Publicidade
23/11/2017
Login
Entrar

DC Mais

19/04/2017

Venda de livros infantis tem aumento de 28%

Email
A-   A+
Brasília - Dados do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) mostram que o crescimento de vendas do gênero infantil em 2016, em relação a 2015, foi de 28%. Nesse mesmo período, o mercado geral de livros caiu 9,7%. Os dados tratam dos livros vendidos no varejo, em livrarias, e foram levantados a pedido da Agência Brasil. Ontem foi comemorado o Dia Nacional do Livro Infantil, data escolhida em homenagem ao escritor brasileiro Monteiro Lobato, que nasceu em 18 de abril, em 1882.

Embora as vendas tenham aumentado, as obras infantis ainda representam fatia pequena do mercado nacional de livros, 2,8% em 2016 - um aumento em relação aos 2% registrados em 2015.

“É muito importante saber que esses livros tiveram um crescimento, pequeno, mas significativo”, diz a secretária-geral da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, Elizabeth D’Angelo Serra. Para ela, os dados, que mostram os livros comprados em livraria, não refletem, no entanto, todo o acesso das crianças, que ocorre pela escola. As compras das escolas públicas, como não ocorrem no varejo, não entram no cálculo.

“Se pensarmos na maioria das crianças do País, sem dúvida, o acesso a livros infantis se dá na escola. Muitas nunca tiveram isso nas próprias famílias, têm pais e mães analfabetos e semianalfabetos”.

Na sala de aula - Nos lugares onde se tem acesso à literatura, os efeitos são positivos. Para Márcia Helena Gomes de Sousa Dias, professora do Centro de Educação Infantil (CEI) do Núcleo Bandeirante, região administrativa do Distrito Federal, os livros infantis têm papel fundamental na formação das crianças e ajudam inclusive no processo de alfabetização. A escola, além de ter momentos de leitura dos professores para os estudantes, incentiva as crianças e pegarem os livros, a inventarem histórias a partir das imagens. A intenção é que os livros estejam inseridos em todas as atividades, que se forem brincar, possam usá-los. E aprendam também a cuidar, a colocar no lugar.

Os livros, de acordo com Márcia, servem para que as crianças se familiarizem com as letras: “As crianças têm primeiro o trabalho visual. Começam a perceber nos livros de história que algumas letras fazem parte do nome dela, dos pais ou de colegas. É uma pré-alfabetização”.

Além de trabalhar a literatura na própria sala de aula, as escolas podem servir de incentivo para que a leitura chegue à casa dos estudantes.

Estudo da Universidade de Nova York, com o IDados e o Instituto Alfa e Beto, divulgado em 2016, mostrou aumento de 14% no vocabulário e 27% na memória de trabalho de crianças cujos pais leem para elas pelo menos dois livros por semana.

O estudo revelou ainda que a leitura frequente para as crianças leva à maior estimulação fonológica, o que é importante para a alfabetização, à maior estimulação cognitiva e a um aumento de 25% de crianças sem problemas de comportamento.

O estudo foi feito com base na experiência de Boa Vista (Acre), com o programa Família que Acolhe, voltado para a primeira infância, que acompanha crianças da gravidez até os seis anos.

A leitura é um dos carros-chefes do programa, segundo Maria de Lourdes Vieira dos Santos, gestora das Casas Mães no município - espécie de escolas de educação infantil de tempo integral - do Núcleo Senador Hélio Campos. Cada criança escolhe, na escola, dois livros para levar para casa e ficar pelos próximos 15 dias. Nesse período, devem manuseá-los e pedir que pais ou responsáveis leiam para elas. “A leitura é importante porque, além de aproximar os pais da criança, que têm esse tempo proveitoso junto ao filho, ajuda a criança a desenvolver a oralidade, a mudar o repertório de palavras. Trabalha o imaginário e a fantasia pelas histórias contadas”, diz.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/11/2017
Falhas banais em hospitais causam 829 mortes diárias
Falhas banais como erros de dosagem ou de medicamento, uso incorreto de equipamentos e infecção hospitalar mataram 302.610 pessoas nos hospitais públicos e privados brasileiros...
23/11/2017
Curtas DC Mais 23/11
A Força das Mulheres Cada vez mais as mulheres têm se lançado como empreendedoras no País. Nos últimos 14 anos, o número de empresárias subiu...
23/11/2017
Agenda Cultural 23/11
António Zambujo Show - O cantor português António Zambujo traz a BH seu mais novo show, “Até pensei que fosse minha”, que reúne...
22/11/2017
Banco Mundial defende fim do 3º grau gratuito
Brasília - Para cortar gastos sem prejudicar os mais pobres, o governo deveria acabar com a gratuidade do ensino superior. Essa é uma das sugestões apresentadas no...
22/11/2017
Curtas DC Mais 22/11
Siprocimg: nova diretoria O Sindicato das Indústrias de Produtos de Cimento do Estado de Minas Gerais (Siprocimg) realiza amanhã, às 19h30, a cerimônia de posse de...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.