16/08/2018
Login
Entrar

Internacional

03/08/2018

Preços de produtos têm queda na China, em meio a guerra comercial

Reuters
Email
A-   A+
Manila/Pequim - Os contratos futuros do aço e do minério de ferro na China caíram ontem, com os planos norte-americanos de impor uma tarifa de 25% em importações chinesas avaliadas em US$ 200 bilhões, em meio a uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

O representante de Comércio dos Estados Unidos (EUA), Robert Lighthizer, disse que o presidente Donald Trump determinou o aumento de uma tarifa previamente proposta de 10% porque a China se recusou a atender às exigências dos EUA e impôs tarifas retaliatórias sobre os produtos norte-americanos.

Pequim, em resposta, informou que vai reagir se os Estados Unidos tomarem outras medidas que dificultem o comércio, inclusive aplicando uma tarifa mais alta.

O contrato do vergalhão de aço mais ativo na Bolsa de Xangai, para outubro, fechou em queda de 1,2%, a 4.136 iuanes (US$ 607) por tonelada.

O minério de ferro mais negociado na Bolsa da Dalian, para setembro, caiu 0,9%, a 476 iuanes por tonelada. No porto de Qingdao, a commodity fechou a US$ 66,87 por tonelada, alta de 0,48%.

Corte na produção - A China planeja continuar a impor medidas de combate à poluição em sua região de Pequim-Tianjin-Hebei e áreas próximas, de 1º de outubro a 31 de março de 2019, segundo uma proposta divulgada ontem pelo Ministério do Meio Ambiente.

O objetivo é reduzir a concentração de partículas respiráveis, conhecidas como PM2.5, em cerca de 5% ao ano, durante o inverno na região.

Indústrias pesadas nos setores de aço, não-ferrosos, coque e materiais de construção serão obrigadas a cortar a capacidade de produção no inverno, que normalmente começa em meados de novembro.

Pequim vai impor uma redução na produção de aço de 50% em seis principais cidades produtoras, incluindo Tangshan e Handan, no período. A diminuição da capacidade nas outras cidades da região não será menor de que 30%.

O país também planeja trocar aquecimento a carvão em 3,92 milhões de domicílios na região, para aquecimento a gás, até o fim de outubro.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

15/08/2018
EUA ameaça com novas sanções e Turquia promete retaliar
Pressão americana é para que turcos libertem pastor
15/08/2018
Militares são presos suspeitos de ataque
Caracas - O procurador-geral da Venezuela, Tarek Saab, revelou, na terça-feira (14), que dois militares de alta patente foram presos por suposto envolvimento em explosões de drones...
14/08/2018
Argentina eleva taxa de juros para 45% para conter o dólar
Decisão ocorre após a crise na Turquia movimentar os mercados globais
14/08/2018
Erdogan culpa "terroristas econômicos" por crise
Ancara - O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, acusou, ontem, “terroristas econômicos” de conspirar para prejudicar o país, ao divulgar informações...
11/08/2018
Rússia ameaça retaliar os EUA caso haja restrições a bancos
Russos temem efeitos de novas sanções sobre economia
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


15 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.