Publicidade
22/09/2017
Login
Entrar

Economia

22/08/2017

Preço de imóvel para venda na Capital foi o menor de 2017

Em julho queda foi de 0,27% ante junho
Gabriela Pedroso
Email
A-   A+
Segundo a pesquisa, o preço médio do metro quadrado para aluguel em BH permanece o mesmo desde março deste ano: R$ 16/Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas
O preço médio do imóvel para venda em Belo Horizonte foi, em julho, o menor registrado para 2017 até agora. No último mês, o custo do metro quadrado na capital mineira foi avaliado em R$ 4.588, queda de 0,27% frente a junho (R$ 4.600/m²), de acordo com o relatório Dados do Mercado Imobiliário elaborado pelo site VivaReal (DMI-VivaReal), divulgado ontem. Com o resultado, o valor do m² negociado no município ficou abaixo da média nacional: R$ 4.844/m².

Entre as 16 principais cidades brasileiras analisadas pelo levantamento, o metro quadrado mais caro foi apurado em Brasília: R$ 7.885. Em seguida, no Top 5, aparecem Rio de Janeiro (R$ 7.273/m²), São Paulo (R$ 6.863/m²), Recife (R$ 6.232/m²) e Vitória (R$5.738/m²). Belo Horizonte figura no 13º lugar da lista, superando apenas Goiânia (R$ 4.423/m²), Ribeirão Preto (R$ 3.815/m²) e Natal (R$ 3.704/m²).

No confronto com julho de 2016 (R$ 4.464/m²), o preço do m² para venda na Capital até apresentou uma ligeira alta de 2,76%, que, no entanto, não foi suficiente para evitar o pior desempenho entre os sete primeiros meses do ano. Os bairros belo-horizontinos que tiveram a maior desvalorização no período foram Nova Gameleira (-4,1%), Maria Helena (-3,7%), Solar do Barreiro (-3,6%), Carmo (-3,3%) e Esplanada (-2,9%).

Em contrapartida, houve quem se beneficiou com a valorização no último mês. Os imóveis dos bairros Jardim Alvorada (7,6%), Dom Cabral (6,7%), Jardim dos Comerciários (5,3%), Graça (4,5%) e Santa Efigênia (3,8%) foram os que tiveram o maior aumento no preço do metro quadrado para venda.

A regional Centro-Sul continua sendo a responsável por concentrar as áreas com o metro quadrado mais valorizado da Capital. Os dez bairros mais caros para venda em Belo Horizonte estão todos situados na região. A Savassi, com o preço médio do m² avaliado em R$ 11.450, lidera o Top 10, que tem ainda: Santo Agostinho (R$ 10.966/m²), Funcionários (R$ 10.223/m²), Lourdes (R$ 9.728/m²), Belvedere (R$ 9.145/m²), Carmo (R$ 8.500/m²), Sion (R$ 7.363/m²), Anchieta (R$ 7.143/m²), São Pedro (R$ 7.044/m²) e Luxemburgo (R$ 7.028/m²).

O Viva-Real também mediu os bairros do município mais procurados pelos consumidores que pretendem realizar o sonho da casa própria. De acordo com o ranking do mês de julho, os dez preferidos foram Buritis (1º), Castelo (2º), Santa Amélia (3º), Ouro Preto (4º), Sagrada Família (5º), Lourdes (6º), Padre Eustáquio (7º), Caiçara (8º), Santa Mônica (9º) e Barreiro (10º).

Leia também:
Valor recuou 0,19% no Brasil


Locação - A demanda pela compra de imóveis em Belo Horizonte, porém, continua menor do que a de aluguel. Desde junho de 2015 que a opção pela aquisição da moradia é superada pela locação, o que é explicado, entre outros motivos, pelas altas taxas de juros que vêm sendo cobradas pelos financiamentos imobiliários. Em julho, a procura pelo aluguel atingiu o percentual de 60%, contra 40% pela compra.

O preço médio do metro quadrado para aluguel na Capital permanece o mesmo desde março deste ano: R$ 16. Os bairros com o custo mais elevado de locação em julho foram Savassi (R$ 32,11/m²), Lourdes (R$ 31,91/m²), Belvedere (R$ 30/m²), Funcionários (R$ 27,44/m²) e Santo Agostinho (R$ 25/m²).

Já as áreas que tiveram a maior valorização do aluguel no último mês foram: Luxemburgo (6,7%), Coração Eucarístico (5,0%), Serra (4,6%), Santa Efigênia (3,9%) e Barreiro (3,0%). Buritis, Castelo, Centro, Sagrada Família e Santo Antônio, nesta ordem, foram os bairros mais procurados pelos consumidores para aluguel no mesmo intervalo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/09/2017
Minas Gerais tem saldo negativo de 9.445 postos
Resultado é referente a agosto
22/09/2017
Elmo Calçados fecha acordo com credores e evita falência
Dívida gira em torno de R$ 46 mi
22/09/2017
Agência Nacional pode modernizar gestão governamental sobre a indústria da mineração
Para o diretor-geral do DNPM, a autarquia, prevista em medida provisória, vai destravar processos
22/09/2017
Empresas fazem aportes para leilão de usinas da Cemig
Ao mesmo tempo, são realizadas reuniões de conciliação com o governo federal para prorrogar concessões
22/09/2017
Setor de construção civil volta a apresentar melhora no Estado
Sondagem divulgada pela Fiemg e Sinduscon-MG registrou em julho a segunda alta consecutiva
› últimas notícias
Editorial
"A Costa dos Murmúrios", da portuguesa Lídia Jorge
CCPR assume 100% de participação na Itambé
Temer recebeu propina, afirma Funaro
Banco Central reduz as projeções para a inflação deste ano
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor de mineração deve mudar o foco dos investimentos
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.