Publicidade
18/01/2018
Login
Entrar

Economia

12/12/2017

Samarco dá passo para retomar operações

Pedidos de licença prévia e de licença de instalação para uso da cava Alegria do Sul são aprovados
Leonardo Francia
Email
A-   A+
A Samarco deu um passo importante para retomar as operações em Mariana com a aprovação das licenças da nova cava/Divulgação
A Samarco deu um passo importante nessa segunda-feira (11) para retomar as operações em Mariana, na região Central de Minas. A companhia teve seu pedido de licença prévia (LP), concomitantemente com a licença de instalação (LI), para uso da cava Alegria Sul para deposição de rejeitos, aprovadas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). A concessão dessas licenças permitirá à mineradora começar os trabalhos de adequação e preparação da cava para receber os rejeitos de minério. Mesmo assim, a Samarco ainda depende da aprovação da licença de operação corretiva (LOC) de todas as estruturas do complexo de Germano pelo órgão ambiental para voltar a operar.

Os trabalhos que serão realizados para preparação da cava incluem a retirada de aproximadamente 13,5 milhões de toneladas de material para ampliar sua capacidade. A área permitiria, originalmente, a disposição de 17 milhões de metros cúbicos de rejeitos em um prazo de cerca de 22 meses.

Contudo, a incorporação de uma tecnologia de filtragem do rejeito arenoso, que equivale a 80% dos dejetos (a lama forma os outros 20%), e a disposição do mesmo em pilhas de estéril, em vez de depositar na cava, aumentará seu prazo de vida útil para algo entre cinco e seis anos. As licenças aprovadas para o uso da cava foram protocoladas em junho do ano passado.

A Samarco deve voltar a operar com apenas 26% da sua carga máxima, revisando para baixo seu projeto de retomada com 60% da capacidade, devido ao indeferimento de Santa Bárbara ao pedido de anuência para captar água no município. A tecnologia de filtragem do rejeito arenoso também permitirá à companhia aumentar o índice de reutilização de água no processo, suprindo, pelo menos parcialmente, a falta de captação no município.

LOC ? No entanto, para retomar as operações em Mariana, a companhia depende, ainda, da concessão da licença de operação (LO) para uso da cava Alegria Sul para disposição de rejeitos e da LOC de todas as estruturas do complexo de Germano, que também está avançando.

Ontem foi realizada a última audiência pública sobre o processo do licenciamento corretivo, em Ouro Preto. Anteriormente, foram realizadas uma audiência em Matipó, no dia 6 de dezembro, e outra, em Mariana, em 7 de dezembro. Mesmo com o avanço no processo, a mineradora não dá previsões de data para o retorno das operações.

O pedido da LOC foi protocolado pela Samarco na Semad em setembro, mesmo sem a anuência de Santa Bárbara (região Central) para captar água no município e um ano depois que o órgão ambiental determinou o licenciamento.

As licenças da empresa, incluindo a da barragem de Fundão, que se rompeu em novembro de 2015, foram suspensas em agosto do ano passado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Um mês depois, no fim de setembro, a Semad determinou a obrigação do licenciamento operacional corretivo de todas as estruturas do complexo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/01/2018
Preço do gás de cozinha cai 5% nas refinarias a partir de sexta-feira
O preço do botijão do gás de cozinha (GLP) cairá 5% a partir de amanhã (19) nas refinarias da Petrobras em todo o país e os reajustes do botijão...
18/01/2018
Sigma investirá R$ 230 mi em projeto de lítio
As inversões serão feitas no biênio 2018/2019 para exploração e produção em Araçuaí e Itinga, no Jequitinhonha
18/01/2018
Saída da BHP Billiton deve favorecer retomada das operações da Samarco
São Paulo - O retorno às operações da mineradora Samarco poderá ser mais fácil caso a Vale seja a única dona da empresa, controlada também...
18/01/2018
Leilões devem atrair players globais
Certames para geração renovável previstos para este ano devem contar com gigantes do setor
18/01/2018
Indicador da FGV aponta superávit recorde em 2017
Rio - O superávit da balança comercial atingiu o montante recorde de US$ 67 bilhões em 2017, segundo os dados do Indicador do Comércio Exterior - Icomex, divulgado...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.