Publicidade
21/04/2018
Login
Entrar

Negócios

14/02/2017

SEB compra operação da Maple Bear no Brasil

Grupo busca internacionalização
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Escola bilíngue cresceu em Belo Horizonte cerca de 20% em 2016 em relação a 2015; meta de crescimento para 2017 é de 15%/Divulgação
As unidades da escola canadense Maple Bear no Brasil acabam de ganhar um novo gestor local: o Sistema Educacional Brasileiro S/A (SEB), que anunciou, ontem, aquisição das operações da marca no Brasil e na América do Sul. O valor da compra não foi revelado mas, segundo a Diretora Executiva do Grupo SEB, Thamila Zaher, a transação faz parte dos R$ 400 milhões previstos para investimento entre 2016 e 2018. A parceria marca o início da internacionalização do Grupo SEB, do empresário Chaim Zaher, que já tem 39 escolas no Brasil e pretende expandir para os países latino-americanos por meio da Maple Bear. A aquisição também deve ajudar a empresa a alcançar a meta de faturar R$ 760 milhões este ano.

De acordo com a diretora, a Maple Bear reúne uma série de atrativos que levaram o grupo brasileiro a apostar na marca. Entre eles está a preocupação com “excelência educacional”, que gera aderência aos valores do SEB. Com sede em São Paulo, o grupo brasileiro tem uma trajetória de mais de 50 anos e é um dos maiores grupos educacionais do Brasil, com 39 unidades distribuídas em oito estados e 16 cidades. Além disso, o modelo educacional focado no bilinguismo também chamou a atenção do grupo, que enxerga o método como uma tendência.

“O modelo pedagógico e o método de ensino adotado pela Maple Bear foi o que mais nos atraiu, então não vamos modificar nada nesse sentido. Nossa contribuição será, principalmente, em uma gestão mais próxima de quem conhece bem o segmento da educação no País”, afirma. A assistência pedagógica e a capacitação de professores também permanecerão sob responsabilidade da Maple Bear Global Schools, que se mantém sócia das operações brasileira e sul-americana. Essa estratégia garante a manutenção do padrão bem-sucedido repetido em outros nove países e já aprovado por pais e alunos.

Thamila Zaher também destaca que a parceria foi estratégica para o Grupo SEB em relação ao seu planejamento de internacionalização. Isso porque a Maple Bear está presente na América do Sul apenas no Brasil, mas essa parceria permitirá a expansão. “Nossa meta é a expansão para o mercado sul-americano, iniciando assim o nosso processo de internacionalização. Ainda estamos conhecendo as alavancas da operação, mas estamos confiantes no crescimento. Nossa intenção é chegar primeiro aos países que já tenham a cultura da educação bilíngue”, afirma.

Apesar de não entrar em detalhes, a expansão no Brasil também é considerada pela diretora. A marca está presente no País há 10 anos e conta com 85 escolas em operação e mais de 15 mil alunos. Sobre o mercado mineiro, ela ressalta as boas parcerias nas quatro unidades na região Centro-Sul de Belo Horizonte e na região metropolitana. “Minas Gerais é um centro de excelência em educação e tem um mercado supervivo, então tem que ser considerado”, afirma. Mesmo em período de crise econômica, a marca cresceu na Capital cerca de 20% em 2016 em relação a 2015. A meta de crescimento para 2017 é de 15%.

De acordo com Thamila Zaher, a aquisição da Maple Bear faz parte de uma série de investimentos do Grupo SEB, que iniciaram no ano passado e vão até 2018. Segundo ela, esses investimentos incluem ainda melhoria em gestão, qualidade e pessoas. Sobre possíveis novas aquisições, a diretora não abre dados, mas afirma que o grupo está sempre aberto a operações que proponham excelência em educação.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/04/2018
Marca mineira Luiz Rocca estima crescer 150% neste ano
Empresa de calçados foi criada em 2014
21/04/2018
Gou Odonto vai inaugurar três unidades em Minas
Para ampliar a sua atuação em Minas Gerais, a franquia de consultórios odontológicos Gou Odonto, vai inaugurar três novas unidades no Estado este ano. Somando-se...
20/04/2018
A sorte privilegia os persistentes: como a Welle Laser se reinventou depois da crise
A crise financeira levou a Welle Laser a sair de 70 para 17 pessoas. Veja quais foram as mudanças que ajudaram os irmãos Bottós a se reerguer depois da tempestade
20/04/2018
Produtos feitos à mão ganham mercado
Empreendimentos que trabalham neste segmento vêm registrando crescimento nos negócios
20/04/2018
Landix Sistemas pretende duplicar a receita em dois anos
Empresa deve executar novos projetos na América Latina neste ano
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.