22/09/2017
MEI triplica formalização de trabalhadores por conta própria no País
Brasília - O grau de cobertura do Microempreendedor Individual (MEI) triplicou entre os anos de 2012 e 2016, passando de 9,5% para 30%. Para chegar a esse indicador, estudo...
21/09/2017
BNDES vai devolver R$ 50 bilhões à União
Instituição cedeu à pressão do governo e deverá repassar ao R$ 33 bilhões já na próxima semana
› últimas notícias
Editorial
"A Costa dos Murmúrios", da portuguesa Lídia Jorge
CCPR assume 100% de participação na Itambé
Temer recebeu propina, afirma Funaro
Banco Central reduz as projeções para a inflação deste ano
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor de mineração deve mudar o foco dos investimentos
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.