Publicidade

Sucesso Empresarial

04/03/2016

Tempos difíceis I Mudança necessária

José Luis Poli
Email
A-   A+
O mundo atual passa por processos de transformação velozes e radicais, que impõem às empresas condutas cada vez mais inovadoras e heterodoxas.

A busca por desempenho superior, através da diferenciação, levou algumas empresas a sofisticar seus modelos de gestão, inflando custos, com ofertas de produtos e serviços que nem sempre obtinham o reconhecimento esperado dos clientes.

Há um forte movimento de retorno ao básico bem feito, substituindo o tamanho pela agilidade, o foco no produto pelo foco no cliente e o desempenho a qualquer custo pelo desempenho sustentável.

Mesmo parecendo ser simples o conceito de ser bom no que é básico, a grande dificuldade está em colocá-lo em prática de forma eficaz e competitiva.

Neste contexto, as lideranças mais valorizadas são aquelas que conseguem antever os momentos de incerteza e desenvolver métodos profiláticos de fortalecimento da empresa.

Quando isso não ocorre, muitas vezes a mudança necessária, na busca da eficiência operacional, obriga o gestor a uma conduta normalmente vista como desagradável e impositiva.

Racionalização dos quadros funcionais, fechamento de fábricas, venda de unidades de negócios, reorganização do portfólio de atividades e produtos, cortes de custos, eliminação de privilégios.

Trata-se de tarefa árdua e antipática, semelhante à de um cirurgião que, para manter o paciente vivo, se vê obrigado a amputar-lhe um membro. O impacto da ação e a lembrança do resultado dificilmente são esquecidos.

Diversas empresas, como consequência, investem em programas de transformação da cultura organizacional, de forma a alterar comportamentos e reconstruir toda a organização, na construção da revitalização. Para viabilizar essa mudança é fundamental que as pessoas estejam confiantes e se sintam comprometidas.

A tarefa de revitalização da empresa deve vir acompanhada de um sentimento coletivo de superação, de ganho de energia, capaz de sustentar as melhorias ininterruptas e gerar resultados consistentes e duradouros.

Descobrem-se talentos e estimulam-se carreiras. Valorizam-se as pessoas e promove-se o desenvolvimento de uma cultura de transformação do modelo mental, buscando fazer mais com menos. Oxigenam-se as estruturas, mesclam-se competências.

É difícil, mas necessário, ao líder, nos momentos de incerteza, ter o equilíbrio adequado para bater e assoprar.


*José Luis Poli
Diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios na Transpes
CEO na JLPOLI Consultoria & Marketing
jose.poli@transpes.com.br

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

01/04/2016
Como transformar clientes em fãs da sua empresa
Ser competitivo exige muito mais do que ter clientes. Muitas empresas estão transformando clientes em fãs ardorosos . Maribeth Kuzmeski, renomada consultora de várias...
30/03/2016
Cuidado, a onda agora é mais alta e pode nos derrubar!
Quem viveu os célebres anos de 80 e 90 curtiu a explosão do rock brasileiro, comemorou o nascimento do primeiro bebê de proveta no Brasil e assistiu à...
28/03/2016
O "Segredo" do sucesso da Ambev
Para alcançar resultados expressivos a Ambev mobiliza 46 mil funcionários, em 36 fábricas, em 16 países, fabricando 7 marcas de cerveja, 6 de refrigerante, 1 de...
14/03/2016
Na crise, devemos reduzir o preço?
O que fazer nesta crise implacável? Será que a melhor solução seria mesmo reduzir preços e custos? Antes de concluir de forma precipitada, recomendamos...
11/03/2016
Valor Excepcional: Como entregá-lo aos clientes
A definição tradicional de Valor é a relação entre as características e benefícios dos bens ou serviços e o seu preço. Como nem...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.