Publicidade
11/12/2017
Login
Entrar

Economia

21/11/2017

Relator do Orçamento aumenta projeção para o PIB

Perspectiva no relatório apresentado ontem é de crescimento de 2,5%
AE/Reuters
Email
A-   A+
Relatório apresentado à CMO do Congresso Nacional estima uma receita primária maior/Marcelo Casal Jr
Brasília - O relator de receitas do projeto de lei orçamentária anual (Ploa) de 2018, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), elevou a perspectiva de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) a 2,5%, ante 2%  na peça enviada pelo governo, e passou a estimar um acréscimo de R$ 4,9 bilhões de reais nas receitas primárias líquidas da União.

No relatório apresentado ontem à Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional, Ataídes destacou ter uma expectativa de alta de 3% para a atividade econômica no ano que vem. “Nossa experiência de empresário, atuante e observador dos ritmos de negócio nos leva a apostar que a expansão em 2018 alcançará 3%, taxa que não usamos em nossa reavaliação da Receita por uma questão de cautela”, afirmou o relator no documento.

“Em razão do teto de gastos em vigor, entendemos que todo excesso de arrecadação servirá para a melhora das contas públicas, com redução de déficit primário previsto pela LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias)”, acrescentou.

No total, as receitas líquidas da União foram calculadas em R$ 1,206 trilhão, contra R$ 1,201 trilhão no Ploa modificado que o governo do presidente Michel Temer enviou ao Congresso no fim de outubro.

Leia também:
PL da Eletrobras deve ser aprovada no 1º semestre
Governo poderá ampliar o combate à desigualdade


No documento, o governo havia mantido inalterada sua previsão para a expansão do PIB em 2%, buscando ganhar algum espaço para navegar em outro ano de forte rombo fiscal, com meta de déficit primário fixada em R$ 159 bilhões de reais.
Arrecadação - A diferença nas receitas no relatório advém, basicamente, da maior arrecadação calculada para receitas administradas pela Receita Federal (R$ 3,667 bilhões) e com arrecadação do INSS (R$ 1,912 bilhão).

“A nossa percepção de que, na mensagem modificativa, o crescimento está aquém do que o Brasil é capaz de alcançar é reforçada pelas previsões de mercado. Há um mês, já se prevê que o crescimento do PIB será maior do que 2%. Alguns analistas falam em até 4%”, escreveu Ataídes, chamando atenção para o fato de a economia estar gerando empregos formais acima do esperado.

“Com a retomada do crescimento e com menores custos de aumento da produção – temos ainda capacidade produtiva instalada ociosa –, a arrecadação tende a se dar de forma tempestiva. Ademais, parece-nos subestimado o efeito no consumo desse cenário de juros reais baixos”, disse.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

08/12/2017
Governo quer mais celeridade nos processos
Plano de Eficiência Ambiental permitirá aprovações concomitantes das diferentes etapas de um empreendimento
08/12/2017
Vulcabras investirá R$ 100 mi em suas três fábricas em 2018 para ganhar em produtividade
São Paulo - A fabricante de calçados Vulcabras retomou investimento em seu parque fabril e está se preparando para reativar sua marca voltada ao público feminino...
08/12/2017
Indústria fecha 2017 com bons resultados e prevê geração de 20 mil postos de trabalho em 2018
São Paulo - A indústria têxtil deve encerrar 2017 com crescimento de 3,5% na produção de vestuário, alcançando 5,9 bilhões de peças....
08/12/2017
Trabalhadores da Jucemg mantêm a greve
Sem consenso com o governo estadual, imbróglio deverá ser resolvido na Justiça
08/12/2017
BNDES planeja se desfazer de 10% das participações em grandes grupos privados
Rio de Janeiro - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve se desfazer de, pelo menos, 10% das participações que possui em grandes grupos privados. O...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.