Publicidade
21/11/2017
Login
Entrar

DC RH

04/08/2017

Super Estágios vai abrir três unidades em Minas Gerais

Daniela Maciel
Email
A-   A+
Considerada uma das principais portas de entrada para o mundo do trabalho para os estudantes, o estágio pode ser para as empresas uma forma barata de ter acesso a uma mão de obra atualizada e ajudar a formar um banco de talentos. Unir as duas pontas, porém, nem sempre é uma tarefa fácil. Em tempos de crise, as empresas estão cada vez mais preocupadas com a operação, sem tempo e pessoal para se dedicar à criação de um plano de estágios eficiente. Do outro lado, estudantes e jovens profissionais se perdem facilmente no emaranhado de anúncios e nem sempre encontram a oportunidade ideal.

Para oferecer uma solução on-line e ágil, a Super Estágios resolveu compartilhar a experiência acumulada em oito anos com unidades próprias e fazer a sua expansão pelo modelo de franchising. Já são sete unidades, uma delas recém-inaugurada na capital mineira. A expectativa é de chegar ao final do ano com 20 operações, sendo mais três em Minas Gerais, provavelmente nas regiões Norte, Sul e na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O investimento médio previsto para abertura de uma unidade é de R$ 170 mil.

De acordo com a diretora da Super Estágios, Poliana Ferraz, a plataforma já tem 1 milhão de estudantes cadastrados gratuitamente, sendo a metade deles ativos. “Quem paga são as empresas que nos contratam. Fazemos toda a gestão do programa de estágio, desde a divulgação de vagas, passando pelos relatórios, até a certificação e desligamento do estagiário. A franquia é a maneira que encontramos para fazer a captação das empresas localmente. Assim a nossa captação se torna regional e a oferta, nacional”, explica Poliana Ferraz.

Para conquistar os estudantes, que vão do ensino médio regular, passando pelos cursos técnicos, educação de jovens e adultos (EJA), educação a distância (EAD), até o ensino superior, a plataforma usa uma linguagem jovem, valorizando a participação em eventos, feiras estudantis e principalmente as redes sociais.

O duplo cenário que conjuga crise econômica e reforma trabalhista - que traz dúvidas e gera ansiedade em trabalhadores e empresários - não mudou os resultados da Super Estágios. A necessidade de prestar assessoria às pequenas empresas aumentou. “Essa conjuntura não afetou os nossos negócios. O mercado, na verdade, está aquecido. Muitas empresas perceberam que podem se beneficiar de um bom programa. Além disso, a Lei de Estágios não foi impactada pela reforma trabalhista. É certo que existem muitas dúvidas, mas nós podemos orientar tanto empresas como estudantes. Nosso objetivo é que essa relação seja boa para os dois lados”, afirma a diretora da rede.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

01/09/2017
Coaching é estratégico na recolocação
Adentrar em uma nova área significa começar a construir uma nova carreira praticamente do zero
01/09/2017
Cargos estão congelados em 2017, aponta pesquisa
Não é novidade que o brasileiro tem enfrentado desafios com o cenário político e macroeconômico. Nos últimos anos, o profissional viu redução...
01/09/2017
Terceirização inteligente traz benefícios
São Paulo - A terceirização inteligente pode trazer benefícios para as empresas e para o mercado. Segundo Diego Montenegro Beaujean, diretor da BK Outsourcing, uma das...
01/09/2017
Nova forma de aprendizado e qualificação
Há gerações seguimos a conhecida fórmula de crescimento profissional: formar na escola, entrar na universidade, concluir a graduação e emendar pós,...
24/08/2017
Selpe investe R$ 2 milhões em inovação
Recursos também foram direcionados para a expansão com a abertura de uma unidade em São Paulo
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.