Publicidade
23 de May de 2017
Login
Entrar

DC Franquia

06/04/2017

Sudeste é alvo da potiguar Wayne's Burger Star

Rede deve abrir 5 lojas na região
Daniela Maciel
Email
A-   A+
Investimento médio mínimo para a abertura de uma unidade da Wayne?s Burger Star é calculado em R$ 290 mil/Divulgação
Dona de um estilo próprio, a hamburgueria potiguar Wayne’s Burger Star se prepara para alcançar os mercados da região Sudeste e tem em Belo Horizonte um dos focos principais. Com 14 lojas no Nordeste, nos estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba, Ceará e Piauí, a rede tem a perspectiva de faturar R$ 20 milhões neste ano. A meta é abrir, pelo menos, cinco unidades no Sudeste até o fim de 2017.

De acordo com o fundador da rede, Jozimar Júnior, já existem interessados em Minas Gerais. A intenção de vir para o Sudeste faz parte de um planejamento feito desde o início das operações em Natal (RN), em 2013. “Começamos já com o objetivo de nos tornamos franqueadores. Agora a expansão para o Sudeste é um passo natural. Em termos de custos logísticos é mais fácil chegar às capitais do Sudeste do que em algumas do próprio Nordeste. Vamos focar primeiro nas capitais, mas é claro que vamos observar as oportunidades. A região possui muitas cidades com alto IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) que comportam mais de uma operação, além das capitais”, explica Jozimar Júnior.

A logística é um dos pontos críticos do negócio. Todos os insumos que caracterizam o negócio, como os hambúrgueres, queijos e molhos, são enviados de Natal por meio rodoviário ou aéreo. Já ingredientes cuja procedência não é determinante são comprados localmente de fornecedores homologados. Alguns itens, como bebidas, têm parceria com fornecedores nacionais.

O nome da casa reflete a paixão dos donos pelo cinema e pela gastronomia. O estilo propõe o conceito de “comfort food”, em que “o ‘fast’ não é tão ‘fast’ assim”, diverte-se o empresário, que continua: “Buscamos um diferencial nos produtos e no atendimento. Primamos pela qualidade e por um comportamento menos engessado. Algumas pessoas nos definem como ‘gourmet’, mas essa palavra já ficou banalizada. O que queremos é entregar ao cliente uma experiência completa, em que ele sinta uma dedicação especial na escolha dos ingredientes, na formulação dos pratos, no ambiente e no atendimento”, destaca o fundador da Wayne’s.

O investimento médio mínimo para a abertura de uma unidade é calculado em R$ 290 mil e o candidato pode escolher entre modelo de rua, com salão e outros atrativos como espaço “kids”, ou o modelo mais compacto, ideal para shopping centers.

A preferência é por franqueados operadores. “Queremos franqueados que captem a essência do negócio, não pensem nele apenas como um investimento. Ter uma franquia é como estabelecer um matrimônio, então não temos um perfil baseado em idade, mas sim em engajamento”, define o empresário.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/04/2017
Rede Diniz planeja faturar primeiro bilhão em 2017
Pronta para alcançar seu primeiro bilhão de reais em faturamento, a rede Óticas Diniz, mantém, apesar dos percalços da economia nacional, um ousado plano de...
26/04/2017
Orthocrin vai inaugurar 30 lojas
Com 83 unidades no Brasil, empresa projeta fechar o ano com 112 franquias
26/04/2017
TRC promove economia na conta de água
Economizar água, principalmente em países como o Brasil, onde a cultura da economia e valorização desses recursos ainda caminha a passos de tartaruga, é tarefa...
25/04/2017
Zak cria marca para o setor de franquias
Meta é fechar o ano com 10 lojas Zak One, distribuídas na Capital e também no interior do Estado
19/04/2017
Rede especializada em design de cílios e sobrancelhas desembarca em BH
Criada há 10 anos em Portugal, a marca Wiñk, especializada em design de cílios e sobrancelhas, desembarca em Belo Horizonte com um quiosque no Boulevard Shopping, na...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.