Publicidade
30 de April de 2017
Login
Entrar

Minas 2032

11/11/2015

Superar gargalos para garantir a oferta

Luciane Lisboa
Email
A-   A+
Ao traçar o panorama da situação atual do agronegócio brasileiro - apresentação que abriu o seminário Minas 2032 - Agronegócio - Desafios e oportunidades, planejamento e estratégias -, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Roberto Simões, foi firme ao afirmar que o setor tem correspondido com o que se espera dele: mantendo o crescimento mesmo com o arrefecimento da economia. No entanto, os reflexos da crise que atinge o país já estão chegando ao campo.

"Não somos uma ilha e já começamos a sentir alguns efeitos da crise. A partir do momento que a economia arrefece, logicamente todos os setores são afetados. A gente já começa a pensar nas próximas safras, na elevação de custos que vai ocorrer. Enfim, em uma série de Àsenões" que deverão nos afetar negativamente nos próximos anos", afirmou.

Como o presidente da Faemg não considera a demanda um problema para o agronegócio, pelo menos até 2032, do lado da oferta ele aponta alguns desafios que precisam ser superados. O primeiro deles é o problema da infraestrutura. Caso não ocorra uma readequação do atual sistema de infraestrutura e logística brasileira, o setor não terá como crescer. "Já estamos praticamente no ponto limite", disse.

Por outro lado, ele avaliou que o recente lançamento na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) do programa chamado Sudeste Competitivo - patrocinado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) -, que faz parte de uma série de estudos visando melhorar a qualidade da infraestrutura e logística de todas as regiões do Brasil, "foi um grande alívio".

Trata-se, segundo Simões, de um estudo apurado que poderá ser usado pelos governos como indicador dos principais caminhos e investimentos que precisam ser feitos em rodovias, ferrovias e até mesmo hidrovias para favorecer o crescimento do País. "Agora, temos pelo menos uma base para estudar e planejar o futuro, porque da maneira como está não dá para continuar", ressaltou Simões.

Leia mais
Planejamento é fundamental
Brasil, historicamente, é um péssimo vendedor

Leia também

Brasil, historicamente, é um péssimo vendedor
Planejamento é fundamental
Manter-se em evolução é o maior desafio do agronegócio
Acesso ao conhecimento ainda é restrito no campo
Mais carinho com a atividade leiteira

Economia - Do ponto de vista econômico, o presidente da Faemg disse que, no âmbito do crédito rural, não haverá mais o mesmo crescimento projetado para a agricultura dos últimos anos. "Desde esta safra, já não há mais acesso a uma taxa de crédito com juros controlados.  aí que precisamos reestruturar a questão, porque com taxas livres leva-se à aplicação de taxas médias com valores não praticáveis pelo setor", explicou.

Outro problema é o seguro. Na opinião de Simões, é inimaginável uma agricultura do tamanho da do Brasil não ter seguro. "Ainda mais com todos os percalços e intempéries a que ela está sujeita, como questões biológicas e mercadológicas", disse. Porém, tem se falado sobre um novo seguro, que além de cobrir intempéries cobre também renda.

"Acho que agora começamos a pensar de forma correta. Acredito que tem grande futuro. O problema é que o prêmio pago pelo agricultor é muito salgado. Tínhamos a esperança de conseguir um subsídio federal ao prêmio. Mas, por razões que não carece comentar, isso não está acontecendo. Estão arranjando um subterfúgio de pagarmos 30% do prêmio e o restante se embute no financiamento do seguro. Pelo menos livra o empresário do agronegócio de um desembolso inicial alto, que muitos não terão", alertou.


Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

11/11/2015
Brasil, historicamente, é um péssimo vendedor
O presidente da Faemg disse ver com muita tristeza a condução da política externa no tocante ao agronegócio. "O Brasil historicamente é um péssimo...
11/11/2015
Planejamento é fundamental
Como não poderia ser diferente, o presidente da Faemg considera fundamental os investimentos em pesquisas de base tecnológica para o avanço do agronegócio. "Chamo a...
11/11/2015
Manter-se em evolução é o maior desafio do agronegócio
Futuro pautado na produtividade, agregação de valor, redução de perdas e desenvolvimento sustentável
11/11/2015
Acesso ao conhecimento ainda é restrito no campo
Como produtor rural, o diretor da Rehgagro Clóvis Correa acredita que o agronegócio tem papel importante na retomada do crescimento da economia brasileira nos próximos anos....
11/11/2015
Mais carinho com a atividade leiteira
Sobre a permanência de futuras gerações no campo, o empresário do agronegócio acredita que, no caso de Minas Gerais, é preciso olhar com muito carinho para...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.