19/06/2018
Login
Entrar




Agronegócio

14/06/2018

Setor de grãos critica preço mínimo

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - Entidades do setor brasileiro de grãos afirmaram ontem que não estão negociando com órgãos do governo ou com caminhoneiros sobre o estabelecimento de fretes mínimos para cargas a granel, reforçando que a medida poderia impactar as exportações nacionais.

O documento é assinado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Associação das Empresas Cerealistas do Brasil (Acebra) e Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), que respondem por quase todo o volume de milho, soja e farelo comercializados no Brasil.

“Há grande preocupação entre as empresas representadas com a volta à normalidade do escoamento de grãos e, por esta razão, as entidades têm procurado dialogar... As conversações se restringem exclusivamente a questionar, no âmbito administrativo, as medidas governamentais e não tratam de negociações sobre os preços mínimos”, destacaram as entidades.

Enquanto as discussões prosseguem, integrantes do mercado relatam dificuldades para negociar a produção de grãos. Corretores citam que os negócios estão praticamente parados, com parte dos agentes evitando fechar acordos sem a garantia de transporte.

O tabelamento de fretes foi uma das medidas tomadas pelo governo para acabar com protestos de caminhoneiros no mês passado, que afetaram a economia do País.

Segundo as associações, “a solução para os problemas de remuneração dos motoristas autônomos não será resolvida impondo, sobre os embarcadores, um tabelamento de preços”.

Até o momento, Abiove e Anec já recorreram a meios legais contra o tabelamento de fretes, alegando que «não há espaço em nossa democracia ou na Constituição» para tabelamento de fretes.

“A imposição de tabelamento de preços de frete vai acabar com o sistema de financiamento, fixação de preço e comercialização que permitiu ao Brasil ser o maior produtor de soja e o terceiro maior produtor de milho do mundo”, afirmaram.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/06/2018
Megaleite deve girar R$ 25 mi, com atenção para genética
Feira acontece de 20 a 23 de junho
19/06/2018
Produtores e consumidores têm nova relação
Brasília - Apesar de o Brasil ainda ser um país de baixa escolaridade (51% concluiu apenas o ensino fundamental e há elevado índice de analfabetismo funcional), o...
19/06/2018
Copersucar prevê menor produção de açúcar
São Paulo - A brasileira Copersucar, maior comerciante global de açúcar e etanol, espera uma produção menor de açúcar no Centro-Sul do País...
16/06/2018
Queijo Minas recebe sinal verde para ganhar o território brasileiro
Até então, o comércio interestadual de produtos artesanais de origem aninal só era permitido com o SIF
16/06/2018
Coleta de Sempre-Vivas pode ganhar selo
Minas Gerais pode ter o primeiro Patrimônio Agrícola Mundial brasileiro. É o sistema de agricultura tradicional da Serra do Espinhaço, no Território Alto...
› últimas notícias
Preço do diesel recua R$ 0,41 em Minas
Mais de 40% das empresas usam planilhas ao contratar
Inadimplência recua na Capital
TCU vai apurar se cobrança por despacho de bagagem reduziu preços das passagens
Governo espera movimentar a economia com liberação de saques
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.