18/08/2018
Login
Entrar

Economia

14/06/2018

Vendas decepcionam o comércio

Ana Amélia Hamdan
Email
A-   A+
Se os donos dos restaurantes saíram satisfeitos com o Dia dos Namorados, o mesmo não aconteceu com outros segmentos, como o comércio de roupas e calçados. Os empresários citaram os elementos crise econômica, Copa do Mundo, eleições e até greve dos caminhoneiros como fatores que atrapalharam as vendas.

Proprietária da loja de roupas femininas Betina, com duas unidades na Capital, Regina Farah informou que o resultado do Dia dos Namorados de 2018 foi praticamente igual ao do ano passado. “Ao longo de 2018, o comércio vem apresentando resultados abaixo do esperado. Então, já não estávamos esperando um aumento significativo no Dia dos Namorados”, disse.

Segundo ela, a melhora econômica que muitas vezes foi citada como consequência da queda dos juros e inflação controlada não chegou ao dia a dia do comerciante.

À frente da loja de calçados femininos Constance, no Shopping Cidade, Thaís Resende informou que as vendas foram menores que as do ano passado. “Uma série de fatores levou a esse resultado. O brasileiro já anda meio desacreditado e com o pé atrás. Aí veio a greve dos caminhoneiros. Depois tem eleição e Copa do Mundo. E, em Minas, ainda tem o funcionalismo público do Estado recebendo parcelado”, destacou.

Com produtos que lembram outra paixão, a do futebol, as lojas oficiais do Galo e do Cruzeiro também não melhoraram as vendas no comparativo com o ano passado. Na loja do Galo, os resultados foram piores que os de 2017, conforme informou o gestor de franquias do Atlético, Emerson Martins. Ele atribui os números ao momento econômico do País.

Martins informou que o movimento foi um pouco melhor só na terça-feira, 12 de junho. Nesse dia, quem comprou a camisa oficial ganhou um par de ingressos para o jogo de ontem. Mas, segundo Martins, a ação não pode ser considerada uma promoção, pois não houve divulgação.

Na loja do Cruzeiro, as vendas foram semelhantes às do ano passado, segundo informou a subgerente Juliana Costa. “A causa é a crise mesmo. O pessoal não quer gastar”, disse ela, explicando o resultado. Não foram feitas promoções para a data, mas a loja usou as redes sociais para divulgar alguns produtos específicos, como o agasalho.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/08/2018
ABC da Construção planeja ganhar mercados
Associação com a ConstruBrasil pode gerar desenvolvimento de produtos, redução de custos e preços
18/08/2018
Empresa alerta para risco de desabastecimento de diesel
Rio de Janeiro - A Petrobras avalia que a nova fórmula proposta pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para calcular o...
18/08/2018
Avanço do e-commerce não incomoda shoppings
Evento internacional reúne executivos e acionistas em São Paulo
18/08/2018
Cenário da economia é visto como ruim por 83,9% dos consumidores
São Paulo - O pessimismo dos consumidores sobre o momento da economia brasileira chegou no mês passado ao maior nível do ano, segundo sondagem feita pela...
18/08/2018
País tem vários fatores detendo produtividade, acredita secretário
Brasília - O secretário de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência do Ministério da Fazenda, João Manoel Pinho de Mello, avaliou na...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.