Publicidade
16/01/2018
Login
Entrar

Internacional

10/03/2017

Uso da ciberespionagem pela CIA deve servir como alerta

Países estão vulneráveis a outros governos e ao crime organizado
Email
A-   A+
CIA norte-americana teve seus mecanismos de ciberespionagem divulgados pelo WikiLeaks/Larry Downing/Reuters
Genebra - As revelações do WikiLeaks sobre o uso que a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) faz de ferramentas de ciberespionagem mostram os riscos da vigilância em massa e fortalecem a defesa de uma regulamentação internacional, afirmou um especialista independente em privacidade da ONU.

O WikiLeaks publicou na terça-feira o que garantiu serem milhares de páginas de discussões internas da CIA sobre técnicas de invasão cibernética usadas ao longo de vários anos.

A CIA não quis comentar a autenticidade dos supostos documentos de inteligência, mas especialistas em cibersegurança consideraram que parecem ser autênticos.

Joe Cannataci, relator especial da ONU sobre o direito à privacidade, um cargo criado em 2015 após as revelações do ex-prestador de serviços de agência de inteligência dos EUA Edward Snowden sobre a vigilância praticada pelo país, disse não estar surpreso com as capacidades da CIA, mas que o caso enfatiza os riscos de segurança crescentes e a necessidade de uma supervisão eficiente.

“Provavelmente, a verdadeira história aqui é que alguém conseguiu entrar nos espaços supostamente seguros da CIA, extrair e publicar essas coisas”, disse à Reuters.

Leia também
Conselho defende o fim dos pesticidas agrícolas


Tratado internacional - Cannataci se reportou ao Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta semana e exortou os estados a trabalharem para criar um tratado internacional que proteja a privacidade das pessoas, apontando que as salvaguardas tradicionais se tornaram obsoletas na era digital.

A divulgação do WikiLeaks deu fôlego ao clamor por uma avaliação dos mecanismos de supervisão de inteligência e por seu reforço em todo o mundo, frisou.

“A história sobre as técnicas de hackeamento da CIA no WikiLeaks é mais uma prova, se alguma é necessária, de que as agências de inteligência e os dados que coletam, muitas vezes, são tão vulneráveis quando os de qualquer um e que elas não deveriam estar correndo o risco de coletar enormes quantidades de dados sobre todos nós de maneira indiscriminada”

Cannataci citou indícios de que informações coletadas por países, inclusive por meio da aquisição em larga escala e da vigilância em massa, estão cada vez mais vulneráveis a invasões virtuais de governos estrangeiros ou do crime organizado. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

13/01/2018
Superávit comercial do país com os EUA chega a US$ 275,8 bi
Valor em 2017 é 10% superior ao do ano anterior
13/01/2018
Trump renova acordo com Irã, mas aplica sanções por abuso de direitos humanos
São Paulo - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve o acordo nuclear com o Irã, que deve permanecer intacto por mais alguns meses, mas aplicou novas...
13/01/2018
Exportações sobem pelo décimo mês
Pequim - As exportações da China aumentaram pelo décimo mês consecutivo em dezembro, à medida em que a demanda externa por bens da segunda maior economia do...
12/01/2018
Potências apelam por acordo com o Irã
Líderes de países ao redor do mundo pedem a Donald Trump que mantenha o pacto nuclear
12/01/2018
Trump pressiona por vigilância na net
A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou ontem um projeto de lei para renovar o programa de vigilância na internet sem autorização judicial da Agência de...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.