17/07/2018
Login
Entrar




Política

13/04/2018

Supremo rejeita pedido de liberdade a Antonio Palocci

Ex-ministro está preso desde setembro de 2016
Reuters
Email
A-   A+
Os ministros do STF negaram, por sete votos a quatro, o habeas corpus para Palocci/ABr
Brasília - Por sete votos a quatro, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram rejeitar o pedido de liberdade ao ex-ministro Antonio Palocci, que está preso desde setembro de 2016 pelo juiz federal Sérgio Moro, no âmbito da Operação Lava Jato.

O julgamento do pedido de habeas corpus de Palocci - ministro dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff - foi retomado ontem, após longa discussão e início de votação na véspera com o placar na ocasião de quatro votos contra o ex-ministro.
A defesa do ex-ministro alega, como argumento principal, de que a prisão preventiva de Palocci - que dura mais de um ano e meio - é ilegal e que não haveria qualquer risco em colocá-lo em liberdade.

Votaram para rejeitar a liberdade do ex-ministro Edson Fachin, relator do caso, e os ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Celso de Mello e a presidente da Corte, Cármen Lúcia. Foram contrários Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello.

Na retomada do caso, Rosa Weber deu um rápido voto para rejeitar a concessão do habeas corpus de ofício, modalidade em que, mesmo não sendo tecnicamente cabível apreciá-lo, os magistrados analisam o mérito do pedido. Ela justificou que o fato de Palocci ter sido condenado no processo, depois da prisão, é motivo para mantê-lo detido.
“Não conheci do habeas corpus em função do título prisional, não teria como chegar à conclusão diversa em linha com o entendimento da Primeira Turma”, disse Rosa Weber, dando o quinto voto nessa linha.

O ministro Dias Toffoli abriu divergência e votou para colocar o ex-ministro em liberdade. Ele justificou sua posição com o argumento de que a prisão preventiva do ex-ministro por medidas cautelares diversas poderiam reduzir, de maneira substancial, a possibilidade de Palocci voltar a cometer crimes, conforme manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR).

“Reputo adequado e necessário outras medidas cautelares, que a meu ver, são possíveis para atenuar, de forma substancial, as medidas que levaram à prisão do paciente”, disse ele, ao destacar que consta que o último pagamento dito irregular ocorreu há três anos.
Toffoli disse também que informações de que ainda não foram recuperados recursos produto do crime se “traduzem em meras conjecturas” e que isso não é fundamento para se manter a prisão preventiva. “Descabe usar a prisão preventiva como antecipação de pena, que não foi sequer confirmada em segunda grau”, afirmou.

“Rima com o AI-5” - No voto mais contundente, Gilmar Mendes foi na mesma linha de Toffoli e avaliou que a decisão do STF, ao limitar o alcance do instituto do habeas corpus, fere a tradição da Corte constitucional e faz “rima com o AI-5”.

Gilmar Mendes afirmou que estão se valendo da prisão provisória para se forçar detidos a fazerem delação premiada. Ele deu uma alfinetada no ministro Luís Roberto Barroso, que esclareceu sua posição de que não se estava restringindo a atuação do habeas corpus, apenas defendendo a competência do STF de apreciá-lo sob determinadas circunstâncias.
“Aqui ninguém me dá lição nessa área”, rebateu Gilmar, sem citar diretamente Barroso. “Isso (o combate à corrupção) tem que se fazer na forma da lei, dentro do devido processo legal, não se pode fazer a prisão provisória para fazer delação, isso é tortura”, completou.

O voto que formou a maioria foi dado pelo decano do STF, Celso de Mello. Ele disse que não viu ilegalidade na ordem de prisão de Moro contra o ex-ministro. “A concessão de liberdade a Palocci representa risco efetivo ao processo”, destacou.

Celso também afirmou que houve movimentação de recursos de contas pessoais de Palocci, mesmo após ordem de bloqueio determinada pela Justiça. Segundo ele, esse bloqueio tinha por objetivo um eventual ressarcimento aos cofres públicos de recursos oriundo de crime.

Última a votar para manter o ex-ministro preso, a presidente do STF, Cármen Lúcia,  afirmou que os crimes praticados por Palocci foram cometidos às sombras, e que não seria possível inibi-lo por meio de medidas cautelares.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/07/2018
PF: Cristiane Brasil foi líder de organização criminosa
Helton Yomora ?não passa de fantoche do PTB?, aponta relatório
17/07/2018
Justiça bloqueia R$ 3,1 mi de Crivella e 8 investigados
Ação mira supostas fraudes do prefeito na época em que era ministro
17/07/2018
Sede do Ministério do Trabalho foi invadida
Brasília - Pelo menos duas salas do edifício-sede do Ministério do Trabalho foram invadidas e os móveis foram revirados durante o último fim de semana, de...
17/07/2018
Cármen Lúcia assumirá Presidência da República com viagem de Temer
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia , assumirá interinamente a Presidência da República durante a viagem do presidente Michel...
17/07/2018
Procuradores do Brasil e Argentina fazem acordo de delações premiadas
São Paulo - Um acordo de cooperação judicial firmado entre as procuradorias-gerais da República brasileira e argentina oficializa que os tribunais do país...
› últimas notícias
Prado Shopping não deve ser inaugurado até 2020
MPF pede cassação de fase 3 do Minas-Rio
Arrecadação estadual registra redução de 13,4%
Produção de minério de ferro da Vale recua em Minas Gerais
Vale D'ouro investe R$ 15 mi para atender mercado externo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.