22/07/2018
Login
Entrar




Economia

13/07/2018

Vinci Partners negocia concessão para transmissão em Mnas Gerais

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - A gestora de recursos Vinci Partners está em negociações avançadas para a aquisição de uma concessão para a construção de uma linha de transmissão de energia em Minas Gerais que deve demandar investimentos de quase R$ 100 milhões, segundo documento visto pela reportagem.

A transação envolve a compra, por dois fundos controlados pela Vinci, de um projeto arrematado por um consórcio liderado pela Empresa Construtora Brasil (ECB) em um leilão realizado pelo governo federal em 2016.

O negócio vem em meio a um forte interesse de investidores pelo setor de transmissão no Brasil - os últimos leilões de concessões para a construção de novas linhas atraíram forte interesse de muitas empresas nacionais e estrangeiras e registraram intensa competição pelos empreendimentos oferecidos.

A ECB e sua sócia Mota Engil, com apenas 1% do negócio, aceitaram vender à Vinci a totalidade do projeto que arremataram, o lote 5 do certame de 2016, que prevê a construção de uma linha de transmissão de 165 quilômetros em Minas Gerais, em 500kv.

Segundo documento visto pela reportagem, as empresas pediram aval prévio à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para a transação, que tem previsão de ser fechada em meados de agosto.

A concessão seria transferida para os fundos de investimento em participações (FIPs) Trans Infra e Trans Coinvest, ambos da Vinci.

Se o negócio for fechado com sucesso, a Vinci somaria o empreendimento a uma concessão para a construção de linhas já arrematada pela gestora em um leilão de 2016. Esse projeto da Vinci Partners tem investimento estimado de cerca de R$ 270 milhões para a implementação de duas linhas entre Alagoas, Bahia, Sergipe e Pernambuco, com 198 quilômetros em extensão.

Procurada, a Vinci Partners disse que não iria comentar. A ECB também disse que não iria comentar. Não foi possível contato com a Mota Engil.

A ECB é uma construtora com atuação em diversos segmentos de infraestrutura, como rodovias e ferrovias, entre outros, segundo informações do site da companhia.
Já a Vinci tem aumentado o interesse por ativos no setor de energia. A empresa está de olho em aquisições e privatizações de elétricas, incluindo a estatal paulista Cesp.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Estados de Minas e ES discordam do investimento da ferrovia fora da área de atuação
21/07/2018
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Em julho, índice que mede a confiança do setor no Estado voltou a recuar e fechou em 47,1 pontos
21/07/2018
Minas mantém sequência de superávit
Em junho, saldo foi positivo em 12.143 postos de trabalho, somando 91.506 no semestre e 45.995 em 12 meses
21/07/2018
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Brasília - O Brasil encerrou o mês de junho com o fechamento de 661 vagas de emprego com carteira assinada, de acordo com o saldo entre contratações e...
21/07/2018
Governo quer leilão da Eletrobras até agosto
Perspectiva de encerrar processo até o fim do próximo mês tentará evitar liquidação de distribuidoras
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.