23/06/2018
Login
Entrar

Economia

12/08/2017

Produção da Jaguar recua 18,6% em Minas

Em meio aos resultados operacionais negativos, a mineradora revisou para baixo as projeções para este ano
Leonardo Francia
Email
A-   A+
Foram produzidas 19,7 mil onças de ouro nos ativos da companhia em Minas Gerais no segundo trimestre deste ano/Evandro Fiúza/MSol/Divulgação
A Jaguar Mining produziu 19,7 mil onças de ouro a partir de seus ativos em Minas Gerais no segundo trimestre deste ano, com quedas de 11,3% frente à produção nos três meses anteriores (22,2 mil onças) e de 18,6% em relação aos mesmos meses de 2016 (24,2 mil onças).

A companhia informou que revisou para baixo suas projeções relativas à produção nos ativos mineiros. Antes, a previsão era de que a produção chegasse entre 100 mil e 110 mil onças de ouro, mas, agora, a meta é bater entre 95 mil onças e 105 mil onças. “Segundo a Jaguar, a revisão reflete o resultado do primeiro semestre “desafiador”, considerando a menor produção e o fortalecimento do real sobre o dólar.

As operações da empresa estão concentradas na região do Quadrilátero Ferrífero, no Estado. A mina de Turmalina está dentro de um complexo minerador em Conceição do Pará, na região Centro-Oeste, que também inclui planta metalúrgica e escritórios. Já os ativos de Pilar e Roça Grande fazem parte do projeto Caeté, localizado no município de mesmo nome, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). De acordo com a mineradora, a produção de Turmalina deve representar cerca de 60% do volume previsto e a dos ativos em Caeté, aproximadamente 40%.

Em Turmalina, a produção de ouro entre abril e junho foi de 10,8 mil onças, com queda de 28% em relação às 15 mil onças que saíram da mina em igual trimestre de 2016. O volume do metal produzido no complexo representou 54,8% do total da companhia em Minas. Apesar da retração, a mineradora afirmou que busca atingir um ritmo de produção anual no ativo de 95 mil onças.

A Jaguar confirmou que as vendas do ouro extraído e processado em Turmalina somaram 10,8 mil onças no segundo trimestre deste ano, também com recuo de 28% frente às 15 mil onças negociadas a partir do ativo no mesmo período do exercício passado.

No complexo de Caeté, onde estão em operação as minas subterrâneas de Pilar e Roça Grande, a produção de ouro somou 8,8 mil onças no segundo trimestre deste ano contra 9,1 mil onças no mesmo período de 2016, uma redução de 3,3%. Em termos de vendas, foram comercializadas 7,6 mil onças do metal extraído no complexo, com 14,7% menos, no mesmo confronto.

Com base nas informações do relatório divulgado pela Jaguar, o desempenho operacional das minas dentro do Estado devem melhorar e, com isso, a produção aumentar ao longo deste segundo semestre, resultando também em uma melhoria contínua nos custos de caixa da companhia.

Leia também:
China reduz capacidade de extrair carvão


Licença - Além disso, no final de junho, a Jaguar Mining anunciou que obteve uma licença estratégica para exploração mineral de uma área de mil hectares, localizada a 4,5 quilômetros das suas operações no complexo de Caeté, onde estão em atividade as minas de ouro de Pilar e Roça Grande.

Na ocasião, a Jaguar afirmou que acreditava que a área licenciada tem grande potencial para a exploração de ouro. Além disso, o local faz junção com um outro ativo da mineradora, a mina Morro da Mina, cujas sondagens e amostragem de solo estão previstas para este semestre. O objetivo do trabalho é confirmar as ocorrências históricas do ouro dentro e ao redor do alvo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/06/2018
Torcida não aquece as vendas no hipercentro
Giro caiu com greve dos caminhoneiros
23/06/2018
Prestadoras de serviços terrestres cogitam dispensa de pessoal com reoneração
Se perderem neste ano os benefícios fiscais com o projeto de reoneração da folha de pagamento, as empresas de ground handling (que prestam serviços terrestres de apoio...
23/06/2018
Liminar contrária não abala Mendes Júnior
Advogado da construtora afirma que decisão do TJMG não invalida plano apresentado pela construtora
23/06/2018
Primeiro leilão da Aneel prevê R$ 6 bi
São Paulo - O primeiro leilão de linhas de transmissão de 2018 do Brasil, promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), prevê R$ 6...
23/06/2018
BR Distribuidora aguarda decisão do TRT para mensurar os impactos
São Paulo - A BR Distribuidora afirma ter processos com perfil similar aos da Petrobras no tocante ao julgamento do Tribunal Superior do Trabalho (TST) da quinta-feira (21), e que...
› últimas notícias
Torcida não aquece as vendas no hipercentro
Prestadoras de serviços terrestres cogitam dispensa de pessoal com reoneração
Liminar contrária não abala Mendes Júnior
Primeiro leilão da Aneel prevê R$ 6 bi
BR Distribuidora aguarda decisão do TRT para mensurar os impactos
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.