22/07/2018
Login
Entrar




Opinião

10/07/2018

Sinal de Alerta

RUBENS HANNUN *
Email
A-   A+
As nações árabes são um mercado demandante de 450 milhões de pessoas espalhadas por 22 países com perspectiva de crescimento e que, desde meados da década passada, vêm acelerando as compras do Brasil graças a um trabalho exemplar de entidades, empresas e do governo brasileiro para construir uma boa reputação do nosso País. Nesse período, essa relação evoluiu tremendamente. Hoje os árabes são a quarta parceira comercial do Brasil no exterior, compram de nós no ano cerca de US$ 13,5 bilhões em carnes, minérios, grãos e máquinas e ainda são responsáveis por 10% do superávit recorde de US$ 60 bilhões obtido com as vendas externas no ano passado. Não é pouco!

Mas a relação que o Brasil construiu com esse valioso mercado foi sistematicamente abalada por uma série de eventos que têm maculado a imagem de nossas instituições e até da nossa indústria de modo que hoje há uma clara ameaça. No ano passado, a Operação Carne Fraca levou dúvidas sobre a eficiência da defesa sanitária brasileira e sobre a qualidade do nosso produto, que até aquele momento gozava de excelente reputação. Essa situação foi contornada com um grande trabalho setorial no sentido de convencer autoridades brasileiras a dialogar com os países árabes. No entanto, meses mais tarde, a Operação Trapaça levou novamente suspeitas sobre a sanidade do frango brasileiro e sobre a governança em uma das empresas mais importantes do Brasil, que tem, ou pelo menos tinha, marcas bem posicionadas no Oriente Médio e operações industriais na região.

Por fim, a greve dos caminhoneiros, que, não bastasse ter causado prejuízos à indústria avícola de bilhões de reais, enfraqueceu o setor exportador com o cancelamento de benefícios fiscais e travou as exportações. Não há dúvidas de que o episódio levou nossos clientes no exterior a questionar se de fato podemos ser fornecedores confiáveis e capazes de manter um fluxo de comércio constante a preços competitivos. Ressalte-se que esse temor é ainda mais levado a sério quando se trata dos árabes, para quem o Brasil é o fornecedor de alimentos que não podem produzir para nutrir suas populações, que tem uma das maiores taxas de natalidade do mundo. Logo, árabes não podem ficar sem um bom fornecedor de comida.

Não há como dizer em meias palavras, mas a credibilidade do Brasil perante os árabes está em xeque. E certamente também perante outros países. Quando não se pode confiar num fornecedor, a saída é buscar outros e, se não há, é preciso ao menos tentar diminuir a dependência dele. A Arábia Saudita vem fazendo isso, ao favorecer a importação de bovinos vivos num esforço de fortalecer sua indústria frigorífica, gerar empregos locais, renda e elevar a disponibilidade de alimentos. Além disso, o país, ao questionar o certificado halal do nosso frango, como vem fazendo desde o ano passado, dá um sinal claro de que gostaria de diversificar seus parceiros e até atrair capital disposto a investir localmente na produção de alimentos em acordo com os preceitos do islã.

Também fora dos seus territórios, os árabes estão usando os 40% do capital mundial de fundos soberanos no mundo em seu poder para garantir a oferta de alimentos com a aquisição de participações em grandes empresas do setor, inclusive brasileiras. O mais recente movimento dessa natureza foi o do grupo saudita Almunajem, desde 2013 acionista minoritário da gigante francesa de aves Doux e que, recentemente, anunciou um aporte milionário na empresa junto com a LDC para ampliar fábricas na França que vão competir com o frango brasileiro no mundo árabe. É preciso estar atento aos sinais!

As entidades setoriais brasileiras estão comprometidas com a ampliação das vendas externas em diferentes frentes, muitas das quais envolvendo cooperação estreita com governo brasileiro. Mas a promoção do Brasil no exterior deve ser entendida como uma política de Estado que tenha como princípio a realização contínua de todos os esforços possíveis na manutenção e conquista de relacionamentos estratégicos, como é o caso dos países árabes. As oportunidades do mundo árabe não podem mais ser consideradas pontuais. Ao contrário, devem ser vistas como essenciais à nossa economia e à segurança alimentar do mundo.

* Presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
EDITORIAL | Muito além da imaginação
Descer mais fundo a estas alturas parece quase impossível. No último final de semana, duas salas do Ministério do Trabalho, num daqueles prédios projetados por Oscar...
21/07/2018
Estabilização da Jurisprudência
Fala-se que, no Japão, marcado por cultura resistente à litigiosidade, as carreiras jurídicas deixaram de ser promissoras. As pessoas lá tendem a resolver seus...
21/07/2018
Vez do leitor
“Comungar de seu desabafo, é também uma forma de alento.” (Jair Barbosa da Costa, escritor) O espaço do comentário é ocupado hoje por...
21/07/2018
O que a greve dos caminhoneiros ensinou
A greve mexeu com a cabeça dos brasileiros mais uma vez. E independentemente de sua opinião acerca do assunto, é notório como o poder da população, quando...
20/07/2018
EDITORIAL | Contas que não fecham
As proporções do desequilíbrio das contas públicas no Estado, assunto de recente comentário neste espaço, parece não ter sido percebida em toda a...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.