Publicidade

DC Franquia

28/12/2016

Pizza César aposta em regionalização

Daniela Maciel
Email
A-   A+
A Pizza César trabalha com fornecedores locais homologados/Rodrigo Carletti/Divulgação
Pronta para fincar os pés em Minas Gerais, a Pizza César, marca de pizzarias e delivery de Brasília, aposta na regionalização de sabores para conquistar os sempre “desconfiados” consumidores mineiros. Com oito unidades no Distrito Federal, a empresa, surgida em 1995, levou dois anos para formatar o projeto de expansão por franquias.

Segundo um dos sócios da Pizza César, Leonardo Ramos, a marca começou apenas com o modelo de delivery. Apenas em 2006 começaram a trabalhar com loja física. Até hoje, porém, a entrega em domicílio responde por 60% do negócio. “Trabalhamos um pouco diferente, em um sistema que visa o custo-benefício para o cliente com produtos de alta qualidade, seja no delivery, rodízio ou à la carte. É um modelo mais competitivo, otimizando a estrutura. Também apostamos na regionalização do cardápio. Cada região tem suas particularidades e grandes marcas internacionais pecaram justamente nisso no Brasil. Hoje já fazemos essa pesquisa com muita facilidade. São mais de 80 sabores”, explica Ramos.

A meta é alcançar as cidades com mais de 300 mil habitantes nos estados de Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo, além de Minas Gerais. Para o primeiro ano, estão previstas cinco lojas e 20 contratos assinados. E, no prazo de cinco anos, 87 unidades. Delas, 10% devem estar em território mineiro. As lojas devem ser de rua. “Para trabalhar com delivery as lojas de rua ideias. Além disso, o custo dos malls é muito alto e não compensa para o nosso perfil”, destaca o empreendedor.

Alguma experiência no setor comercial é desejável por parte do candidato a franqueado, porém não faz com que alguém seja descartado. Disponibilidade de tempo e aprovação da família, além do capital são itens essenciais. O investimento inicial médio previsto é entre R$ 500 mil e R$ 700 mil, a depender do ponto comercial escolhido.

Todo o treinamento é realizado nas unidades próprias da rede e cabe à franqueadora selecionar os fornecedores e realizar compras, muitas vezes, centralizadas, facilitando a vida dos operadores e garantindo economia. “Fizemos parceria com os fabricantes nossos fornecedores, que entregam em todo País. Para os alimentos frescos trabalhamos com fornecedores locais homologados. Isso garante qualidade e melhores preços, dando fluidez ao negócio”, completa o executivo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/02/2017
Minas Gerais nos planos de expansão da Loucos por Churros
Rede já tem 25 lojas espalhadas pelo Brasil
21/02/2017
Setor de franquias cresce 8,3% no Brasil em 2016
São Paulo - O setor nacional de franquias aumentou a receita em 8,3% em 2016, em comparação a 2015, totalizando faturamento de R$ 151,24 bilhões. No ano anterior, o...
21/02/2017
Busger estreia como evolução dos food trucks
São Paulo - Revolucionar a gastronomia de rua e ser uma evolução dos food trucks são as propostas do Busger, marca estreante no franchising brasileiro. Para entender...
01/02/2017
Croasonho prevê abrir 40 lojas até 2018
São Paulo - A Croasonho - única rede de franquias de croissants recheados do País - comemora o crescimento e os bons resultados conquistados em 2016. Na contramão da...
01/02/2017
Em 2016, mais de 7 mil empreendedores buscaram orientações sobre franquias
O sistema de franchising é um dos que mais cresce no Brasil e é hoje um caminho muito procurado por quem quer empreender. Dados da Associação Brasileira de Franchising...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.