Publicidade
21/09/2017
Login
Entrar

Economia

12/09/2017

Reajustes dos combustíveis afastam clientes dos postos

Movimento caiu após a adoção da nova política de preços da Petrobras
Ana Amélia Hamdan
Email
A-   A+
Os postos tentam se adaptar à nova política de reajustes diários da Petrobras/Alisson J. Silva
As constantes altas nos preços de combustíveis estão levando à redução do movimento nos postos de Belo Horizonte e fazendo empresários do setor a segurarem os valores repassados ao consumidor, reduzindo as margens de lucro. Além disso, as mudanças frequentes estão sendo uma verdadeira prova de fogo para os donos de postos se adaptarem à nova política de preços anunciada pela Petrobras no final de junho, que permite alterações até mesmo diárias nos valores cobrados pelos produtos.

Proprietário do posto Leste-Oeste, na avenida Tereza Cristina, bairro Calafate, região Oeste da Capital, o empresário Rogério Guimarães percebeu uma redução de 5% a 10% no movimento após os últimos aumentos. “Num primeiro momento, o consumidor recua, passa a andar mais de ônibus, moto ou Uber”, diz.

Para evitar prejuízos, ele vem segurando o repasse de preço ao consumidor final – no último sábado, ele estava vendendo o produto a R$ 3,89. Além disso, ampliou o horário de funcionamento do posto, que passou a fechar uma hora mais tarde para aproveitar o movimento de saída das faculdades.

Por fim, ele disse que faz acompanhamento diário dos preços praticados pela concorrência e dos valores de compra dos produtos. Essa característica, ele acredita ser primordial para o empresariado do setor após a Petrobras mudar a política de preços. Com as alterações constantes, o planejamento ficou mais difícil. “Com a nova política da Petrobras, tudo interfere no preço: do estoque no posto até furacão em outros países”, diz o empresário.
Ainda assim, ele acredita que a mudança deveria ter ocorrido, já que o método anterior da Petrobras vinha dando prejuízos ao País.

Chefe de pista do posto Vila, na avenida Nossa Senhora de Fátima, no bairro Carlos Prates (região Oeste), Hudson Giovani dos Santos disse que sentiu uma leve queda no movimento. Para manter a clientela, o posto vem tentando manter o preço mais baixo possível. Ontem, a gasolina era vendida no local a R$ 3,83 o litro.

Ele relata que os aumentos repentinos vêm dificultando o planejamento. “Temos que manter os estoques na média para não sofrer com a flutuação. Se compro muito combustível por determinado preço, pode ser que amanhã o valor do combustível baixe e eu tenha prejuízo”, exemplificou.

Proprietário do Posto Quick, às margens da avenida Teresa Cristina, no bairro Padre Eustáquio, região Noroeste de Belo Horizonte, Ricardo Figueiredo Costa viu o movimento cair em 28% após os sucessivos aumentos no preço do combustível. “Não temos como repassar todos os aumentos. Isso está causando impacto no capital de giro”, disse. Ontem, ele estava vendendo o litro da gasolina a R$ 3,83. “Estou numa área muito competitiva. Então, temos que segurar o preço mesmo”, diz.

O empresário acredita que a nova política da Petrobras funcionaria melhor num cenário de economia estável, que possibilitaria o empresário ter reservas para segurar as mudanças nos preços.

Leia também:
Alterações nos valores praticados podem ser diárias
Estatal deve vender ativos de fertilizantes


Tíquete médio - No posto Xuá, na avenida Nossa Senhora do Carmo, Centro-Sul da Capital, houve redução de 30% no movimento. De acordo com o proprietário, Tomás Lisita, a retração no mercado vem ocorrendo há mais tempo, com o tíquete médio do consumidor tendo caído de 30 litros para 10 litros. No comércio, ontem, a gasolina estava sendo vendida a R$ 3,99.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/09/2017
Integração deve gerar US$ 600 milhões ao ano à Vale
Centro de Operações fica na RMBH
21/09/2017
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
Para as ações essenciais apresentadas no projeto são necessários investimentos de R$ 420 milhões
21/09/2017
3Corações e Toko: sem ato de concentração
São Paulo - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) não reconheceu ato de concentração na compra pelo grupo 3Corações das marcas...
21/09/2017
Thyssenkrupp e Tata anunciam a criação de joint venture europeia
Essen - A alemã Thyssenkrupp e a Tata Steel uniram ontem suas operações siderúrgicas europeias em um acordo preliminar que deve criar a segunda maior...
21/09/2017
Venda de fatia da Alpargatas é concluída
São Paulo - A Alpargatas informou, por meio de fato relevante, que a Itaúsa (holding de investimentos do Itaú), Cambuhy Investimentos (fundo da família Moreira Salles)...
› últimas notícias
Integração deve gerar US$ 600 milhões ao ano à Vale
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
3Corações e Toko: sem ato de concentração
Thyssenkrupp e Tata anunciam a criação de joint venture europeia
Venda de fatia da Alpargatas é concluída
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor de mineração deve mudar o foco dos investimentos
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.