20/06/2018
Login
Entrar

DC Inovação

26/10/2017

Plataforma digital Kidsa tem como público-alvo geração Alpha

Ana Carolina Dias
Email
A-   A+
Kidsa tem programas educativos e divertidos para as crianças/Divulgação
O acesso a informações e conteúdos por crianças da chamada geração Alpha, aquelas que já nascem inseridas no meio digital, é motivo de preocupação por parte dos pais e responsáveis pela educação e formação dos pequenos.

Com o objetivo de apresentar valores sustentáveis para crianças entre 3 e 10 anos de idade, a mineira Kidsa lançou, em agosto deste ano, a primeira plataforma de videoaulas infantis do Brasil, que disponibiliza mais de 1.000 vídeos abordando temas como respeito às diferenças, consumo consciente, educação financeira, cuidados com a natureza, nutrição saudável e a participação da família. Disponível para Android e iOs, e expansão prevista para ChromeCast e AppleTV, o aplicativo pode ser adquirido por R$ 9,90/mês para famílias com até duas crianças e R$ 14,90 por mês para famílias com até quatro crianças e com uma versão de teste gratuita por 30 dias.

O empresário e criador do projeto, João Chequer, confirma que a principal finalidade é estreitar laços e amenizar os excessos de estímulos recebidos pelas crianças diariamente, além de suprir uma lacuna de conteúdos relevantes, com vídeos previamente produzidos e com assuntos questões selecionados. “Eu tenho dois filhos pequenos e essa ultraexposição a conteúdos na internet me fez pensar na possibilidade de criar um espaço que trouxesse o atrativo dos vídeos, mas com caráter educativo, além de atividades para serem realizadas no dia a dia”, explica Chequer.

Em um ambiente seguro, a Kidsa viabiliza centenas de miniaulas e programas produzidos por mais de 50 educadores e artistas de Belo Horizonte e São Paulo, que buscam combinar aprendizado e diversão por meio de programas transitam por áreas como alfabetização, esportes, música, arte, dança, teatro e brincadeiras. Ainda que seja uma ferramenta digital, Chequer destaca o cuidado em fazer com que as atividades e o conhecimento reproduzidos no meio digital sejam aplicáveis ao cotidiano das crianças, com atividades e brincadeiras que estimulam o contato com outras crianças e o envolvimento dos pais. “É uma opção que dá segurança aos pais e às crianças com a proposta de inclusão. A intenção não é estimular o acesso à internet e sim incentivar experiências fora do aplicativo, como aulas de culinária que podem ser colocadas em prática e atividades de desenho, canto e teatro para serem feitas em casa”, afirma.

Conteúdo - Com estrutura intuitiva, o app segue uma fórmula simples que dá acesso a aulas semanais e episódios em série, diferenciados pelo modelo da narrativa. Os programas seriados seguem um mesmo tema sem necessidade de conexão entre si e, com duração entre 5 e 10 minutos, podem ser assistidos na ordem que a criança preferir. Já as aulas semanais, que duram em média 15 minutos, têm a proposta de complementar atividades que já são de interesse da criança, como ballet, futebol, teatro, desenho, canto, idiomas, culinária, entre outras. Toda produção musical da Kidsa é autoral, como exemplo a série ‘Rockidsa’, que traz uma releitura em rock ‘n’ roll de clássicos infantis como ‘Meu pintinho amarelinho’, ‘Marcha soldado’ e ‘Atirei o Pau no Gato’.

Para alcançar a meta de 20 mil assinaturas até o final do próximo ano e a marca de 100 mil usuários no segundo ano de atuação, uma das estratégias para incentivar o engajamento e fidelizar os usuários é o Álbum Kidsa do Conhecimento, que premia a criança com um adesivo virtual a cada programa assistido. “O sistema de gamificação do app é um reforço para estimular a escolha da plataforma ao invés de outras fontes de conteúdo disponíveis.

Colecionando as figurinhas virtuais, o usuário tem uma melhoria no status, com um avatar diferente, além de gerar pontos que podem ser trocados por prêmios”, finaliza Chequer.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/03/2018
Americana Airfox investe US$11,5 mi na expansão para o País
Negócio promete crédito sem burocracia às classes D e E
16/03/2018
Anjos do Brasil fecha acordo com o WBAF
Receber investimento anjo no Brasil é a aspiração de quase todas as startups. Mas receber aporte de um investidor no exterior, que traz consigo know how para a...
16/03/2018
BeeCâmbio negocia 22 moedas on-line
Comprar moeda estrangeira em Belo Horizonte ficou mais fácil com a chegada da startup paulista BeeTech à Capital. Por meio do seu produto BeeCâmbio, a empresa oferece a compra e...
21/02/2018
Empresas tradicionais se rendem à cultura das startups
Desejo de mudança acontece quando elas se sentem ameaçadas
21/02/2018
Seed impacta economia gerando emprego e negócios
Considerado um dos maiores projetos públicos de aceleração de startups da América Latina, o Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development (Seed) deve abrir, nas...
› últimas notícias
Novo cenário econômico impacta a construção civil
MRS firma parcerias para avançar
Camex susta antidumping a produtos de China e México
Compras das siderúrgicas retraem 3%
Anfavea e Finep estudam construção de centro de testes automobilísticos
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.