Publicidade
19/04/2018
Login
Entrar

Legislação

09/11/2017

Renúncia fiscal cairá para R$ 4,9 bilhões em 2018 com reoneração da folha

Perda de receita neste ano é estimada em R$ 17,5 bilhões
AE
Email
A-   A+
Rachid: desoneração beneficia 1,8% dos contribuintes/Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Brasília - O secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, defendeu ontem a tentativa do governo em reonerar a folha de pagamentos para cerca de 50 setores da economia, ressaltando que o projeto de lei enviado ao Congresso no começo de setembro é importantíssimo para as contas públicas. Segundo ele, se o projeto for aprovado na forma como foi enviado, a renúncia fiscal na folha de salários cairá de R$ 17,5 bilhões em 2017 para R$ 4,9 bilhões em 2018.

Em audiência pública na comissão especial do PL da reoneração na Câmara dos Deputados, Rachid também avaliou que a desoneração da folha beneficia uma parcela muito pequena dos contribuintes. O chefe do Fisco chegou a dizer que seria mais barato para o governo pagar um salário para todos os desempregados do País do que manter a desoneração na folha.

“A desoneração beneficia apenas 1,8% dos contribuintes. Poucos ganham com essa medida e muitos perdem. Os setores beneficiados passaram a pagar metade da contribuição que pagavam anteriormente para custear a Previdência Social. Desse jeito a conta não vai fechar”, alertou.

Rachid mostrou dados sobre o descolamento entre o crescimento da massa salarial e a arrecadação previdenciária desde 2012 e alegou que a situação da economia era muito diferente quando a desoneração foi criada, em 2011.

O secretário da Receita lembrou que o governo anterior começou a tentar reverter essa desoneração ainda em 2015, mas conseguiu apenas o aumento das alíquotas, mantendo a contribuição previdenciária para esses setores sobre o faturamento, e não sobre a folha de salários. “A renúncia fiscal na folha de pagamentos chegou na ordem de R$ 25 bilhões em 2015. Em 2017, até agora, está em cerca de R$ 14,5 bilhões”, relatou.

Simplificação - Ele criticou ainda a atual forma de cobrança, que tem sete alíquotas diferentes. “Precisamos caminhar para a simplificação do sistema. Hoje uma mesma empresa recolhe sobre folha de pagamento ou sobre o faturamento bruto, dependendo do tipo de produto fabricado. É um sistema muito complicado”, avaliou.

A nova tentativa do governo de acabar com a desoneração da folha de pagamentos já conta com as mesmas emendas que levaram o governo a desistir da MP 774 em agosto, pouco antes de ela caducar. Até o momento, 85 propostas de alteração foram apresentadas ao projeto, a maioria diretamente relacionada com o lobby de setores da indústria e de serviços que desejam manter a desoneração.

Rachid defendeu que a desoneração continue apenas para os setores selecionados no texto original do projeto de lei: construção civil e construção obras de infraestrutura; transportes rodoviário, ferroviário e metroviário de passageiros; e as empresas jornalísticas. “Mas se os senhores parlamentares entenderem que devem reverter tudo, estamos juntos”, completou.

O chefe da assessoria especial do Ministério da Fazenda, Marcos Mendes, acrescentou que a desoneração para o setor da construção civil foi mantida no projeto porque as empresas ainda enfrentam dificuldades devido ao alto endividamento contraído durante a crise. “A ideia é que essa desoneração também seja revertida à frente”, revelou.

Segundo Mendes, a desoneração da folha de pagamentos foi criada para compensar a desvalorização do real frente ao dólar no começo desta década, e não para assegurar postos de trabalho, porque o Brasil vivia o chamado “pleno emprego” no período. “Agora o valor do câmbio já está estabilizado”, argumentou.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/04/2018
Tabela do IRPF está defasada em 22,16%
Última correção foi em 2015, com reajuste diferenciado por faixas de rendimento, de 5,6% em média
19/04/2018
Venda de imóvel para quitar financiamento é isenta
Brasília - A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou que é isento de Imposto de Renda (IR) o ganho de capital resultante da venda de imóvel...
19/04/2018
IPVA para servidores vence hoje
Vence hoje o prazo para os servidores públicos do Executivo estadual - ativos, inativos e pensionistas - quitarem o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2018 e o...
19/04/2018
MEI deve entregar a DASN até 31 de maio
Em 2017, mais da metade dos microempreendedores individuais (MEIs) mineiros não entregaram a Declaração do Anual de Faturamento (DASN/Simei). Dos 729 mil formalizados, 49%...
18/04/2018
STF julgará quebra de sigilo fiscal
TRF-3 anulou ação penal diante do compartilhamento de dados entre Fisco e MP
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.