Publicidade

Negócios

16/03/2017

Restaurantes preveem alta na demanda para a Semana Santa

Mírian Pinheiro
Email
A-   A+
Variação de preços dos produtos chega a 100% na Capital/Divulgação
Com a chegada da Quaresma, aumenta o consumo de peixes e frutos do mar no País. Em Belo Horizonte, a variação de preços dos produtos chega a 100% para o mesmo tipo de pescado. Já no caso do bacalhau, a variação chega a 97,57%. As informações são do levantamento realizado pelo site de pesquisas Mercado Mineiro, entre os dias 20 e 21, em 12 peixarias da Capital.

Mesmo com preço salgado (o quilo do filé de merluza pode custar de R$ 12,90 a R$ 25,90 e o bacalhau do tipo Porto Imperial até R$ 99,90), restaurantes da Capital especializados em peixes e frutos do mar se preparam para atender a clientela. A procura chega a triplicar no período. Para atender a demanda, um dos mais tradicionais estabelecimentos da cidade, o Restaurante do Porto, aumentou o estoque de pescados com 6 toneladas de bacalhau norueguês.

“Esperamos receber um público 30% maior em relação ao ano passado”, estima o sócio-proprietário do restaurante, Leonardo Duarte. Nos dois endereços da casa, em Lourdes, região Centro-Sul, e na Cidade Nova, região Nordeste, os clientes poderão encontrar uma variedade de pratos à base de peixes e frutos do mar sem desembolsar mais por isso. O empresário preferiu apostar no volume de vendas a reajustar os preços. “Não é hora de aumentar”, diz, fazendo referência à crise que assola a economia de uma forma geral.

Na Semana Santa do ano passado, cerca de 3 mil pessoas visitaram as duas unidades do Restaurante do Porto. Este ano, a clientela esperada poderá degustar bacalhoadas servidas à la carte e em porções de 150g e 300g, entre elas: Gomes de Sá (150g-R$ 49 e 300g-R$ 98), e à moda Zé do Pipo (150g-R$ 49 e 300g-R$ 98) e penne com bacalhau desfiado (150g-R$ 49). Quem preferir a comodidade de saborear os pratos em casa, também vai poder contar com o serviço de delivery oferecido pelo restaurante.

Casa cheia - O Restaurante Chico do Peixe também se prepara para receber um maior número de clientes. Dono do estabelecimento que funciona no bairro Concórdia, região Nordeste da cidade, há 22 anos, José Francisco dos Santos, o ‘Chico’, como é conhecido, acredita que durante a Quaresma o movimento diário, de 300 pessoas, irá triplicar. Já se comparado ao movimento no mesmo período do ano passado, a expectativa é de que o público se mantenha estável. “Recebo, em média, mil clientes nos finais de semana da Quaresma”, afirma.

Para não faltar pescado para atender a clientela expressiva, 10 toneladas de peixes já foram estocadas. Em seu estabelecimento, o preço dos pratos também promete não assustar a clientela. “Houve um reajuste de 20% nos preços dos fornecedores, mas não vou repassar”, garante o dono da casa. A porção da tilápia no Chico do Peixe aos finais de semana custa R$ 34,90, a chapa mista composta por cinco variedades de peixe, R$ 115, uma porção de surubim sai a R$ 55, o peroá, de R$ 29 a R$ 55 dependendo do tamanho e o bacalhau custa R$ 95.

Proprietário do restaurante Peixe Frito, no Santo Agostinho, região Centro-Sul, Roberto Schons está mais preocupado com o recente sumiço do camarão e do lagostim. Ele desconfia que fornecedores estejam segurando a ‘mercadoria’ para aumentar o preço durante a Quaresma. Por outro lado, Daniel Moreira Dalcin, gerente e chef do restaurante Badejo, na Savassi, região Centro-Sul, acredita que o tal ‘sumiço’ relatado pelo colega pode ser explicado pela contaminação da mancha-branca - vírus inofensivo ao homem, mas letal ao crustáceo - que afetou metade da produção brasileira no final do ano, fazendo o preço ficar 50% superior aos R$ 14,50 (o quilo) cobrados.

Acostumado com as artimanhas do mercado e com o período da Piracema (período de defeso quando a pesca fica proibida e a produção nacional de pescado cai), que começou em novembro e só termina no fim deste mês, Schons, dono do Peixe Frito, prefere comprar e estocar os produtos com mais antecedência. “Seis meses antes já programo minhas compras, evito assim a variação de preços nesta época”. Ele diz ter havido um aumento de até 45% nos preços dos seus fornecedores. Schons espera receber durante a Quaresma cerca de 3 mil clientes nos finais de semana, que encontrarão tabela nova. Os preços no cardápio sofrerão reajuste de 20%, a partir de março - justificados, segundo o dono, pela ausência de correção durante todo o ano passado. Uma porção de tilápia no Peixe Frito custa hoje R$ 36,90 e a de pirarucu R$ 46,90.

O gerente e chef do Badejo, Daniel Dalcin, adota outra estratégia: pretende manter pratos promocionais durante toda a Quaresma. “Se conseguir comprar uma carga de lagostas, faremos uma promoção especial dessa moqueca com camarões”, avisa. Com uma tonelada de peixes e frutos do mar já reservados, Daniel Dalcin espera receber mil clientes por final de semana. “Nosso pior ano foi o de 2016, quando o volume de vendas caiu cerca de 25%. Se conseguirmos recuperar o mesmo percentual este ano, já está ótimo”, avalia o gerente, que já trabalha com tabela de preços atualizada desde o início do ano. Uma porção para duas pessoas de moqueca capixaba no Badejo custa R$ 79,90, a de camarões, R$ 99,00 e a bacalhoada do chef sai por R$ 159.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

25/03/2017
Emissoras de rádio assinam na Capital termo aditivo de migração de AM para FM
Minas Gerais possui o maior número de empresas que vão realizar essa mudança no Brasil
24/03/2017
Fiemg Lab decola em Belo Horizonte
Abertura oficial do programa focado na indústria celebrou as 100 principais inovações da Capital
24/03/2017
Arrumar a casa antes de convidar as visitas: as lições de marketing online da Printi
Você investiu em marketing digital, mas o retorno foi menor do que esperava? Esse foi o desafio enfrentado pelos empreendedores da Trocafone no final do ano passado. Confira o que eles...
24/03/2017
Quase 18% dos foliões no Carnaval da capital mineira eram turistas
Uma pesquisa feita pela Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur) e Secretaria de Turismo de Minas Gerais (Setur-MG) traçou o perfil dos foliões presentes no Carnaval...
24/03/2017
Portugal estreita laços comerciais com Minas
Proximidade faz com que as portas se abram dos dois lados do Atlântico, com acesso também ao Mercosul
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.