Publicidade
23/09/2017
Login
Entrar

Finanças

16/05/2017

Prévia do PIB tem alta de 1,12% no primeiro trimestre

Resultado positivo encerra série de quedas iniciada em 2014
Email
A-   A+
Expectativa de safra agrícola recorde neste ano no País influenciou a prévia do PIB/CXBH/Divulgação
Brasília - Influenciado pela expectativa de safra agrícola recorde, o indicador do Banco Central que mede a atividade econômica cresceu 1,12% no primeiro trimestre em relação aos três últimos meses do ano passado, mostram dados divulgados ontem pela autoridade monetária.

É o primeiro crescimento para qualquer trimestre desde os últimos três meses de 2014, quando o IBC-br subiu 0,21%.

Em março, porém, o indicador caiu 0,44% na comparação com fevereiro - o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já havia afirmado que o movimento era esperado para o período.

Em fevereiro, o indicador cresceu 1,37% em relação ao mês anterior, acima do que era esperado pelo mercado. Em janeiro, houve alta de 0,36% na comparação com dezembro de 2016.

Conhecido como IBC-Br, o índice incorpora projeções para serviços, comércio, indústria e agropecuária, bem como o impacto dos impostos sobre os produtos.

O IBGE está esperando uma safra de grãos mais de 26% maior do que a do ano passado, expectativa que foi revisada para cima diversas vezes. Esse foi o principal determinante no crescimento do trimestre.

Analistas já vinham pontuando que a recente mudança de metodologia das pesquisas de comércio e serviços do IBGE - que embasam os cálculos para o comportamento do índice - vinha turvando as expectativas.

A mudança ocorreu porque o peso da amostra das empresas que participam das pesquisas do IBGE foi redistribuído. Em vez de seguir usando como referência para essa base o ano de 2011, o instituto atualizou os dados para 2014.

“Quando pegamos os dados do trimestre, o IBC-Br mostra uma inflexão? Mostra. Mas hoje não temos condição de dizer o que é fruto de atividade e o que é fruto de metodologia”, afirmou a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif.

“No geral o que a gente vê é que esses dados vão na linha de uma economia que estabilizou. Agora, é óbvio que tem uma certa insegurança porque o termômetro não está muito bom”, acrescentou ela, em referência à volatilidade dos dados do IBGE.

O resultado negativo em março se deu na esteira de uma fraqueza generalizada em indicadores econômicos recentes divulgados pelo órgão. No mês, o setor de serviços caiu 2,3% sobre fevereiro, pior resultado em cinco anos e abaixo do esperado por analistas.
O varejo, por sua vez, recuou 1,9 por cento na mesma base de comparação, no dado mensal mais fraco em 14 anos. Enquanto isso, a produção industrial despencou 1,8% sobre o mês anterior, leitura mais fraca para março na série histórica iniciada em 2002. O IBC-Br incorpora projeções para a produção no setor de serviços, indústria e agropecuária, bem como o impacto dos impostos sobre os produtos.

Estabilidade - A avaliação de economistas é que, após longo período de crise, a atividade começa a se estabilizar, com recuperação em alguns segmentos.

Embora tenha avaliado que o dado de março surpreendeu positivamente, o economista-chefe do Bradesco, Fernando Barbosa, ressaltou que ele ainda veio no campo negativo e que o caminho daqui para frente não será de uma forte recuperação econômica.

“Esse resultado, que reflete as quedas nas vendas do varejo e do setor de serviços divulgadas na última semana, reforça nosso cenário de que a retomada da economia será bastante gradual”, escreveu em nota. (FP/Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/09/2017
Estoque do Tesouro Direto atinge R$ 47,7 bi
Montante apurado em agosto é recorde e representa crescimento de 34,6% ante o mesmo período de 2016
23/09/2017
Em ajuste, bolsa de valores tem a 2ª queda consecutiva
São Paulo - O principal índice acionário da bolsa paulista B3 fechou no vermelho na sexta-feira e registrou a primeira queda semanal após oito altas semanais seguidas,...
23/09/2017
Light anuncia a emissão de R$ 400 milhões em debêntures
São Paulo - A Light Serviços de Eletricidade anunciou a 13ª emissão de debêntures simples, no valor de R$ 400 milhões, que ainda pode ser elevada se...
23/09/2017
Dólar recua em meio à tensão na Ásia
São Paulo - O dólar terminou a sexta-feira em queda ante o real, devolvendo parte da alta da véspera em sintonia com o comportamento da moeda no exterior após novas...
22/09/2017
Devolução de R$ 50 bilhões é confirmada por diretor do banco
Rio - O diretor da Área Financeira e Internacional do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Thadeu de Freitas, confirmou ontem que a...
› últimas notícias
Minas Gerais terá planta de grafeno até 2020
Planta da Mercedes em Juiz de Fora opera com estabilidade
Empresariado está mais otimista e Icei atinge o maior nível desde março de 2013, aponta CNI
Carrefour Brasil troca de presidente e anuncia a emissão de R$ 2 bi em notas
Unifei entre as mil melhores universidades do mundo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor de mineração deve mudar o foco dos investimentos
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.