19/07/2018
Login
Entrar




Negócios

17/05/2018

Supera inaugura unidade no Cidade Nova

Rede oferece método para melhorar habilidades como memória, concentração e raciocínio
Juliana Baeta
Email
A-   A+
Supera conta com 29 unidades em Minas Gerais e planeja a instalação de mais três franquias no Estado neste ano/Divulgação
Malhar o cérebro se tornou um negócio lucrativo no Brasil. Pelo menos é o que mostram os resultados da franquia Supera, uma espécie de academia de ginástica mental que propõe um método de estímulo ao cérebro para melhorar habilidades como memória, concentração, raciocínio e criatividade. Inaugurada recentemente no bairro Cidade Nova, na região Nordeste da Capital, a nova unidade é a quarta franquia em Belo Horizonte, sendo as outras localizadas na Pampulha, Caiçara (Noroeste) e Savassi (Centro-Sul). Atualmente, Minas conta com 29 unidades, mas estão previstas para este ano a instalação de mais três franquias, nas cidades de Unaí, Itabira, Cataguases, e mais uma capital mineira, no bairro Gutierrez, ainda sem data prevista.

O negócio nascido em São José dos Campos, São Paulo, em 2006, se transformou em uma rede de franquias para evitar concorrentes. “Por ser uma ideia muito inovadora, havia a consciência de que se o negócio desse certo seríamos copiados. Para nos proteger dessa possibilidade e manter nossa liderança de mercado, o plano de negócios previa a expansão pelo modelo de franquias, pois o crescimento próprio seria muito mais lento e deixaria a nossa liderança vulnerável”, explica o fundador e presidente da rede, Antônio Carlos Guarini Perpétuo.

A ideia surgiu para melhorar o desempenho do filho de Perpétuo na escola a partir do ábaco, instrumento milenar usado para fazer contas. A partir daí o negócio cresceu de forma a modificar os planos de expansão da empresa. Com o planejamento inicial de inaugurar 500 unidades em 15 anos – hoje a rede completa 12 anos -, ou seja, vender 33 franquias por ano, o crescimento se mostra bem além deste cálculo. Só este ano, a rede deve inaugurar 75 novas franquias em todo o Brasil, que já tem cerca de 300 unidades, sendo 250 franquias em operação, cobrindo todas as regiões.

Com um investimento inicial de R$ 119 mil a R$ 229 mil – dependendo do formato da franquia micro ou padrão – é possível ter o retorno do valor investido em um tempo razoável. Como a franqueada Liliana Fracon, que inaugurou sua unidade Supera em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em agosto do ano passado, e hoje já começa a ver os primeiros resultados do investimento. Com capacidade para 250 alunos, sua franquia conta com 60 matrículas de pessoas desde os 6 anos até a terceira idade. Segundo ela, a ideia de uma ginástica para o cérebro desperta a curiosidade e a vontade de estimular a mente.

“A nossa loja fica na rua e quando as pessoas passam e olham o letreiro de Supera – Ginástica para o Cérebro, elas sentem interesse em conhecer. Além disso, para divulgar o curso, nós participamos de várias feiras, eventos, visitamos empresas e escolas para mostrar o nosso trabalho. Mas também tem havido uma demanda de pessoas que procuram pelo curso na internet e encontram a nossa unidade, porque é algo que está sendo mais falado agora. Quando começamos, foi porque eu minha mãe estávamos procurando algo para investir e achamos bem interessante o método Supera. Vimos ali uma brecha no mercado, porque na região de Nova Lima, onde moro, não havia nenhuma unidade”, conta.

Formato - Com o máximo de 12 alunos por turma, dividida por faixa etária, o curso Supera tem duração de 18 meses, duas horas por semana. O valor varia de acordo com a região, mas pode ser comparável ao preço de uma conceituada escola de idiomas.

Método - O princípio de se treinar o cérebro baseia-se na premissa de que ele funciona no “piloto automático” quando acomodado. Para reverter isso, os exercícios propostos exigem pensamento, raciocínio e estímulo, desde ações como escovar os dentes com a mão não dominante e andar de costas, até utilizar o ábaco, apostilas com exercícios cognitivos, jogos de tabuleiro, jogos on-line, dinâmicas em grupo e as chamadas neuróbicas. Com isso, segundo o método, é possível desenvolver funções cognitivas, socioemocionais e éticas de modo a aplicá-las no dia a dia para melhorar a memória, estudar com mais atenção, passar em uma prova ou ampliar a capacidade de concentração.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/07/2018
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Algumas empresas apontam aumento no número de clientes, apesar de a crise ter impactado os negócios
19/07/2018
Brasil é o 2º país mais complexo da América Latina
Ranking foi elaborado pela IMF
19/07/2018
Google é multada em US$ 5 bilhões na Europa
Autoridades decidiram aplicar a penalidade por conta do uso do sistema Android para tirar rivais do mercado
19/07/2018
Domo Invest vai gerir fundo do BNDES para startups
Após processo de seleção envolvendo 14 concorrentes, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) definiu a Domo Invest como gestora do Fundo de...
19/07/2018
Ânima anuncia a compra de faculdade no Sul
São Paulo - A Ânima Educação anunciou ontem acordo para aquisição da Faculdade Jangada, em Jaraguá do Sul (SC), pelo valor de R$ 7,6...
› últimas notícias
Indústria pode recorrer à Justiça por repasse de verbas
Antecipação do abono anima CDL-BH
Em Minas, setor automotivo espera impulso com o Rota 2030
PBH cumpre 1ª etapa de auditoria
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.