17/08/2018
Login
Entrar

Negócios

14/06/2018

Sterna Café inaugura unidade na Capital

Empreendimento da rede de cafeterias no bairro Estoril recebeu um investimento de R$ 400 mil
Juliana Baeta
Email
A-   A+
Deiverson Migliatti estima um faturamento de R$ 12 mi/Divulgação
Belo Horizonte recebeu na terça-feira (12) sua primeira unidade da Sterna Café, única rede de franquias de cafeterias homologada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). Com opções de cafés do mundo inteiro e várias formas de extração que vão além do cafezinho, o produto da casa é um café mineiro. Nada mais natural, então, do que a rede firmar residência no Estado, depois de se consolidar em São Paulo com 22 lojas abertas e o total de 35 unidades considerados os contratos assinados e as lojas em obras.

Para abrir sua primeira unidade na capital mineira o investimento foi em torno de R$ 400 mil, por se tratar de uma loja grande. Mas a rede oferece diversos modelos de negócios, incluindo o de quiosques e carrinhos, que demandam investimentos menores, a partir de R$ 99 mil. Além disso, as facilidades para o franqueado são muitas, como o financiamento por meio de parceiros e bancos privados, caso ele não possa utilizar recursos próprios. O retorno do investimento costuma chegar em 24 meses, e a média mensal de faturamento bruto por unidade é de R$ 70 mil.

Com faturamento de R$ 10 milhões em toda a rede no ano passado, a projeção para este
ano é de R$ 12 milhões. “Acredito que este crescimento se dá pelo nosso modelo de negócios, que utiliza diferentes formas de extração do café, que conta com cafés do mundo todo, e isso faz com que as pessoas se interessem e queiram experimentar. Outro fator que impulsiona este crescimento são os novos franqueados, que estão vendo que o mercado de cafés está crescendo”, explica Deiverson Migliatti, que fundou a Sterna Café em 2015.

Os principais produtos oferecidos nas lojas são o tradicional expresso, o ristretto, machiatto, cappuccino e o chocolate belga. Para preparar os cafés a rede utiliza métodos diferentes como a french press e o HarioV60. Além disso, uma vez por mês, a cafeteria oferece ao público uma opção inédita de grãos de diversos locais do mundo, como por exemplo, da África do Sul, Costa Rica, Etiópia, Panamá, entre outros.

“Começamos por consolidar a rede por São Paulo, e a minha vontade em abrir fora de lá era Minas Gerais, porque o mineiro é um bom consumidor de café, ele entende de qualidade. Além disso, todo mês eu trago um café de alguma parte do mundo e isso instiga o consumidor experimentar cafés diferentes, novos sabores”, conclui Migliatti.

Novas tecnologias - A partir do segundo semestre, a rede vai implantar em suas unidades algumas inovações que vão aliar a experiência de se tomar um café à praticidade de contar com a tecnologia para agilizar este processo. Por exemplo, será lançado um serviço em que o cliente poderá pedir o seu café, quando ainda estiver no carro, preso no trânsito, pelo aplicativo da marca ou pelo site. Também serão disponibilizas opções alternativas de pagamento do produto, como por QR Code. E as novidades não devem parar por aí. A rede tem a inovação como prioridade e, por isso, investe anualmente R$ 100 mil em tecnologia para deixar a empresa sempre atualizada neste setor.

Leia também:
BNDES e ABF lançam projeto para franquias
Gigatron busca expansão em cidades do interior


Expansão -  A unidade recém-inaugurada em BH e assumida pelas franqueadas e irmãs Adriana e Fernanda Melo está localizada no topo do Complexo Empresarial Paisagem, no bairro Estoril, e funciona de segunda a sexta, das 7h às 19h. Mas esta não deverá ser a única unidade na capital mineira por muito tempo. Até o fim do ano, a cidade deve ganhar uma nova cafeteria Sterna.

“Já temos bastante candidatos a franqueados em Minas. Depois que ganhamos o prêmio de excelência da ABF, muitos interessados mineiros apareceram. Acredito que até o fim de este ano, pelo menos mais uma unidade seja aberta em BH”, conta o fundador da marca, Deiverson Migliatti.

Sustentabilidade - O empresário também explica que a identidade visual das lojas tem uma pegada sustentável que é bem atraente ao consumidor. “Usamos chapas de contêiner nas paredes, nossas poltronas são de sacas de café e lona de caminhão, o que remete bem a essa coisa de viagem, de trazer cafés de todos os lugares, que é o nosso mote, assim como as prateleiras repletas de coisas que trazemos de nossas viagens, como os próprios cafés e algumas bebidas exóticas que vem de outros países. Todo esse ambiente torna a experiência de consumo bem agradável para o cliente”, finaliza.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/08/2018
Alto número de animais aquece o setor em Minas
Estado concentra 10 mil empresas
17/08/2018
Lojas inovam na prestação de serviços
Há uma série de estratégias para se driblar a concorrência e sair na frente, segundo a analista do Sebrae, Simone Lopes. Não se trata de uma...
15/08/2018
Camicado investe R$ 3 milhões em BH
Rede abriu sua oitava loja própria em Minas Gerais no Shopping Del Rey, na região Noroeste da Capital
15/08/2018
Casa do Construtor estima um faturamento 15% maior neste ano
Especializada na locação de máquinas e equipamentos de pequeno porte para a construção civil, a paulista Casa do Construtor confia na retomada da economia e,...
15/08/2018
Rede Pay investe R$ 100 mi em franquia de meios de pagamento
Rede pretende ter 50 unidades em MG
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.