Publicidade
22/10/2017
Login
Entrar

Internacional

11/03/2017

Recorde de empregos reforça alta dos juros nos EUA

Criação de 235 mil vagas fora do setor agrícola em fevereiro acende luz verde para Fed aumentar taxa
Email
A-   A+
Construção registra o maior ganho em quase 10 anos, por causa do clima quente, atípico/Mike Blake/Reuters
Washington - A criação de vagas de emprego nos Estados Unidos aumentou mais do que o esperado em fevereiro e os salários aumentaram de forma constante, o que dá ao Federal Reserve, banco central norte-americano, a luz verde para elevar os juros na próxima semana, apesar da desaceleração do crescimento econômico.

A criação de vagas fora do setor agrícola atingiu a marca de 235 mil postos de trabalho no mês passado, com o setor de construção registrando o maior ganho em quase 10 anos devido ao clima quente atípico, informou o Departamento do Trabalho na sexta-feira (10).
A economia criou 9 mil postos de trabalho a mais em dezembro e janeiro do que o relatado anteriormente.

A chair do Fed, Janet Yellen, sinalizou na semana passada que o banco central dos EUA deve elevar os juros na reunião de política monetária de 14 e 15 de março. A criação média de emprego foi de 209 mil postos por mês nos últimos três meses.

A economia precisa criar cerca de 100 mil empregos por mês para acompanhar o crescimento da população em idade de trabalhar.

A forte criação de vagas no mês passado foi acompanhada por um crescimento salarial estável, com o ganho médio por hora subindo 0,2%. O crescimento salarial de janeiro foi revisado para 0,2%, ante alta de 0,1% relatado antes.

Isso impulsionou o crescimento dos salários para 2,8% na comparação anual, de 2,6% em janeiro.

A taxa de desemprego caiu 0,1 ponto percentual, para 4,7%, mesmo com mais pessoas entrando no mercado de trabalho incentivadas pela intensificação das contratações. Economistas consultados pela Reuters projetavam que a criação de vagas seria de 190 mil vagas no mês passado.

Projeção - A alta da inflação junto com um mercado de trabalho mais apertado, o boom dos mercados acionários e o fortalecimento da economia global fizeram com que alguns economistas projetassem que o Fed eleve os juros muito mais rápido do que atualmente esperado pelos mercados financeiros.

O Fed elevou os juros em dezembro e tem projetado três altas para 2017.
Todos os setores da economia, com exceção de varejo e serviços públicos, ampliaram as contratações em fevereiro. A indústria criou 28 mil postos, a maior alta desde agosto de 2013, depois que o aumento dos preços do petróleo alimentou a demanda por maquinário.

A construção registrou criação de 58 mil vagas, número mais alto desde março de 2007, favorecido pelo clima quente.

As contratações do governo aumentaram em 8 mil no mês passado, apesar do congelamento na contratação de trabalhadores civis pelo governo federal, que entrou em vigor em janeiro. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
UE vai insistir em acordo com o Mercosul
Conversas serão mantidas, apesar das reservas da França em relação às importações agrícolas
21/10/2017
China prepara emissão de bônus em dólar
Pequim - A China selecionou dez bancos, incluindo quatro estrangeiros, para coordenar uma emissão de bônus denominado em dólares no valor de US$ 2 bilhões, que...
21/10/2017
Trump anuncia três candidatos para assumir o Fed
Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tem três candidatos preferidos para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a partir de...
21/10/2017
Setor imobiliário está desacelerando neste ano
Pequim - A China registrou um crescimento econômico relativamente sólido no terceiro trimestre impulsionado por uma atividade de serviços mais forte, embora haja sinais de...
20/10/2017
Brasil seria país mais alinhado para conquistar vaga na OCDE
Adesão foi solicitada em junho, mas aprovação pode levar 4 anos
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.