Publicidade
20/01/2018
Login
Entrar

Economia

09/01/2018

Riacho dos Machados planeja dobrar a produção até 2019

Vida útil da jazida de ouro, no Norte de Minas, aumentou 37%
Leonardo Francia
Email
A-   A+
A Brio Gold calcula ter fechado 2017 com produção entre 50 mil e 60 mil onças, com previsão de chegar a 100 mil onças em dois anos/Divulgação
A Mineração Riacho dos Machados (MRDM), que pertence à Brio Gold, subsidiária da canadense Yamana Gold, divulgou que a vida útil da jazida de ouro no complexo instalado no município de Riacho dos Machados (Norte de Minas) aumentou em 37%, o que também deve impactar em aumento de produção.

A Brio informou que otimizou o plano da mina para maximizar o fluxo de caixa durante a vida útil do ativo, que foi prolongada em três anos, somando um total de nove anos. Apesar de projetar o crescimento da produção de ouro no complexo, a mineradora informou que o volume produzido em 2017 ainda deve sofrer impactos de uma série de adequações, obras e também do período de seca na região.

Entre as obras, a companhia está instalando uma nova unidade de armazenamento de água e continua tocando o projeto de conectar a mina à rede elétrica do Estado. O comissionamento da linha elétrica está previsto para o segundo trimestre de 2018. A linha substituirá os atuais geradores de energia a diesel de baixa capacidade, o que também deve reduzir custos de operação na mina, melhorar a moagem e a recuperação, além de expandir a produção do moinho.

Mesmo assim, até setembro de 2017, a produção de ouro no ativo conseguiu superar a de todo o ano de 2016. Nesta comparação, foram produzidas 32,9 mil onças contra 31,7 mil onças, um crescimento de 3,7%.

Conforme o plano de exploração traçado, a Brio projeta uma produção de ouro em Riacho dos Machados entre 50 mil onças e 65 mil onças para o fechamento de 2017. Para este ano, o volume deve saltar para 90 mil onças a 95 mil onças, e, em 2019, a produção no ativo deve ficar entre 95 mil onças e 100 mil onças do metal.

Também para este ano, a mineradora tem um plano de aumentar a profundidade de extração de ouro na mina, o que pode acarretar em nova revisão dos recursos do ativo.
A MRDM foi adquirida pela Yamana, através da Brio, da também canadense Carpathian Gold, em abril de 2016, em uma operação que movimentou US$ 48,5 milhões. Na transação, a Brio também assumiu a dívida da mineradora com o banco australiano Macquarie, devido a empréstimos concedidos anteriormente à Carpathian.

O ouro é o sexto produto mais importante da pauta de exportações de Minas Gerais. Em 2017, o metal teve uma participação de 3,2% nos embarques estaduais, rendendo US$ 819,5 milhões contra US$ 800,2 milhões em 2016, consolidando um crescimento de 2,4%. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic).

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/01/2018
Empresário mineiro segue mais confiante
Em janeiro, o Icei-MG chegou a 50,7 pontos, o melhor resultado para o mês nos últimos sete anos
20/01/2018
Montadoras reivindicam créditos tributários
Brasília - Com o fim do Inovar Auto em dezembro e sem definição do novo programa automotivo, chamado de Rota 2030, as empresas de automóveis tentam que os...
20/01/2018
Índice de investimentos de empresas caiu 0,7% em novembro ante outubro
Brasília - O indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado na sexta-feira, 19, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), sofreu uma queda de...
20/01/2018
Faturamento recua no interior de Minas
Quatro regionais apresentaram queda na receita em novembro, conforme levantamento da Fiemg
20/01/2018
Exportações mineiras devem continuar em alta em 2018
Especialistas estimam aumento de 7%
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.