Publicidade
25/05/2018
Login
Entrar

Legislação

06/02/2018

SRT/MG encontra 40 trabalhadores em condições de escravo

Da Redação
Email
A-   A+
A Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais (SRT/MG), por meio do Projeto de Combate ao Trabalho Análogo ao de Escravo, em operação conjunta com o Ministério Público do Trabalho e a Polícia Rodoviária Federal, encontrou 40 trabalhadores em condições análogas à de escravo laborando e alojados em situação degradante em uma fazenda localizada na zona rural do município de Santa Bárbara do Monte Verde, na Zona da Mata. Dedicada ao corte e empilhamento de toras de eucaliptos, o empreendimento fiscalizado oferecia a mão de obra de seus empregados para uma siderúrgica multinacional em Minas Gerais. A ação que alcançou 133 trabalhadores foi concluída no fim de janeiro.

No decorrer da operação, os auditores comprovaram terceirização ilícita e responsabilizaram a siderúrgica que não reconheceu o vínculo trabalhista com os trabalhadores, apesar de ter arcado com o pagamento dos valores referentes às verbas rescisórias. A ação resultou na expedição de guias de seguro-desemprego a todos os resgatados, pagamento das verbas rescisórias devidas aos trabalhadores, um montante de cerca de R$ 480.000,00 e emissão de 31 autos de infrações. O grupo siderúrgico também custeou a hospedagem e as passagens de volta dos operários para suas cidades de origem.

A equipe de fiscalização chegou ao local a partir de denúncia apresentada à Gerência Regional de Juiz de Fora, na Zona da Mata, pelo Ministério Público do Trabalho. In locu, os fiscais constataram que os trabalhadores foram aliciados por “gatos” (intermediadores de mão de obra) e eram submetidos às condições degradantes de trabalho (uma das modalidades do crime de submissão ao trabalho análogo à de escravo). Arregimentados nas cidades de Curvelo, Teófilo Otoni, Várzea da Palma, Pirapora e Jequitaí, no Norte de Minas Gerais, os trabalhadores ainda tiveram os documentos retidos pelo empregador.

De acordo com o relatório da ação fiscal, o descaso e a precariedade a que foram submetidos os trabalhadores, ficou evidente no modus operandi da contratação. “Desde o recrutamento realizado, através de interpostas pessoas, cujos “gatos” identificados ao longo da fiscalização não deixaram dúvidas desta prática em seus respectivos depoimentos, trazendo fortes indícios de cometimento do crime de tráfico de pessoas, passando pelo descontrole da jornada de trabalho, com atividade aos domingos e feriados e ignorando os descansos semanais obrigatórios, até no encerramento dos contratos de trabalho sem os devidos acertos rescisórios”, destalha
Em decorrência da situação degradante, a equipe fiscal decidiu pela caracterização da submissão destes trabalhadores à condição análoga a de escravo. “A situação mais grave apurada pelos auditores refere-se à saúde e segurança dos trabalhadores, desde a admissão sem os devidos exames médicos admissionais às condições dos alojamentos e áreas de vivência em péssimas, condições,” aponta o relatório.

Alojamentos - Conforme descrições no relatório, degradantes, os alojamentos, além da sujeira e acúmulo de lixo visível, apresentavam mau cheiro insuportável, com fezes de animais (gatos e cachorros) que vinham se alimentar dos restos de comidas jogados em volta das casas.

Além disso, o empregador não disponibilizava agua potável nos alojamentos e frentes de trabalho. “Os trabalhadores tomavam água diretamente da torneira, sem filtragem. Inclusive na frente de trabalho não tinha possibilidade de reposição da água que era levada dos alojamentos, mesmo sem filtragem”. Os garrafões de água eram mantidos distantes dos trabalhadores, que precisavam percorrer cerca de 500 metros em terreno íngreme para bebê-la, sem copo descartável ou individualizado, aumentando o risco de transmissão de doenças.

A equipe fiscal constatou também que o empregador não fornecia adequadamente os Equipamentos Proteção Individual, obrigatórios por lei, como botas, luvas e perneiras expondo os operários a acidentes. “As botinas ofertadas sequer tinham ponteiras de metal, aumentando o risco de acidentes com as pesadas toras de eucaliptos e as perneiras não protegiam contra as picadas das cascavéis cuja existência foram relatadas pelos trabalhadores,” menciona o relatório.

Para piorar a situação, os empregados eram transportados num ônibus, juntamente com ferramentas perfuro-cortantes como foices e motosserras, além de gasolina, com risco constante de acidentes. O descaso para com os obreiros ficou evidenciado pela negligência a dois trabalhadores vítimas de acidentes de trabalho, mantidos no alojamento, sem emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) ou realização de investigação e análise das situações de trabalho que os geraram.

Nos próximos dias, a Seção de Fiscalização do Trabalho da SRT/MG vai encaminhar a documentação referente aos procedimentos realizados na operação ao Ministério Público do Trabalho e ao Ministério Público Federal.  As informações são da SRT/MG.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

25/05/2018
Trabalho intermitente é regulamentado
Portaria prevê que autônomo poderá prestar serviços a mais de um contratante em horários distintos
25/05/2018
Agenda Tributária Estadual 25/04 | SAGE
Histórico Esta agenda contém as principais obrigações a serem cumpridas nos prazos previstos na legislação em vigor. Apesar de conter, basicamente,...
25/05/2018
Processos na Justiça caem 26,44%
São Paulo - O número de processos ajuizados na Justiça do Trabalho atingiu a marca de 152.761 em abril, aponta levantamento do Tribunal Superior do Trabalho (TST). O volume...
24/05/2018
Ministério planeja aumentar segurança jurídica de reforma
Medidas em estudo dispensam aval do Legislativo
24/05/2018
Conselheira do Cade pede condenação da Mitsubishi e da Toshiba
Brasília - A conselheira relatora Polyanna Vilanova, do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), votou ontem pela condenação da Mitsubishi Eletric...
› últimas notícias
Indústria enfrenta falta de matéria-prima
Oferta de alimentos está comprometida na Capital
Machado comandou sobre cinco pilares
Flávio Roscoe, do setor têxtil, assume presidência da Fiemg
Copasa deve emitir debêntures no valor de R$ 700 milhões
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


25 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.