Publicidade
21/02/2018
Login
Entrar

Política

12/10/2017

Presidente da República está com obstrução parcial de uma artéria

FP
Email
A-   A+
São Paulo - O presidente Michel Temer está com obstrução parcial de uma artéria coronária, mas ainda não há previsão de que seja submetido a cateterismo para sua desobstrução. O problema foi detectado em exame de imagem, segundo apurou a reportagem. Temer deverá passar por tratamento medicamentoso e dieta. Se o tratamento for bem-sucedido, poderia se dispensar a cinecoronariografia por cateterismo.

Temer tem 77 anos e é o mais velho presidente da história brasileira. Na noite da última terça-feira, a TV Globo informou que o presidente seria submetido a cateterismo após a votação de pedido de abertura de processo na Câmara de Deputados. A assessoria do presidente negou que ele vá passar por tal procedimento. O médico de Temer, Roberto Kalil, também não confirmou a necessidade do cateterismo.

A obstrução parcial de uma artéria coronária é mais comum do que se imagina, segundo médicos especialistas. Em um grupo de cem pessoas com mais de 65 anos, entre 20 a 30 tem algum tipo de doença coronária, que atinge uma artéria do coração e pode levar a um ataque cardíaco.

De acordo com o Planalto, Temer não deve passar por procedimento cirúrgico, mas sim por um tratamento medicamentoso e dieta. É o que acontece com a maior parte das pessoas que tem a doença. Elas continuam exercendo suas atividades, com o uso de medicamentos ou não.

A idade do presidente é um dos fatores que o coloca em um grupo de risco, com mais chances de adquirir a doença que atinge principalmente a idosos. Além da faixa etária, o stress, o sedentarismo, a pressão alta e a diabetes são outros fatores que aumentam a probabilidade da doença.

Infarto - Apesar de não ser raro, o paciente deve ficar atento. A obstrução total da artéria leva ao infarto, sendo essa uma das principais causas de morte no Brasil. “Hoje em dia as pessoas morrem por duas causas principais: ou doenças cardiovasculares ou o câncer. Acidentes, por exemplo, são menos”, diz o cardiologista e especialista em infarto agudo do miocárdio do Hospital do Coração (HCor) Leopoldo Piegas.
Segundo ele, a obstrução acontece quando uma espécie de placa de gordura se acumula, formando coágulos que dificultam a circulação sanguínea.

A depender do tamanho dessas placas, o paciente sequer apresenta sintomas. Conforme esses coágulos aumentam, entretanto, o paciente pode passar a sentir dores no peito quando aumenta o seu consumo de oxigênio.

O melhor tratamento é a mudança de hábito, com a alimentação saudável e a prática de exercícios regulares. Quando a doença atinge nível mais avançado, é necessário o uso de medicamento que reduzem o colesterol ou alteram a coagulação do sangue.

Segundo o vice-presidente do cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein, o cardiologista Marcos Knobel, são poucas as pessoas que têm acesso a exames para detectar a obstrução parcial de artérias, como uma tomografia coronália.

“Tem muita gente andando por aí com essas artérias quase que totalmente entupidas. As pessoas que vemos que têm condições de fazer o exame são a ponta do iceberg”, diz Knobel. “(A obstrução parcial da artéria) é muito mais frequente do que imaginamos”, observa.

Em casos extremos, há a necessidade de procedimentos invasivos, como o cateterismo. Nesse processo, há introdução de um tubo plástico de calibre milimétrico que alcança o coração para detectar regiões obstruídas. Se necessário, há a possibilidade de desobstrução, com a introdução de um balão que infla e deixa no local um stent - dispositivo que possibilita melhor circulação no sangue.

Há, ainda, a opção pela cirurgia, quando o médico faz um corte no tórax do paciente. “O mais importante é fazer a prevenção para essas placas não crescerem e não se transformarem em uma doença obstrutiva”, diz Knobel. 

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/02/2018
PTB desiste de Cristiane Brasil para pasta
Deputada federal anuncia indicação do ministro interino do Trabalho, Helton Yomura, em seu lugar
21/02/2018
Ministro da Justiça descarta mandados coletivos
Itaguaí, Rio de Janeiro - A possibilidade da adoção de mandados coletivos de busca e apreensão durante a intervenção federal na área de...
21/02/2018
80% das propostas já transitam no Congresso
Câmara e Senado discutem PLs que tratam de 12 dos 15 pontos listados como prioritários pelo governo
21/02/2018
Governo analisa nomes para Segurança Pública
Brasília - O governo ainda não tinha, até a noite de ontem, um nome para o novo Ministério da Segurança Pública e, por isso, segurava o anúncio...
21/02/2018
Presidente nomeia acusado na ANTT
Brasília - O presidente Michel Temer nomeou o engenheiro Mário Rodrigues Júnior para o cargo de diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). O...
› últimas notícias
Alienação fiduciária será analisada pelo STF
Formação Bruta de Capital Fixo recua 2% em 2017, segundo o Ipea
Desistência em aprovar reforma da Previdência é fator negativo para nota
Produção de ouro da AngloGold cresce 4%
Plano Rota 2030 será anunciado neste mês
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Electric Ink investe R$ 12 mi em Uberaba
Mudanças legislativas geram divergências
Coco Bambu vai desembarcar na Capital e Uberlândia
Governo adia votação de reforma
Petrobras passa a divulgar preços médios nas refinarias
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.