Publicidade

DC Franquia

15/12/2016

Venda de precatórios ganha aliada

Franquia especializada em compra e venda de títulos federais amplia capilaridade
Daniela Maciel
Email
A-   A+
Rozzato: poucas pessoas sabem que podem antecipar o recebimento de precatórios/Divulgação
Receber uma dívida do governo, seja federal, estadual ou municipal, não é tarefa fácil. O pagamento dos chamados precatórios pode demorar décadas e uma boa parte chega a se transformar em objeto de herança. Uma possibilidade de reaver, pelo menos, parte do dinheiro em menos tempo é vender o título. A operação - legal - é realizada por fundos de investimento que compram o crédito normalmente por meio de escritórios especializados.

No mercado há mais de 15 anos, a Sociedade São Paulo de Investimentos, uma das maiores empresas especializadas em compra e venda de precatórios federais alimentares do País, abriu no início do ano o seu plano de expansão através do modelo de franchising. Batizada como Franquia de Precatórios, a rede já abriu 30 unidades.

O objetivo, até o fim do primeiro semestre, é chegar a 50 franquias no País, sendo cinco em Minas Gerais: três na Capital e região metropolitana, uma no Triângulo e outra na Zona da Mata. A primeira, recém-inaugurada, está na cidade de Manhuaçu, na Zona da Mata. A expectativa é de que em um ano a empresa já arrecade em aquisições de precatórios entre R$ 3 milhões e R$ 5 milhões por mês somente em Minas Gerais.

De acordo com o idealizador da Franquia de Precatórios, Marcos Rozzato, poucas pessoas sabem que podem antecipar o recebimento de precatórios de uma maneira legal e segura. Apenas cerca de 2% das pessoas que têm essa possibilidade realizam a operação. O deságio médio praticado pela Franquia de Precatórios fica entre 50% e 25% do valor de face do título. O calculo é feito levando-se em conta a possível data de resgate e o risco da operação.

“Atuamos apenas com títulos federais, que são dívidas com a União, com valor mínimo de 60 salários-mínimos. Existe um mercado enorme ainda a ser explorado. O que fazemos é oferecer ao franqueado a expertise para captar e negociar os precatórios. Com uma estrutura mínima - computador, acesso à internet e telefone - ele pode fazer isso de casa”, explica Rozzato.

Para ser franqueado, o candidato precisa passar por um processo seletivo. É imprescindível ter tino comercial aguçado e, preferencialmente, alguma vivência na área financeira ou contábil. O investimento total é estimado em R$ 6 mil. “Não temos uma barreira geográfica para a admissão de franqueados. Eles podem prospectar em todo o País, até por causa da demora no pagamento pelo governo, muitas pessoas nem moram mais na cidade de origem da dívida”, afirma o empresário.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

09/03/2017
Tutores amplia presença no País com mais sete unidades
Uma delas fica em Vazante, em Minas, e deve faturar R$ 60 mil/ano
09/03/2017
SuperGeeks e Conserta Smart desembarcam em BH
A Associação Brasileira de Franchising (ABF) aponta que, pela primeira vez, em seis anos, caiu em 1,1% o número de redes em operação no País. Hoje,...
21/02/2017
Minas Gerais nos planos de expansão da Loucos por Churros
Rede já tem 25 lojas espalhadas pelo Brasil
21/02/2017
Setor de franquias cresce 8,3% no Brasil em 2016
São Paulo - O setor nacional de franquias aumentou a receita em 8,3% em 2016, em comparação a 2015, totalizando faturamento de R$ 151,24 bilhões. No ano anterior, o...
21/02/2017
Busger estreia como evolução dos food trucks
São Paulo - Revolucionar a gastronomia de rua e ser uma evolução dos food trucks são as propostas do Busger, marca estreante no franchising brasileiro. Para entender...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.