21/06/2018
Login
Entrar

Política

02/02/2018

Vice-líder propõe adiar a votação de reforma

Base aliada expõe divergências
Reuters/AE
Email
A-   A+
Rogério Rosso prevê derrota do governo se a PEC da Previdência for votada neste mês/Valter Campanato/ABr
Brasília - O vice-líder do governo na Câmara Rogério Rosso (PSD-DF) defendeu ontem, em reunião com o presidente Michel Temer, o adiamento da votação da reforma da Previdência, prevista para a semana do próximo dia 19, sob o risco de o governo sofrer uma derrota.

O vice-líder afirmou que, do jeito que está, o texto não passa e que mesmo com flexibilizações, o resultado em termos de votos favoráveis pode ser insuficiente. ?Disse ao presidente (Temer) que a Câmara dos Deputados em nenhuma hipótese vai chegar a 308 votos com esse texto?, disse a jornalistas. ?Se colocar para votar, o governo vai ser derrotado?, avaliou.

Rosso disse ter levado ao presidente demandas de diversas categorias de servidores públicos, que defendem inicialmente uma regra de transição para aqueles que ingressaram no serviço público antes de 2003.

Para o deputado, mesmo com algumas flexibilizações, o texto corre o risco de não ser aprovado, razão pela qual defendeu enfaticamente o adiamento da votação. Segundo ele, a insistência do governo em votar a proposta tem trazido ?tensão? ao País. ?A tensão já existe, já é existente desde o ano passado. Um adiamento da votação da reforma, na minha opinião, distensiona?, argumentou. ?A (reforma da) Previdência está cada vez mais longe do que perto de ser aprovada?, avaliou.

O vice-líder credita a resistência ao adiamento e a mudanças no texto a auxiliares do presidente, que, segundo ele, está ?obstinado? em aprovar a medida, mas não quer ?desperdiçá-la? com uma derrota.

Pouco antes de Rosso, outro governista avaliava reservadamente que a reforma não tem chances de ser aprovada neste mês. Mais cedo, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, admitiu que a reforma ainda não conta com os votos necessários.

Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição (PEC), a medida precisa do voto favorável de no mínimo 308 dos 513 deputados em dois turnos de votação. Uma vez aprovada pela Câmara, a proposta ainda precisa tramitar no Senado.

Leia também:
Padilha fixa limite para ?batalha?
Posse de ministra fica pendente


Reação - Minutos após o deputado Rogério Rosso (PSD-DF) contar que pediu ao presidente Michel Temer o adiamento da votação da reforma da Previdência e que o emedebista teria sinalizado que não levaria a PEC ao plenário da Câmara sem os votos necessários, o deputado Beto Mansur (PRB-SP) disse que o governo manterá a apreciação da proposta em fevereiro. ?Temer não vai recuar de jeito nenhum?, afirmou.

Segundo Mansur, Temer o orientou a seguir em frente nas negociações. ?Acabei de falar com o presidente e ele foi taxativo que vamos votar dia 20?, disse Mansur. Rosso e Mansur são vice-líderes do governo na Casa.

A emenda aglutinativa da reforma da Previdência deve ser apresentada no início dos trabalhos legislativos, na próxima semana. A fase de debates no plenário está marcada para o dia 19 e, esgotada a discussão, acontecerá a votação. O governo precisa de 308 votos para aprovar a PEC em dois turnos.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/06/2018
Delação de Funaro pode ser usada no inquérito dos portos
Corretor envolve Temer em esquema de pagamento de comissão
21/06/2018
AMM debate planos para governar Minas
Pré-candidatos criticam gestão de Fernando Pimentel e discutem temas como parceria com municípios
21/06/2018
Supremo absolve Gleisi Hoffmann de acusações de corrupção e lavagem
Brasília - O Supremo Tribunal Federal (STF) absolveu na noite da última terça-feira a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), em processo no qual a petista era...
21/06/2018
STJ restringe foro para julgar os chefes do Executivo estadual
Brasília - A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu ontem restringir sua competência para julgar casos relativos a governadores, desembargadores e outras...
21/06/2018
Polícia pode fechar acordos de colaboração
Brasília - Por 10 a 1, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem que delegados de polícia podem fechar acordos de colaboração premiada. Por maioria, os ministros...
› últimas notícias
Conselho da Vale aumenta cautela após desastre da Samarco, em Mariana
Confiança do empresário recua 6,7 pontos
Pesquisa aponta que 92% das empresas do País esperam mais receita e patrimônio até 2020
Presidente Temer afirma que Brasil abriu mais 33 mil vagas formais de emprego em maio
Belgo-Mineira Bekaert investirá R$ 107 mi em planta de Itaúna
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.