Publicidade
19/10/2017
Login
Entrar

Agronegócio

16/03/2017

Setores de frangos e suínos registram recorde, mas o de bovinos apura queda

Email
A-   A+
Rio de Janeiro -  O ano de 2016 fechou com recordes nos abates de frangos e suínos e também na produção de ovos. Já o abate de bovinos recuou. Os dados foram divulgados ontem, no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O abate de suínos no Brasil teve alta de 7,8% em 2016, com 42,32 milhões de cabeças abatidas no País, segundo o IBGE. O resultado representa novo recorde, além de dar continuidade ao crescimento ininterrupto da atividade desde 2005.

Foram abatidas 3,05 milhões de cabeças de suínos a mais do que em 2015. O abate cresceu em 17 das 25 unidades da Federação participantes da pesquisa e em todas aquelas com participações acima de 1%: Paraná (+1,16 milhão de cabeças), Santa Catarina (+450,87 mil cabeças), Rio Grande do Sul (+429,08 mil cabeças), Mato Grosso (+336,94 mil cabeças), São Paulo (+211,42 mil cabeças), Minas Gerais (+205,78 mil cabeças), Mato Grosso do Sul (+85,58 mil cabeças) e Goiás (+65,01 mil cabeças).

Segundo o IBGE, em 2016 Santa Catarina manteve a liderança no abate de suínos, com 25,4% do total nacional. Em seguida vieram Paraná (21,0%) e Rio Grande do Sul (19,7%).

No quarto trimestre de 2016 foram abatidas 10,81 milhões de cabeças de suínos. Houve aumentos de 0,8% em relação ao trimestre anterior e de 5,8% em relação ao mesmo período de 2015 Esse resultado trimestral foi o maior desde 1997.

Frangos - Em relação ao mercado de frangos, o País abateu, em 2016, 5,86 bilhões de cabeças, um aumento de 1,1% em relação a 2015 (64,09 milhões de cabeças de frangos a mais). O resultado é um recorde da série histórica das Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais, iniciada em 1997 pelo IBGE.

O abate cresceu em dez das 25 unidades da Federação participantes da pesquisa. Os maiores aumentos foram no Paraná (+58,10 milhões de cabeças), no Rio Grande do Sul (+31,88 milhões de cabeças), em Minas Gerais (+20,02 milhões de cabeças), na Bahia (+2,11 milhões de cabeças) e no Mato Grosso (+252,82 mil cabeças).

O Paraná continuou líder no abate de frangos em 2016, com 31,3% de participação nacional, seguido por Santa Catarina (14,9%) e Rio Grande do Sul (14,2%). As quedas mais intensas foram em Goiás (-15,56 milhões de cabeças), Santa Catarina (-11,17 milhões de cabeças), Distrito Federal (-6,49 milhões de cabeças), Mato Grosso do Sul (-5,70 milhões de cabeças) e São Paulo (-175,82 mil cabeças).

No quarto trimestre de 2016, foram abatidas 1,41 bilhão de cabeças de frangos. Houve quedas de 4,0% em relação ao trimestre imediatamente anterior e de 6,2% na comparação com o mesmo período de 2015.

Ovos - Outra atividade com recorde em 2016 foi a produção de ovos. No ano passado, foram produzidos 3,1 bilhões de dúzias, ou seja, 5,8% a mais do que em 2015. É o maior valor desde que o IBGE começou a acompanhar a atividade, em 1987.

Bovinos - O Brasil abateu 29,67 milhões de cabeças de bovinos em 2016, queda de 3,2% em relação a 2015. Foi a terceira queda anual consecutiva na série histórica do abate de bovinos. No ano passado foram menos 982,83 mil cabeças de bovinos abatidas.
De acordo com o IBGE, houve reduções no abate em 20 das 27 unidades da federação.

As quedas mais intensas foram em Minas Gerais (-370,94 mil cabeças), São Paulo (-260,16 mil cabeças), Goiás (-239,48 mil cabeças), Mato Grosso do Sul (-116,46 mil cabeças) e Bahia (-78,4 mil cabeças). Os maiores aumentos foram em Rondônia (+250,49 mil cabeças), Pará (+83,64 mil cabeças), Rio Grande do Sul (+76,04 mil cabeças) e Mato Grosso (+36,65 mil cabeças).

O Estado de Mato Grosso, continuou na liderança do ranking das Unidades da Federação em 2016, com 15,4% do mercado nacional, seguido por Mato Grosso do Sul (11,1%) e Goiás (9,5%).

No quarto trimestre do ano passado, 7,41 milhões de cabeças de bovinos foram abatidas no País, alta de 1,2% em relação ao trimestre imediatamente anterior. No entanto, o resultado foi 3,7% inferior ao do quarto trimestre de 2015. (AE e ABr)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/10/2017
Minas perde R$ 5,47 bilhões com seca prolongada
Em seis regiões, prejuízos chegam a R$ 3,95 bi somente na bovinocultura de corte, especialmente no Norte
19/10/2017
No Norte, pecuária e agricultura somam prejuízos de R$ 3 bilhões
A bovinocultura de corte perdeu R$ 2,52 bi em 2017
19/10/2017
No Noroeste, danos somam R$ 923,6 milhões
Na região Noroeste de Minas Gerais, os prejuízos causados pela seca em 2017 estão estimados em R$ 923,6 milhões. A escassez tem prejudicado severamente a agricultura....
19/10/2017
Jequitinhonha e Mucuri enfrentam crise hídrica
A escassez hídrica, além de prejudicar as lavouras anuais, também tem afetado as culturas perenes. Nas regiões do Jequitinhonha e Mucuri, a produção de...
19/10/2017
População do Jaíba sofre com a falta de água
Também no Norte de Minas, o município de Jaíba vem enfrentando perdas severas com a estiagem. A seca já inviabilizou a produção agrícola e...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.