Publicidade
24/11/2017
Login
Entrar

Internacional

09/11/2017

UE propõe crédito e multas contra emissão de dióxido de carbono

Reuters
Email
A-   A+
Bruxelas - A União Europeia propôs ontem metas de emissões para veículos mais duras, incluindo um sistema de crédito para encorajar as montadoras a lançarem veículos elétricos, além de multas para punir quem exceder os limites de emissão de dióxido de carbono.

Mas o plano enfrenta dura oposição de países com grandes indústrias automotivas, e o ministro alemão de Relações Exteriores, Sigmar Gabriel, alertou na terça-feira que regras de emissões mais rígidas podem impactar negativamente o crescimento econômico e o emprego.

A proposta da Comissão Europeia visa limitar as emissões de gases de efeito estufa no transporte como parte de uma diretriz para reduzir as emissões em pelo menos 40% até 2030 ante os níveis de 1990.

O órgão executivo da União Europeia está interessado em legislações que estimulem a indústria europeia a desenvolver veículos elétricos, por medo de ficar para trás em relação a China, Japão e Estados Unidos.

“A competição está aqui”, disse o vice-presidente da Comissão, Maros Sefcovic, citando o uso de carros elétricos chineses por empresas de táxis de Bruxelas. “O carro foi inventado na Europa e acredito que deveria ser reinventado aqui.”

Frotas - A proposta pede uma redução de 30% em média na emissão de carbono nas frotas das montadores até 2030, ante os níveis de 2021. Ela também estabelece uma meta provisória de uma redução de 15% até 2025 para ajudar a garantir que as montadoras comecem a investir mais cedo.

Se violarem as novas regras, as montadoras, de acordo com a proposta, vão enfrentar potenciais multas de milhões de euros, com as penalidades estabelecidas em 95 euros para cada grama de CO2 acima do limite para cada novo veículo registrado no ano.

Em uma antecipação das duras negociações com os países-membros do bloco e o parlamento europeu, as montadoras consideraram as propostas ambiciosas demais, enquanto os ativistas ambientais e dos direitos dos consumidores afirmaram que não avançaram tanto como deveriam.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

24/11/2017
Investimentos corporativos elevarão PIB global em 3,8%
Dependência não será mais de emprego e consumo
24/11/2017
Amazon pode ter primeira greve na Itália
Milão, Itália - Funcionários do maior centro de distribuição da Amazon na Itália estão planejando realizar sua primeira greve hoje, informaram...
24/11/2017
Geração digital mergulha na economia
São Paulo - O ano que vem deve marcar a entrada definitiva dos “millennials” - a geração que já nasceu na era digital - como agentes relevantes na economia...
23/11/2017
Governos investigam Uber por encobrir violação de dados
Empresa pagou a hackers para destruírem informações roubadas
23/11/2017
Mulheres ganham 16,3% menos que os homens
A igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres é um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável para o mundo, a ser alcançado até 2030. No entanto, ainda...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.