Publicidade
20/04/2018
Login
Entrar

FAEMG

16/12/2016

Produção de bovinos se ajusta à demanda

Com a alta nos preços de bezerros, garrotes e bois magros, setor reduziu abates e garantiu estabilidade
Da Redação
Email
A-   A+
Minas Gerais tem o segundo maior rebanho do País, com 11,1% da produção nacional, e poderá elevar exportações/Ascom Paraná/Divulgação
Minas Gerais é uma grande potência no setor da pecuária, ocupando a segunda posição em rebanho de bovinos no País. São 23,7 milhões de cabeças, o que representa 11,1% do volume total. O cenário para o mercado de reposição é de estabilidade, considerando a baixa oferta de animais e o consumo desaquecido.

Em 2016, a oferta foi restrita, o que rendeu bons preços para o boi magro e a arroba do boi gordo, resultando em ciclo de queda dos abates e na retenção de matrizes. A expectativa é fechar o ano com taxa de abate em torno de 11,5% do rebanho mineiro, o que significará uma redução de 12,2% em relação a 2015.

Devido à recessão econômica, o consumo de carne recuou no País. O equilíbrio entre a oferta e a demanda, que poderia ditar a queda no preço da arroba, não aconteceu, o que resultou na escala de abate ajustada para os frigoríficos.

A melhor hipótese para a sustentação do preço da arroba seria a escassez de boi terminado para o abate devido à alta do mercado de reposição (bezerros, garrotes e bois magros), uma vez que os pecuaristas seguraram o gado até que encontrassem as categorias de reposição a preços convenientes. O preço médio da arroba pago ao produtor mineiro em novembro foi de R$ 148, valor 2,7% acima do mesmo período de 2015.

As exportações perderam fôlego devido às dificuldades econômicas enfrentadas por alguns dos principais importadores. Nos 10 primeiros meses de 2016, as vendas externas de carne bovina mineira caíram 11,1% em receita e 5,6% em volume, comparando com o mesmo período de 2015.

Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), além das exportações de carne, de janeiro a outubro o Brasil embarcou 226,4 mil animais, 20,8% a mais que em 2015. Os principais compradores foram Turquia, Líbano e Egito.

O confinamento, que poderia ser a estratégia adotada pelo pecuarista no período de entressafra para intensificar o ciclo de engorda dos bovinos, não pode ser usado em diversas praças, e deve ter redução de 11% a 15% este ano, para 4,6 milhões de cabeças em todo o Brasil. A queda é explicada pelo aumento do preço doméstico do milho e pelos altos custos da reposição.

Leia também:
Embarques de frango em crescimento
Expectativa de recuperação no setor de suínos
Perspectivas mais positivas para 2017



O cenário atual, com a proximidade do fim da segunda etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa, tem reforçado a baixa liquidez no mercado de bezerros. Nos segmentos industrial e atacadista os volumes negociados também têm sido limitados em virtude da baixa oferta de animais e do consumo desaquecido, o que resulta em margem estreita para a cadeia produtiva. O cenário para o mercado de reposição é de estabilidade.

A chegada da chuva e a consequente melhora das pastagens provoca maior movimentação no mercado.

Para 2016, a previsão para o Valor Bruto da Produção (VBP) no setor de bovinos em Minas Gerais é de que seja de R$ 6,7 bilhões, queda de 13,8%. De janeiro a outubro foram abatidas 2,02 milhões de cabeças, o correspondente a 8,6% do rebanho.

No entanto, a criação do Fundo Estadual de Sanidade Animal (Fundesa) em Minas, esperada desde 2015, é uma boa expectativa para 2017. A iniciativa possibilitará a abertura de novos mercados para a carne, fomentando as exportações e dando novo fôlego ao agronegócio mineiro.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

14/12/2017
Conhecimento e integração são caminhos para a superação dos desafios
ENTREVISTA | Robertos Simões, presidente do Sistema Faemg
14/12/2017
Agropecuária fortalece a economia
Além de gerar emprego e renda, o setor tem contribuído para diminuir a inflação
14/12/2017
Melhoria de qualidade do café amplia mercado
Mesmo em um ano de adversidades e preços baixos, o café de Minas ganhou mais espaço no cenário internacional
14/12/2017
Minas tem safra recorde de grãos, com alta de 21% ante 2016
Clima e tecnologias contribuíram
14/12/2017
Silvicultura | Queda no consumo reduz áreas florestais em 0,4%
Com 1,4 milhão de hectares de florestas plantadas e respondendo por 20% da área nacional, Minas Gerais possui a maior área de reflorestamento do Brasil, segundo os dados da...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.