23/07/2018
Login
Entrar




Política

06/12/2017

Temer aposta na aprovação da reforma

Presidente acena com a liberação de recursos para as prefeituras para garantir votos a favor da PEC
Reuters/AE
Email
A-   A+
Maia acredita que a base aliada vai garantir os 308 votos necessários para aprovar PEC/Ueslei Marcelino/ Reuters
Brasília - O presidente Michel Temer disse ontem que o “ambiente está muito bom” e que há “esperança” para se votar a nova versão da reforma da Previdência no plenário da Câmara. Segundo o presidente, os partidos da base têm indicado que devem fechar questão em favor da proposta. Isso significa que os deputados têm de seguir a orientação partidária, sob pena de serem punidos até mesmo com a expulsão da legenda.

Essa sugestão de fechamento de questão foi feita em reunião promovida por Temer no fim de semana com presidentes de partidos.

Questionado sobre o que teria feito o clima mudar, o presidente disse que, primeiro, houve um “bom esclarecimento” sobre a reforma porque ocorreu uma campanha equivocada contra o texto. “Nós conseguimos transmitir exatamente aquilo que vai acontecer com a Previdência”, disse, em rápida entrevista em meio à recepção que fez ao presidente da Bolívia, Evo Morales.

O presidente disse que sente que a população está compreendendo a “indispensabilidade” da reforma da Previdência. Segundo ele, ou se faz uma reforma agora e outra dentro de oito a dez anos, ou terá de ser feita uma daqui a dois anos “inteiramente radicalizada”.

Apesar do otimismo, Temer não quis garantir que a proposta será votada em primeiro turno na Câmara dos Deputados na próxima semana. Disse apenas que está “conversando muito”, mas destacou que só quer apreciar a matéria se tiver votos, como tem defendido o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

São necessários os votos de 308 dos 513 deputados em dois turnos de votação para aprovar a reforma na Câmara e encaminhá-la ao Senado, que também precisa analisar a matéria.

O presidente admitiu que o governo poderá garantir um novo aporte bilionário de recursos para prefeitos, caso a reforma da Previdência seja aprovada. Essa é uma das estratégias do Executivo para tentar assegurar apoios para a reforma. Ele disse que, desde o ano passado, houve a divisão de repasse das multas da repatriação com os prefeitos.
“Se a Previdência for aprovada, evidentemente que a economia vai ter um novo salto, porque salto ela já deu e com esse novo salto nós podemos prestigiar mais ainda os municípios. Já falamos isso a deputados e senadores”, disse.

Na linha do que disse mais cedo o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, Temer não quis polemizar com as declarações dadas pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, de que o governador de São Paulo, o tucano Geraldo Alckmin, pode não ser o candidato apoiado pelo Palácio do Planalto na eleição presidencial do ano que vem.

Meirelles, filiado ao PSD, não descarta ser candidato à Presidência em 2018 e afirmou que tomará uma decisão sobre a candidatura no final de março do ano que vem. “Ele (Meirelles) fez uma declaração, enfim, de acordo com as concepções dele, mas nada agressivo com o PSDB. Não achei que a fala dele tenha sido agressiva em relação ao PSDB. Foi uma análise, digamos, sociológica”, afirmou.

Leia também:
Apoio da base aumentou, diz Eliseu Padilha
PMDB já decidiu fechar questão
Centrais sindicais fazem protesto em todo o País


Conta - Rodrigo Maia enfatizou que a PEC da reforma da Previdência não será pautada enquanto as condições não forem favoráveis ao governo. “Vamos fazer conta primeiro para ver se a gente tem número. A gente não vai a voto sem número”, declarou ao chegar em seu gabinete na tarde de ontem. Como se trata de alteração constitucional, o governo precisa de 308 votos para aprovar a proposta em dois turnos.

Considerado um avalista da proposta, Maia disse estar seguro que a base aliada terá votos suficientes para aprovar a PEC, mas que não sabe ainda se pautará o tema já para a próxima semana.

Questionado sobre a possibilidade de fechamento de questão na bancada do DEM, Maia disse que um partido historicamente defensor de um Estado com contas ajustadas apoia a reforma e que conversando, o DEM terá um número expressivo de votos pró reforma. “O DEM tem votado majoritariamente com a orientação do líder e do presidente sem fechar questão. Acho que, conversando, o DEM terá um número bem grande de parlamentares votando a reforma da Previdência”, desconversou.

No momento em que o governo pressiona os líderes partidários a obrigar seus liderados a votar a favor da PEC, Maia admitiu que, se a bancada do PSDB fechar questão, outros também devem seguir o exemplo dos tucanos.

Maia disse que ainda não sabe se aumentou a margem de votos a favor da PEC, mas que os partidos ainda estão conversando internamente. “Tenho muita esperança que a gente possa votar este ano. Essa matéria será votada em algum momento. Quanto mais distante do dia de hoje, maior será a necessidade da reforma, mais dura será a reforma”, previu.

O parlamentar destacou que não há espaço no calendário para que o tema tenha condições de ser votado no Senado em 2017, uma vez que as atividades legislativas se encerram em poucas semanas.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
TJMG nega pedido de soltura de Azeredo
Ex-governador pleiteou relaxamento da prisão até o julgamento de recursos em instâncias superiores
21/07/2018
Apoio do Centrão dá fôlego a Alckmin
Aliança está longe de colocar o ex-governador paulista em situação confortável no pleito de outubro
21/07/2018
Candidatura de Ciro é oficializada
Brasília - O PDT oficializou na sexta-feira (20) a candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República na sede do partido em Brasília. Diante da...
21/07/2018
PT quer Josué na chapa de Pimentel
São Paulo - O PT vai trabalhar para que o empresário Josué Gomes (PR) não aceite ser candidato a vice-presidente na chapa do ex-governador paulista Geraldo Alckmin...
21/07/2018
Ex-governador do Mato Grosso do Sul é preso pela Polícia Federal
São Paulo - A Polícia Federal prendeu na sexta-feira (20) o ex-governador do Mato Grosso do Sul André Puccinelli (MDB) , seu filho André Puccinelli Júnior e um...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.