Publicidade
18/02/2018
Login
Entrar

DC RH

31/01/2018

RH 3.0 promete mais agilidade para a área

Conceito é uma evolução dos businesses partners (parceiros de negócios) definido no RH 2.0
Daniela Maciel
Email
A-   A+
Diferença entre os dois modelos está na capacidade de uso da tecnologia, diz Malfi/Divulgação
Já há algum tempo, boa parte das empresas brasileiras tem implantado o chamado RH 2.0 - aquele em que o departamento de recursos humanos se coloca ao lado da alta diretoria e presidência para compor as estratégias da companhia. Agora, seguindo a tendência já estabelecida em economias mais maduras, o conceito de RH 3.0 começa a se tornar assunto no País.

O RH 3.0 é uma evolução dos businesses partners (parceiros de negócios) definido no RH 2.0. A diferença é que no 3.0 os profissionais são ainda mais seniores e mais próximos do negócio e, além disso, há ferramentas tecnológicas mais modernas que auxiliam na atração e retenção de talentos. O profissional indicado seria, então, alguém com muita experiência e com capacidade de utilizar tecnologia, com ajuda de ferramentas e de sistemas de people analytics.

De acordo com o gerente da divisão de Recursos Humanos da Talenses, Guilherme Malfi, essa é uma cultura ainda incipiente no Brasil e que tem sido implementada principalmente em empresas de bens de consumo, varejo e startups. “É certo que o RH 2.0 não foi implantado em boa parte das empresas brasileiras. Mas as empresas mais atentas já estão se antecipando. A diferença entre os dois modelos está na senioridade dos profissionais e a capacidade de uso da tecnologia. É um profissional mais alinhado ao negócio, um RH desenvolvedor”, explica Malfi.

Leia também:
É possível explorar potencialidades a favor da carreira, diz especialista
Conheça as cinco habilidades mais valorizadas no mercado de trabalho



Se para as empresas o grande desafio é encontrar profissionais qualificados para esse novo momento, o desafio dos profissionais é, justamente, conseguir se qualificar. Os materiais a respeito são escassos no País e a opção é buscar literatura fora. A expectativa é de que esse quadro comece a mudar nos próximos cinco anos.

“Com o final da crise econômica as empresas vão precisar se voltar para o RH. Nos últimos anos todos os esforços foram para redução de custos e continuar resistindo à crise. Agora é hora de compreender que são as pessoas as responsáveis pelo sucesso das empresas, então o RH precisa ser estratégico”, pontua o gerente da divisão de Recursos Humanos da Talenses.

O perfil exigido, então, será de alguém que entenda qual tipo de negócio está sendo criado permanentemente e tenha um conhecimento profundo sobre finanças e estratégia. É importante que o business partner seja não apenas experiente, como também analítico, capaz de usar a tecnologia para engajar líderes. Além disso, claro, compreender quais são os talentos necessários para a companhia, encontrá-los e identificar aqueles que já fazem parte do time, dando oportunidades para que se desenvolvam.

Tudo isso deve alterar a rotina dos departamentos de recursos humanos e de toda a empresa, tornando toda a estrutura mais ágil. O modelo tradicional de avaliação de desempenho - com definição de metas e feedback anual - deve ser bastante acelerado e ser realizado em consonância com metas e equipes que mudam com frequência.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

31/01/2018
Ter diploma já não é diferencial competitivo
“Atualmente, não basta ser somente qualificado, é preciso ser competente”. De acordo com o diretor do Instituto de Neurolinguística Empresarial (Inemp), Marco...
31/01/2018
É possível explorar potencialidades a favor da carreira, diz especialista
De acordo com a consultora em desenvolvimento de pessoas Tânia Zambelli, com mais de 30 anos de carreira e experiência nas áreas de gestão de RH, consultoria...
31/01/2018
Conheça as cinco habilidades mais valorizadas no mercado de trabalho
1. Comunicação: a habilidade de se comunicar bem é a chave para profissionais técnicos trabalharem de forma integrada ao negócio; 2. Trabalho em equipe:...
12/12/2017
Brasileiros dão notas baixas aos líderes
Metade dos empregados acredita que altos chefes têm sincero interesse pelo bem-estar deles
12/12/2017
Gestor pode ser contagiante ou contagioso
Durante toda uma vida você trabalha duro e busca fazer o seu melhor para chegar à excelência, certo? O engraçado é que quanto mais qualidade tem a...
› últimas notícias
Sondagem revela retomada do otimismo
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Começam as obras do Aeródromo Inhotim
Folia supera expectativas em Belo Horizonte
Mobiliata une empreendedorismo e impacto social
Carnaval aqueceu setor de brindes na Capital
Fiat Argo Drive tem bom desempenho
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.