Publicidade
24/08/2017
Login
Entrar

Internacional

10/03/2017

Uso da ciberespionagem pela CIA deve servir como alerta

Países estão vulneráveis a outros governos e ao crime organizado
Email
A-   A+
CIA norte-americana teve seus mecanismos de ciberespionagem divulgados pelo WikiLeaks/Larry Downing/Reuters
Genebra - As revelações do WikiLeaks sobre o uso que a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) faz de ferramentas de ciberespionagem mostram os riscos da vigilância em massa e fortalecem a defesa de uma regulamentação internacional, afirmou um especialista independente em privacidade da ONU.

O WikiLeaks publicou na terça-feira o que garantiu serem milhares de páginas de discussões internas da CIA sobre técnicas de invasão cibernética usadas ao longo de vários anos.

A CIA não quis comentar a autenticidade dos supostos documentos de inteligência, mas especialistas em cibersegurança consideraram que parecem ser autênticos.

Joe Cannataci, relator especial da ONU sobre o direito à privacidade, um cargo criado em 2015 após as revelações do ex-prestador de serviços de agência de inteligência dos EUA Edward Snowden sobre a vigilância praticada pelo país, disse não estar surpreso com as capacidades da CIA, mas que o caso enfatiza os riscos de segurança crescentes e a necessidade de uma supervisão eficiente.

“Provavelmente, a verdadeira história aqui é que alguém conseguiu entrar nos espaços supostamente seguros da CIA, extrair e publicar essas coisas”, disse à Reuters.

Leia também
Conselho defende o fim dos pesticidas agrícolas


Tratado internacional - Cannataci se reportou ao Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta semana e exortou os estados a trabalharem para criar um tratado internacional que proteja a privacidade das pessoas, apontando que as salvaguardas tradicionais se tornaram obsoletas na era digital.

A divulgação do WikiLeaks deu fôlego ao clamor por uma avaliação dos mecanismos de supervisão de inteligência e por seu reforço em todo o mundo, frisou.

“A história sobre as técnicas de hackeamento da CIA no WikiLeaks é mais uma prova, se alguma é necessária, de que as agências de inteligência e os dados que coletam, muitas vezes, são tão vulneráveis quando os de qualquer um e que elas não deveriam estar correndo o risco de coletar enormes quantidades de dados sobre todos nós de maneira indiscriminada”

Cannataci citou indícios de que informações coletadas por países, inclusive por meio da aquisição em larga escala e da vigilância em massa, estão cada vez mais vulneráveis a invasões virtuais de governos estrangeiros ou do crime organizado. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

24/08/2017
Ex-procuradora diz que vai provar corrupção de Maduro
Em Brasília, Luisa Ortega Díaz afirma sofrer ameaças de morte
24/08/2017
Janot vê em destituição ?estupro institucional?
Brasília - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot considerou, durante a reunião, que a destituição de Luisa Ortega Díaz do cargo de...
23/08/2017
Brasil recebe procuradora destituída
Luisa Ortega participa hoje de evento da PGR e maduro acusa País de abrigá-la
23/08/2017
Vice-presidente vinculado à Odebrecht não renunciará
Quito, Equador - O vice-presidente do Equador, Jorge Glas, afirmou ontem que não renunciará a seu cargo nem sairá do país, após ser vinculado ao escândalo...
23/08/2017
Acordo da Opep para reduzir oferta cai
Londres e Houston, EUA - O cumprimento do acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de aliados para reduzir a oferta da commodity diminuiu em...
› últimas notícias
Super Nosso investe R$ 48 milhões em logística
Vendas cresceram 7,5% no 1º semestre
FGTS injetou R$ 10,8 bilhões no comércio
Governo libera saque de R$ 15,9 bilhões do PIS/Pasep
Móveis rústicos: em Passos, setor fatura R$ 15 milhões
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Vodafone Brasil pode instalar um laboratório em Nova Lima
Médico mineiro cria clínica especializada em feridas e transforma a ideia em franquia
Indústria 4.0: as oportunidades de negócio de uma revolução que está em curso
PIB recuou 0,24% no 2º trimestre
Avianca retoma as operações em Confins
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


24 de August de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.